Eu pedia pelo amor de Deus para não fazerem aquilo diante das minhas netas: Em plena Semana Santa familia tem casa destruida em ação de reintegração sem aval da justiça de SP


15.04.2017 -

No meio dos escombros daquilo que restou de sua casa, a diarista Maria de Deus Peixoto, 59, procura os sapatos das netas. Ali, antes da passagem de uma retroescavadeira, foi seu quarto por mais de 30 anos, em um endereço no fim de uma rua em Cidade Ademar, na zona sul de SP.

n/d

(Dona Maria, ao centro de cinza, com a nora e o neto, a frente, e os outros parentes, em meio as destroços da casa da familia)

Enquanto tenta identificar outros pertences no terreno arrasado, ela comemora o resgate de um pé da chuteira de seu filho. "Nos fizeram sair às pressas, não deu para pegar muita coisa", diz a diarista, enquanto cutuca com os pés os pedaços de madeira estraçalhados que formavam o seu guarda-roupas.

No dia anterior, sua casa e outras seis foram alvo de uma mal explicada reintegração de posse. As residências ficavam em um terreno adquirido em 2013 pela construtora Cardim, que, desde então, briga para a retirada das famílias.

Para a Justiça, a realidade daquelas famílias era diferente. Das sete casas do terreno, cinco estavam tomadas por invasores havia anos e deveriam, sim, ser demolidas. Já a de dona Maria e a de seu filho Rafael de Souza, 34, estavam poupadas pelo Judiciário após um recurso direto contra essa reintegração.

Mas, na última quarta-feira (12), a decisão judicial a favor da diarista de nada valeu. Também não adiantou nada ela repetir seus argumentos e relembrar seu recurso vitorioso ao oficial de Justiça e aos policiais que apareceram junto com a retroescavadeira.

Uma cópia da decisão judicial que livrava sua casa foi retirada do bolso e apresentada a eles em uma folha de papel amassada. Nada adiantou.

"Eu pedia pelo amor de Deus para não fazerem aquilo diante das minhas netas."

n/d

A máquina avançou. Não houve tempo nem para retirar móveis, eletrodomésticos e pertences em geral. Também não sobrou nada da estante comprada semanas atrás.

"Iam passar por cima dela [Maria] junto com a casa", lembra o filho, ambulante. Ele só teve tempo de salvar seu ganha-pão, a churrasqueira que estaciona diariamente em frente a um supermercado na av. Cupecê para vender espetinhos. O material de estudo do último ano da faculdade de biologia, porém, perdeu-se no meio dos destroços.

Antes da destruição, a família acionou a Defensoria Pública, que chegou a protocolar uma petição de urgência para suspender a reintegração. Assim que recebeu o pedido, a juíza Carolina Nabarra Munhoz Rossi o acatou, mas, quando a decisão chegou ao oficial de Justiça, as casas já estavam demolidas.

Dona Maria diz ter repetido ao oficial de Justiça Nelson de Souza Pereira que as casas de sua família estavam fora da ordem de demolição. "Mas ele estava com muita pressa", diz a diarista, com um antebraço machucado por causa do tombo que levou ao tentar carregar seus pertences debaixo de chuva. Procurado pela reportagem, Pereira disse que não iria comentar o assunto e desligou abruptamente o telefone.

Procurado, o Tribunal de Justiça de São Paulo informou que "a demolição sem autorização foi feita foi por conta e risco da autora da ação [construtora] e que irá tomar as medidas cabíveis".
Por e-mail, o proprietário da construtora, Rafael Cardim, disse que a reintegração de posse foi feita em cumprimento à ordem judicial e que "a desocupação ocorreu na normalidade do cumprimento do mandado, sem nenhum registro de ocorrência".

Dona Maria chegou ao imóvel da rua Itapecerica da Serra em 1976 e guarda em uma sacola amarela os recibos dos aluguéis que pagou por anos ao proprietário original, que também não tinha escritura do terreno e recusou as tentativas dela de comprá-lo. "Ele nos dizia que podíamos ficar tranquilos."

Os tormentos tiveram início quando o antigo proprietário morreu e o terreno foi vendido. "Foi quando apareceu do nada a primeira escritura", diz a diarista, que há alguns anos abandonou as faxinas por causa de problemas de saúde e vive da aposentadoria do marido e da ajuda dos três filhos.

Em 2014, ela registrou um boletim de ocorrência na polícia quando pessoas que seriam ligadas à construtora derrubaram o barraco que ficava ao lado de sua casa, o que provocou uma rachadura em uma das paredes de sua cozinha. "Fizeram isso para nos botar medo", diz.

A Defensoria Pública deve entrar com pedido de indenização por danos morais contra a construtora nas próximas semanas. "Me sinto em um beco sem saída. Foi muita crueldade", diz dona Maria, cercada por alguns pertences que sobraram no meio dos escombros. Tudo agora está empilhado na garagem de uma vizinha da mesma rua, onde Maria está abrigada. Fonte: www.correiodolago.com.br

========================

Reportagem do UOL noticias

 

Nota de www.rainhamaria.com.br

Diz na Sagrada Escritura:

"Como se transformou em prostituta a cidade fiel! Antes era cheia de direito, e nela morava a justiça; agora, está cheia de criminosos! A sua prata tornou-se lixo, o seu vinho ficou aguado. Os seus chefes são bandidos, cúmplices de ladrões: todos eles gostam de suborno, correm atrás de presentes; não fazem justiça ao órfão, e a causa da viúva nem chega até eles.  Pois bem! Ai de vós! - oráculo do Senhor Javé dos exércitos, o Poderoso de Israel. Eu vingar-Me-ei dos meus inimigos e pedirei satisfação aos meus adversários. Voltarei a minha mão contra ti, para te limpar com soda e tirar a tua impureza". (Isaias 1, 21-25)

"Ouvi a palavra do Senhor, príncipes de Sodoma; escuta a lição de nosso Deus, povo de Gomorra: Cessai de fazer o mal, aprendei a fazer o bem. Respeitai o direito, protegei o oprimido; fazei justiça ao órfão, defendei a viúva...

n/d

...Ai de vós, que ajuntais casa a casa, e que acrescentais campo a campo, até que não haja mais lugar, e que sejais os únicos proprietários da terra". (Isaias 26)

"Debaixo do sol, observei ainda o seguinte: a injustiça ocupa o lugar do direito, e a iniqüidade ocupa o lugar da justiça". (Eclesiastes 3, 16)

"Pus-me então a considerar todas as opressões que se exercem debaixo do sol. Eis aqui as lágrimas dos oprimidos e não há ninguém para consolá-los". (Eclesiastes 4, 1)

"Porque conheço o número de vossos crimes e a gravidade de vossos pecados, opressores do justo, exatores de dádivas, violadores do direito dos pobres em juízo". (Amós 5, 12)

"Ouvi isto, exploradores do necessitado, opressores dos pobres do país!" (Amós 8, 4)

n/d

"Vós, ricos, chorai e gemei por causa das desgraças que sobre vós virão. Vossas riquezas apodreceram e vossas roupas foram comidas pela traça. Vosso ouro e vossa prata enferrujaram-se e a sua ferrugem dará testemunho contra vós e devorará vossas carnes como fogo. Entesourastes nos últimos dias! Eis que o salário, que defraudastes aos trabalhadores que ceifavam os vossos campos, clama, e seus gritos de ceifadores chegaram aos ouvidos do Senhor dos exércitos. Tendes vivido em delícias e em dissoluções sobre a terra, e saciastes os vossos corações para o dia da matança! Condenastes e matastes o justo, e ele não vos resistiu". (São Tiago 5, 1-5)

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne