Cardeal John Onaiyekan: A Igreja Europeia deve abordar as Igrejas vazias, não a homossexualidade


06.03.2018 -

n/d

O Cardeal John Onaiyekan, de Abuja, Nigéria, expressou surpresa que a Igreja Católica na Europa está preocupada com a homossexualidade, enquanto eles devem se preocupar com a sua Igrejas e seminários estão vazios. 

n/d

Falando com os meios de comunicação  austríacos (2 de março), Onaiyekan afirmou que o ensino da Igreja sobre o homossexualismo é claro e que a homossexualidade não pode ser aprovada: "Não há opção para mudar isso". A questão homossexual já produziu uma divisão na igreja Anglicana. Agora, parece que Francisco quer provocar uma divisão semelhante na Igreja Católica.

Visto em: http://religionlavozlibre.blogspot.com.br

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Catecismo da Igreja Católica - Sobre castidade e homossexualidade

2357- “A homossexualidade designa as relações entre homens e mulheres que sentem atração sexual, exclusiva ou predominante, por pessoas do mesmo sexo. A homossexualidade se reveste de formas muito variáveis ao longo dos séculos e das culturas. A sua gênese psíquica continua amplamente inexplicada. Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves (Gn 19,1-29; Rm 1,24-27; 1Cor 6,9-10; 1Tm 1,10), a tradição sempre declarou que “os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados” (CDF, decl. Persona humana, 8). São contrários à lei natural. Fecham o ato sexual ao dom da vida. Não procedem de uma complementaridade afetiva e sexual verdadeira. Em caso algum podem ser aprovados”.

Lv 18, 22: “Não te deitarás com um homem como te deitas com uma mulher. É uma abominação”.

Lv 20, 13: “O homem que se deita com outro homem como se fosse uma mulher, ambos cometem uma abominação, deverão morrer, e o sangue cairá sobre eles”.

Rm 1, 26s: “Deus os (pagãos) entregou-se a paixões aviltantes: suas mulheres mudaram as relações naturais por relações contra a natureza; igualmente os homens, deixando a relação natural com a mulher, arderam em desejo uns para com os outros, praticando torpezas homens com homens e recebendo em si mesmos a paga da sua aberração”.

1Cor 6, 9s: “Não sabeis que os injustos não herdarão o Reino de Deus? Não vos iludais! Nem os impudicos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os depravados, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os injuriosos herdarão o Reino de Deus”.

2358- Um número significativo de homens e mulheres tem tendências homossexuais profundas. Essa inclinação, objetivamente desordenada, constitui para a maioria deles um teste autêntico. Eles devem ser bem-vindos com respeito, compaixão e delicadeza. Todos os sinais de discriminação injusta serão evitados. Essas pessoas são chamadas a realizar a vontade de Deus em suas vidas e, se elas são cristãs, unirem ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar por causa de sua condição.

2359- As pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Através de virtudes de auto-domínio que educam a liberdade interior, e às vezes através do apoio de uma amizade desinteressada, oração e graça sacramental, eles podem e devem aproximar gradualmente e resolutamente a perfeição cristã.

 

Veja também...

Na África, o administrador diocesano, Monsenhor Joseph Akonga, acusa clero "homossexual" de assassinar o seu Bispo

Francisco abre as portas da Igreja à uma teologia estranha: Seu Consultor do Pontifício Conselho da Cultura, apreciador dos escritos da Irmã Maria Teresa Forcades, que promove a aceitação da homossexualidade e a união gay na Igreja

Uma batalha está sendo travada na Igreja: Bênçãos a homossexuais, gera grande tensão entre os Cardeais

Igreja Católica (Verdadeira) condena homossexualismo, união civil ou "matrimônio" homossexual, adoção de crianças por homossexuais

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne