Cardeal Sarah: Desde o Concílio, o Centro da liturgia e da Igreja não é mais Deus nem a adoração a Ele


22.04.2017 -

Os verdadeiros adoradores de Deus não são aqueles que reformam a liturgia de acordo com suas próprias idéias e criatividade, tornando-a algo agradável para o mundo, mas sim aqueles que reformam o mundo em profundidade com o Evangelho.

n/d

Cardeal Robert Sarah – The Catholic World Report (*) | Tradução: Sensus Fidei.

Certamente, o Concílio Vaticano II desejava fomentar uma maior participação ativa do povo de Deus e fazê-la progredir dia a dia na vida cristã dos fiéis (ver Sacrosanctum Concilium, 1). Certamente, algumas boas iniciativas foram tomadas nesse sentido. No entanto, não podemos fechar os olhos ao desastre, à devastação e ao cisma que os modernos promotores de uma liturgia viva provocaram remodelando a liturgia da Igreja segundo as suas ideias. Eles esqueceram que o ato litúrgico não é apenas uma ORAÇÃO, mas também e sobretudo um MISTÉRIO em que algo é realizado para nós que não podemos compreender plenamente, mas que devemos aceitar e receber em fé, amor, obediência e adorar no silêncio. E este é o verdadeiro significado da participação ativa dos fiéis. Não se trata de uma atividade exclusivamente externa, da distribuição de papéis ou de funções na liturgia, mas sim de uma receptividade intensamente ativa: esta recepção é, em Cristo e com Cristo, a humilde oferenda de si mesmo em oração silenciosa e uma atitude totalmente contemplativa.

A grave crise da fé, não só ao nível dos fiéis cristãos, mas também e sobretudo entre muitos sacerdotes e bispos, tornaram-nos incapazes de compreender a liturgia eucarística como um sacrifício, como idêntico ao ato realizado de uma vez por todas por Jesus Cristo, fazendo presente o Sacrifício da Cruz de uma maneira não sangrenta, em toda a Igreja, através de diferentes épocas, lugares, povos e nações.

Há muitas vezes uma tendência sacrílega para reduzir a Santa Missa a uma simples refeição de convívio, a celebração de uma festa profana, A celebração da comunidade de si mesma, ou pior ainda, uma terrível diversão da angústia de uma vida que já não tem significado ou do medo de encontrar-se com Deus face a face, porque Seu olhar nos desvela e nos obriga a olhar de forma verdadeira e inflexível a feiúra da nossa vida interior. Mas a Santa Missa não é uma diversão. É o sacrifício vivo de Cristo que morreu na cruz para nos libertar do pecado e da morte, com o propósito de revelar o amor e a glória de Deus Pai.

Muitos católicos não sabem que o propósito final de cada celebração litúrgica é a glória e a adoração de Deus, a salvação e a santificação dos seres humanos, uma vez que na liturgia “Deus é perfeitamente glorificado e os homens são santificados” ( Sacrosanctum concilium, 7). A maioria dos fiéis – incluindo sacerdotes e bispos – não conhece este ensinamento do Concílio. Assim como eles não sabem que os verdadeiros adoradores de Deus não são aqueles que reformam a liturgia de acordo com suas próprias idéias e criatividade, tornando-a algo agradável para o mundo, mas, sim, aqueles que reformam o mundo em profundidade com o Evangelho, para permitir o acesso a uma liturgia que é o reflexo da liturgia que é celebrada de toda a eternidade na Jerusalém celeste. Por isso, é necessário reconhecer que a grave e profunda crise que atingiu a liturgia e a própria Igreja desde o Concílio se deve ao fato de que seu CENTRO não é mais Deus e a adoração a Ele, mas sim os homens e a sua alegada capacidade de “fazer” algo para se manterem ocupados durante as celebrações eucarísticas.

Ainda hoje, um número significativo de líderes da Igreja subestima a grave crise que atravessa a Igreja: o relativismo no ensino doutrinário, moral e disciplinar, graves abusos, a dessacralização e banalização da Sagrada Liturgia, uma visão meramente social e horizontal da Igreja missão. Muitos creem e declaram alto e longamente que o Concílio Vaticano II trouxe uma verdadeira primavera na Igreja. No entanto, um número crescente de líderes da Igreja vê esta “primavera” como uma rejeição, uma renúncia à sua herança secular, ou mesmo como um questionamento radical do seu passado e da Tradição. A Europa política é repreendida por abandonar ou negar suas raízes cristãs. Mas a primeira a ter abandonado suas raízes e passado cristãos é indiscutivelmente a Igreja Católica pós-conciliar. Fonte: The Catholic World Report

 

Veja também...

A Esposa do Cordeiro sob forte ataque interno. A apostasia, que tomou conta do clero, dos religiosos e dos leigos, em sua imensa maioria

Proibido Ajoelhar-se? Imagine-se agora chegando na Igreja, e ao ultrapassar a porta, repentinamente Nosso Senhor JESUS CRISTO torna-se visível a sua frente, em toda Sua Glória e Majestade! Qual atitude você tomaria?

A pedido do Papa Pio IX, que os fiéis saibam da conspiração contra a Igreja tramada pelas sociedades secretas, conheçam seus planos e estejam preparados para o caso de uma eventual realização

Padre Malachi Martin, que leu o Terceiro Segredo de Fátima: A apostasia na Igreja é o contexto do Terceiro Segredo. Cardeais, Bispos e Padres estão a cair no inferno como folhas. A Fé desaparecerá de países. O Castigo virá e será o pior pesadelo

Apostasia na Igreja de acordo com as visões da Beata Catherine Emmerich. Ela vê claramente nos últimos tempos, a batalha final entre o bem e o mal, a falsa igreja e o falso ecumenismo, cristãos serão enganados e induzidos ao erro

Intimidação e ameaças não impediram os Mártires, os Discípulos, e os Católicos fiéis de proclamarem, através dos tempos, os ensinamentos de Jesus Cristo

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne