Profecias Católicas e o Fim dos Tempos

PROFECIAS DO APOCALIPSE DE SÃO JOÃO

“Depois apareceu no céu um grande sinal: uma mulher vestida de sol, com a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça. Estava grávida, e clamava com dores de parto e sofria tormentos para dar à luz.

Foi visto ainda outro sinal no céu: era um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez pontas, e nas suas cabeças sete diademas; a sua cauda arrastou a terça parte das estrelas do céu, e precipitou-as na terra. Depois o Dragão parou diante da Mulher, que estava para dar à luz um filho varão, que havia de reger todas as gentes com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono, e a Mulher fugiu para o deserto, onde tinha um retiro que Deus lhe tinha preparado, para aí a sustentarem durante mil duzentos e sessenta dias.

Houve no céu uma grande batalha: Miguel e os seus anjos pelejavam contra o Dragão, e o Dragão com os seus anjos pelejava contra ele; porém estes não prevaleceram, nem o seu lugar se encontrou mais no céu. Foi precipitado aquele grande dragão, aquela antiga serpente, que se chama demônio e satanás, que seduz todo o mundo, foi precipitado na terra, e foram precipitados com ele os anjos. Ouvi uma grande voz no céu, que dizia: agora foi estabelecida a salvação, a força, o reino do nosso Deus e o poder do seu Cristo, porque foi precipitado o acusador de nossos irmãos, que os acusava de dia e de noite diante do nosso Deus. Porém eles venceram-no pelo sangue do cordeiro e pela palavra do seu testemunho e desprezaram as suas vidas, até morrer. Por isso, ó céus, alegrai-vos, e vós, os que habitais neles. Ai da terra e do mar, porque o demônio desceu a vós com grande ira, sabendo que lhe resta pouco tempo.

Quando o dragão se viu precipitado na terra, perseguiu a Mulher que tinha dado à luz o filho varão, mas foram dadas a Mulher duas asas de uma grande águia, a fim de voar para o deserto, ao lugar do seu retiro, onde é sustentada por um tempo, por dois tempos e por metade de um tempo, fora da presença da serpente. Então, a serpente lançou da sua boca, atrás da Mulher, água como um rio, para fazer que Ela fosse arrebatada pela corrente. Porém a terra ajudou a Mulher e a terra abriu a sua boca e engoliu o rio que o dragão tinha vomitado da sua boca. O dragão irou-se contra a Mulher e foi fazer guerra aos outros seus filhos, que guardam os mandamentos de Deus e retém a confissão de Jesus Cristo. E parou sobre a areia do mar.” (Apocalipse 12, 1-18).

Este texto diz respeito sobre o drama do “Final dos Tempos!” Diz que no “Fim dos Tempos” aparecerá dois grandes sinais do céu do cristianismo, e que serão vistos, a saber:”uma Mulher vestida de sol”, e um “grande dragão vermelho”.

Os místicos modernos interpretam o sinal da “mulher vestida de sol”, como sendo Nossa Senhora, em pessoa, aparecendo em diversos lugares da terra, dando mensagens de salvação.

Neste sentido a Igreja aplicou estas palavras (“apareceu no céu um grande sinal: uma mulher vestida de sol, etc.”), na liturgia Romana da Missa (ver Missal de São Pio V), para comemorar a Aparição de Nossa Senhora de Lourdes, à Santa Bernadete Soubirous, como que querendo indicar, por este meio, que Ela é a Mulher vestida de sol, predita no Apocalipse.

As Aparições Oficiais, reconhecidas pela Igreja, são: a de Nossa Senhora do Bom Sucesso, em Quito, no Equador, por volta dos séculos XVI e XVII; a de Nossa Senhora da Salette, em 1846; a de Nossa Senhora de Lourdes, em 1858; a de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, em 1830; e, a de Nossa Senhora de Fátima, em 1917.

Paralelamente a estas são divulgadas inúmeras outras aparições ainda não aprovadas pela Igreja, de tal modo que o fenômeno místico atual é interpretado por alguns como sendo a realização da profecia apocalíptica, que estudamos aqui.

A Mulher do Apocalipse “estava grávida”, o que significa estar pronta para dar à luz, e “clamava com dores de parto e sofria tormentos para dar à luz”, ou seja, conforme a interpretação dos místicos, dava, com muita dor, “mensagens de salvação”, para converter os pecadores.

Um dos sinais de sua grande dor seriam manifestados através de suas inúmeras Imagens chorantes, algumas chegariam a chorar lágrimas de sangue.

O Padre Stefano Gobbi diz que o “dragão vermelho” é o “ateísmo militante”, que com sua cauda “arrastou a terça parte das estrelas do céu”, que seriam os Sacerdotes, e “precipitou-as na terra”.

O Padre Stefano Gobbi, a Irmã Lúcia, e Melânia dizem, por revelação de Nossa Senhora, que as “estrelas do céu”, do Apocalipse, são os Sacerdotes.

A queda Sacerdotal, portanto, não é obra humana, mas é obra preternatural, que vem lá de baixo, do próprio Demônio.

Essa investida preternatural foi anunciada já por Nossa Senhora da Salette, em 1846, a Maximino e Melânia. A Irmã Lúcia também falou sobre essa investida do Demônio contra as almas consagradas, através de uma carta dirigida ao Padre Agostinho Fuertes, postulador da causa de Beatificação de Francisco e Jacinta, e que veremos logo mais adiante.

A “cauda”, que arrastou “as estrelas do céu”, pertence ao “dragão vermelho”, que é a “antiga serpente”, que se chama “diabo” e “satanás”. “As estrelas do céu” são termos que possuem um significado místico e simbólico, e são aplicados para designar aquelas pessoas que ocupam um lugar de destaque na Igreja de Cristo.

A mídia usa o termo “estrela”, ou “star”, para designar aquelas pessoas que brilham no mundo da música, do cinema e da televisão.

Mas não é destas estrelas que o Profeta está falando, nem das estrelas do espaço sideral, ele está falando das “estrelas do céu”, e estas só podem ser os Sacerdotes, os Ministros de nosso Senhor Jesus Cristo, conforme interpretam vários místicos.

O texto diz que estas “estrelas”, ou seja, estes “sacerdotes”, foram “precipitados” na “terra”, ou seja, eles foram “empurrados”, “derrubados”, “violentamente guerreados e vencidos”, por uma causa preternatural, que a Bíblia chama de “Demônio e Satanás”, como que lembrando as investidas das “portas do Inferno” contra “a Igreja” de Cristo (Mt 16, 18).

Portanto, “precipitar”, aqui, toma o sentido de “queda”, e significa “cair na terra”, ou seja, “adaptar-se”, “converter-se ao mundo”, ao invés de converter o mundo a Deus; e a “mundanização” da Igreja, hoje, é fato muito notório.

Mas “cair na terra”, ou “ser precipitado”, significa também “cair em tentação”, e foi exatamente por isso, ou seja, para que os cristãos não caíssem nessa tentação que nosso Senhor Jesus Cristo ensinou a pedir na oração do Pai Nosso.

Portanto, quando você, ao rezar o Pai nosso, diz: “e não nos deixeis cair em tantação”, está, sem saber, rezando pela santificação das almas sacerdotais e religiosas, porque é necessário que eles fiquem firmes na fé, para que ninguém caia no ateísmo ou no paganismo.

Os Sacerdotes, portanto, ocupam o primeiro lugar nesta petição do Pai Nosso, e os fiéis ocupam o segundo lugar, e esta petição implora o triunfo do catolicismo contra todos os seus adversários.

O texto sagrado diz que o Dragão “parou diante da Mulher”, a fim de “devorar o seu filho”... Os místicos dizem que o filho da Mulher é Jesus Cristo, que é gerado pela Mulher, no coração dos pecadores que se convertem por meio de suas mensagens de salvação, dadas em Tolosa, Quito, Lourdes, La Salette, Fátima, Garabandal e outros lugares ainda não aprovados pela Igreja.

O texto fala ainda de uma guerra no céu, entre os exércitos de São Miguel e os exércitos de Lúcifer. Trata-se, pois, de uma batalha preternatural, que envolve o homem todo, pois nós também estamos envolvidos nesta guerra.

Numa guerra é normal que uns vençam e outros percam, que uns firam e outros saiam feridos. A arma com a qual o Demônio mais leva almas para o Inferno é o pecado mortal, que pode ser contra a fé e a moral. Para vencer o Demônio, caso ele nos fira de leve ou de morte, Jesus Cristo deixou a arma que cura todas as feridas e ressuscita os que morreram espiritualmente pelo pecado mortal, ou seja, Ele deixou o Sacramento da Confissão, onde Ele lava a alma do pecador com o seu Sangue.

É pelo “sangue do cordeiro” que nós venceremos o “Dragão” do Apocalipse. Vencer o Dragão, pois, significa deixar de pecar, ou lutar contra o pecado.

Vencer o Dragão, ou o Diabo, pelo “Sangue do Cordeiro”, em suma, significa a conversão e a recepção dos Sacramentos, tais como a Confissão e a Comunhão.

Mas há, no texto sagrado, um alerta ao qual devemos dar muita importância! Lembrem-se que este alerta vem de Deus, e quem nos transmite este alerta é o Apóstolo São João, que viu aquilo que está escrito lá, e escreveu-nos de forma mística e simbólica tudo o que viu e ouviu de Deus.

Portanto, o que ele escreveu não é uma imaginação, nem uma suposição, nem uma interpretação, mas é, isto sim, uma visão, que o eleva à categoria de testemunha ocular.

O alerta foi dado com as seguintes palavras: “Ai da terra e do mar, porque o Demônio desceu a vós com grande ira, sabendo que lhe resta pouco tempo”.

Estas palavras têm profunda ligação com as da profecia de São Pedro, que diz: “Mas os céus e a terra, que agora existem, são guardados pela mesma palavra e reservados para o fogo, no dia do juízo e da perdição dos homens ímpios.” (II Ped. 3, 7).

O Demônio “desce”, ou seja, “avança” contra a humanidade, com “grande ira”, isto é, com um ódio que escapa à nossa inteligência, o compreender, e ele está “desesperado”, porque “lhe resta pouco tempo”.

Ele tem “pouco tempo” e está “desesperado” porque teme a conversão dos pecadores, porque sabe que Deus é Bom e Misericordioso, e está pronto para perdoar até mesmo ao mais abominável pecador da face da terra, pois Deus não quer a morte do pecador, mas que se converta e tenha a vida, conforme diz a sagrada escritura.

E é nesse desespero, o desespero de perder as almas que ele já ganhou pelo pecado, que ele irá perder os homens ímpios pelo fogo da última guerra.

A terceira guerra mundial virá por instigação e desespero do próprio Demônio que, por meio da bomba atômica, desejará pegar de surpresa todos os pecadores, a fim de que eles não tenham tempo de se converter, e assim sejam condenados a Inferno.

Mas nós não devemos ter medo dessa ira dele, pois que se fizermos tudo o que nos manda fazer a Mulher, ou seja, Nossa Senhora, então seremos salvos do fogo, como foram o Padre Humberto Schiffer e sua família, em Hiroshima, quando explodiram a primeira Bomba atômica.

Eles estavam rezando o Rosário, e nós também estaremos esperando aquele dia com o Rosário nas mãos!

O texto sagrado diz, ainda; que o Dragão “perseguiu a Mulher”, vomitando de sua boca “um rio de águas”, a fim de “arrebata-la pela corrente”.

O Padre Stefano Gobbi disse que esse “rio de água” são “as heresias”, ou seja, “o conjunto das novas teorias teológicas”, que negam à Mulher “vestida de sol” todos os privilégios e a missão que Deus lhe deu.

Portanto, o Protestantismo e o Modernismo são doutrinas que militam contra a exelça Mãe de Deus.

“Depois vi levantar-se do mar uma besta, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças nomes de blasfêmia. A besta que eu vi, era semelhante a um leopardo; os seus pés como pés de urso, a sua boca como boca de leão. O dragão deu-lhe a sua força, o seu trono e uma grande autoridade. Vi uma das suas feridas como ferida de morte, mas a usa ferida mortal foi curada. Toda a Terra, cheia de admiração, seguiu a besta. Adoraram a besta, dizendo: Quem há semelhante à besta? E quem poderá pelejar contra ela?”.

Foi-lhe dada uma boca que proferia coisas arrogantes e blasfêmias, e foi-lhe dado poder de fazer guerra durante quarenta e dois meses. Abriu a sua boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar o seu nome, o seu tabernáculo e os que habitam no céu. Foi-lhe permitido fazer guerra aos santos e vence-los. Foi-lhe dado poder sobre toda a tribo, povo, língua e nação. Adoraram-na todos os habitantes da terra, cujos nomes não estão escritos no livro da vida do cordeiro, que foi imolado desde o principio do mundo.

Se alguém tem ouvidos, ouça. Aquele que levar outros para o cativeiro, irá para o cativeiro; aquele que matar à espada, importa que seja morto à espada. Aqui está a paciência e a fé dos santos.

Depois vi uma besta, que subia da terra e que tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro, mas que falava como um dragão. Ela exercia todo o poder da primeira besta na sua presença e fez que a terra e os que a habitam adorassem a primeira besta, cuja ferida mortal tinha sido curada.

Operou grandes prodígios, de sorte que até fez descer fogo do céu sobre a terra à vista dos homens. Seduziu os habitantes da terra com os prodígios que se lhe permitiram fazer diante da besta, dizendo aos habitantes da terra que fizessem uma imagem da besta, que tinha recebido um golpe de espada e recuperou a vida. Foi-lhe concedido dar espírito à imagem da besta, de modo que falasse a imagem da besta, e fazer que fossem mortos todos aqueles que não adorassem a imagem da besta. Conseguiu que todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, fossem marcados na sua mão direita, ou nas suas frontes, e que ninguém pudesse comprar ou vender, exceto aquele que tivesse o sinal ou o nome da besta ou o número do seu nome.

É aqui que está a sabedoria. Quem tem inteligência, calcule o número da besta, porque é número de homem: este número é 666.” (Apoc. 13, 1-18).

Este texto anuncia que duas bestas seduzirão o mundo todo com prodígios mentirosos, e blasfemarão contra Deus e seus Santos.

Anuncia também que a besta fez guerra contra os santos e os venceu. Nos primeiros tempos a palavra “santo” era usada para designar os discípulos de Cristo; com o passar do tempo essa distinção sofreu algumas modificações, passando a significar cristãos, e por fim passou a significar católico.

Alguns místicos, como o Padre Stefano Gobbi, dizem que essa “besta negra” é a maçonaria, que é leiga fora da Igreja e eclesiástica no interior do catolicismo.

Alguns estudiosos, como Gustavo Barroso, dizem que o poder oculto, que domina o mundo todo, inclusive a maçonaria, seria o Sionismo ou Judaísmo Internacional.

Os maçons adoram o Bode negro dos Templários (Dogma e Ritual de Alta Magia – de Eliphas Levi); e a religião judaica é inimiga de todos os homens (São Paulo Apóstolo).

Maurice Pinay, em seu livro “Complô contra a Igreja”, afirma, com provas documentadas, que a Revolução Francesa e a Revolução Comunista foram Revoluções de caráter Sionista.

Portanto, fazer guerra “aos santos e vence-los” significa fazer guerra contra o catolicismo e vence-lo. De fato, existe uma vitória do mundo sobre o catolicismo, porque a maioria das pessoas já não prestam vênia aos ensinamentos da Igreja, mas obedecem, docilmente, todas as leis e modas do mundo.

A besta será uma coisa que blasfemará contra Deus, que se oporá a Deus. Portanto, onde houver revolta contra Deus, e desobediência a seus Mandamentos, ali estará o espírito da besta.

Os “prodígios” operados pela besta podem ser aqueles apontados por São Nilo, tais como a invenção dos meios de comunicação, do avião, do submarino, e das “fraudes de satã”.

O Padre Stefano Gobbi disse que a “imagem da besta” seria a televisão, que tem “forma de movimento”.

Pode até ser que ela não seja a imagem propriamente deita da besta, mas que ela faz tudo o que está escrito ali, não há dúvidas, pois fala somente contra Deus, nunca a favor de Deus. É um veículo propagador do erro e do pecado, é anti-religioso, anticristão, em suma, é anti-católico.

No Escorial, Espanha, uma camponesa afirmou ter ouvido Nossa Senhora lhe dizer que “o prazer da carne” seria a “marca”, ou o “número da besta”, ou seja, a linguagem da sensualidade, que outra coisa não é que o hedonismo nas suas mais variadas formas.

Para escaparmos destas armadilhas de Satanás, é preciso que levemos uma vida irrepreensível diante de Deus, e esperar o grande dia com o Rosário nas mãos.

“Depois um dos sete anjos, que tinham as sete taças, veio falar comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a condenação da grande meretriz que está sentada sobre muitas águas, com a qual se mancharam os reis da terra, e que embriagou os habitantes da terra com o vinho da impudicícia”.

Transportou-me em espírito ao deserto. E vi uma mulher sentada sobre uma besta escarlate, cheia de nomes, de blasfêmia, que tinha sete cabeças e dez chifres. A mulher estava vestida de púrpura de escarlate, adornada de ouro, de pedras preciosas e de pérolas, e tinha na mão uma taça de ouro cheia de abominações e de imundície de sua prostituição, e estava escrito na sua fronte este nome: Mistério: a grande Babilônia, a mãe das impudicícias e das abominações da terra. Vi esta mulher ébria do sangue dos santos e do sangue dos mártires de Jesus. E quando a vi, fiquei em extremo admirado.

O anjo disse-me: Por que te admiras? Eu te direi o mistério da mulher e da besta que a leva, a qual tem sete cabeças e dez chifres. A besta que viste, foi e já não é: subirá do abismo, e irá à perdição; e os habitantes da terra (cujos nomes não estão escritos no livro da vida desde o princípio do mundo) se encherão de pasmo quando virem a besta, que era e já não é. É aqui um espírito dotado de sabedoria. As sete cabeças são sete montes, sobre os quais a mulher está sentada. São também sete reis, dos quais cinco cairão, um subsiste e outro ainda não veio, mas quando vier, deve durar pouco tempo. A besta, que era e já não é, ela mesma é um oitavo; é um dos sete e caminha para a perdição. Os dez chifres que viste, são dez reis que ainda não receberam reino, mas receberão poder como reis durante uma hora depois da besta. Estes combaterão contra o cordeiro e o cordeiro os vencerá, porque ele é o Senhor dos setores e o Rei dos reis, e os que são com ele (são) os chamados, os escolhidos e os fiéis.

E (o anjo) disse-me: As águas que viste, onde a meretriz está sentada, são os povos, as nações e as línguas. Os dez chifres que viste na besta, estes aborrecerão a meretriz, torná-la-ão desolada e nua, comerão as suas carnes e queimá-la-ão com fogo. Porque Deus lhes pôs nos seus corações executarem o seu desígnio, e darem o seu reino à besta, até que se cumpram as palavras de Deus. A mulher que viste, é a grande cidade que reina sobre os reis da terra." (Apoc. 17, 1-18).

A Profecia de Nossa Senhora da Salette, mais conhecida como "o segredo da Salette", tem profunda ligação com as palavras deste texto, e pode ser considerada como uma interpretação divina destas palavras do Apocalipse.

De fato, o "segredo", aprovado pela Igreja, diz que "Roma se tornará a sede do Anticristo", e este testo do Apocalipse diz que a "Meretriz" é a "Cidade" sentada sobre "sete montes", e que "reina sobre os reis da terra". Ora, Roma é conhecida como a "Cidade das Sete Colinas", e como a "Cidade do Mundo": a "Urbe et Orbe". Roma é a sede do cristianismo.

Os místicos dizem que a "meretriz" seria o conjunto dos Sacerdotes e Pessoas Consagradas a Deus que perderiam a fé, e com isso arrastariam muitas almas para o Inferno.

Este texto profetiza, portanto, a apostasia geral. Vocês conhecerão a gravidade dessa crise, ao tomarem conhecimento das palavras da profecia da Salette, à qual o Papa João Paulo II disse ser "O coração das profecias".

Roma, ou mais precisamente o Vaticano, tornou-se a "Meretriz" do Apocalipse quando rompeu "oficialmente" com as Tradições do passado, transformando-se numa outra Igreja, que tem só a aparência de Católica, mas que no fundo já não é mais o que era e deveria ser.

É fato notório, e discutido por muitos, que a partir do Concílio Vaticano II surgiu uma Nova Igreja, com Novos Sacerdotes, Nova Missa, Novo Catecismo, Nova Teologia e uma Nova Moral.

A Nova Igreja que surgiu do Concílio Vaticano II foi chamada, por muitos teólogos e por muitos místicos, de Modernista e Progressista.

São Nilo também falou dessa crise, dessa mudança! Urge, por bem, permanecer, como manda o Apóstolo, fiéis às tradições, e não mudar.

A maioria do clero tornou-se, depois do Concílio, Modernista, mas uma minoria permaneceu fiel, e ainda administram os mesmos Sacramentos, ainda rezam a Missa em Latim (de São Pio V), e pregam a mesma doutrina da Tradição Apostólica.

A minoria dos Sacerdotes fiéis, e que estão espalhados por todo o mundo, pertencem às Fraternidades Sacerdotais São Pio X e São João Batista Maria Vianney, fundadas pelos Excelentíssimos Dom Marcel Lefebvre e Dom Antônio de Castro Mayer.

Existem outros Sacerdotes e outras Fraternidades que, como eles, militam pela volta da verdadeira Missa, e da verdadeira doutrina da Tradição Apostólica.

Extraído do livro: Profecias Apocalípticas, do autor Gershonius Silvae
Temos 46 Online

Segunda Vinda
de Jesus