Bispos alemães em guerra: Comunhão para os protestantes dividiu a Igreja alemã e agora é o problema do Vaticano


13.04.2018 -

n/d

Por Jon Anderson

A Igreja alemã foi lançada em uma controvérsia depois que sete bispos apelaram ao Vaticano contra novas diretrizes que permitiriam aos cônjuges protestantes receberem a Santa Comunhão. Se adotadas, essas regras relaxariam significativamente as existentes.

O cardeal Rainer Maria Woelki de Colônia, o arcebispo Ludwig Schick de Bamberg e os bispos de Görlitz, Augsburg, Eichstätt, Passau e Regensburg assinaram uma carta de três páginas ao arcebispo Luis Ladaria, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé (CDF). e o cardeal ecumênico do Vaticano, Cardeal Kurt Koch. Eles pediram uma decisão sobre se o texto aprovado na reunião de fevereiro da Conferência dos Bispos da Alemanha (DBK) excedeu a competência dos bispos nacionais e violou a lei canônica.

Notavelmente, a carta foi enviada sem consulta prévia ao presidente do DBK, Cardeal Reinhard Marx. Cinco dos sete bispos são também de dioceses da Baviera, onde o cardeal Marx é presidente da conferência dos bispos do estado. De sua parte, Marx rejeitou as perguntas dos sete bispos e destacou que as diretrizes eram apenas um esboço e ainda poderiam ser alteradas. Ele havia dito anteriormente que o novo documento era apenas um "manual pastoral" e que "não queremos criar nenhum novo dogma".

n/d

A carta dos sete bispos não é inédita, mas tal iniciativa é incomum. A última vez que Roma foi formalmente solicitada a intervir nas disputas internas da Igreja Alemã foi em 1999, quando a maioria dos bispos votou para continuar fazendo parte do serviço estadual de aconselhamento sobre gravidez. O cardeal Joachim Meisner fez um apelo direto ao papa João Paulo II e assegurou a decisão do Vaticano de anular sua decisão. Mas esse foi um esforço solo de Meisner, o líder da facção conservadora quase extinta da Igreja alemã. Um apelo a Roma por sete bispos relativamente centristas é um desenvolvimento dramático.

Os cônjuges não católicos que recebem a Comunhão não são, é claro, uma questão restrita à Alemanha. Tony Blair recebeu celebremente a Comunhão regularmente antes de sua conversão, apesar de ser contra as regras (como o Cardeal Basil Hume mais tarde o lembrou). Na Alemanha, a prática é bastante comum, assim como é comum os divorciados recasados civilmente receberem a Comunhão, e há uma clara ligação com a controvérsia de Amoris Laetitia. Mas, como vimos com a exortação apostólica do Papa Francisco sobre a família, há uma diferença entre ter uma regra importante que é amplamente desconsiderada e mudar a regra - mesmo que apenas permita exceções, porque as exceções têm uma maneira de se tornar a nova norma. E, no que diz respeito aos sacramentos, as apostas são altas.

As novas diretrizes alemãs são formuladas como uma forma de prever exceções a serem feitas caso a caso, depois que o comunicante passou por um processo de discernimento sob a orientação de um padre. Em última análise, isso se resumiria à consciência do indivíduo - isto é, os cônjuges protestantes que desejam receber a Comunhão devem decidir por si mesmos se devem ou não ser capazes de fazê-lo. Há uma semelhança óbvia com a proposta de permitir a comunhão para divorciados recasados proposta pelos futuros cardeais Walter Kasper e Karl Lehmann em 1993, que serviu de base para a intervenção do Cardeal Kasper nos dois sínodos familiares que antecederam a publicação de Amoris. A superioridade da consciência sobre a lei é uma posição católica alemã comum.

Por que a oposição tem sido muito mais aguda em relação à intercomunhão do que à comunhão em favor dos divorciados? Houve resistência a Amoris do cardeal Gerhard Müller, então prefeito da CDF, mas ele tinha muito pouco apoio dos bispos alemães. Uma razão poderia ser que os argumentos sobre o divórcio foram bem ventilados desde a proposta de 1993, e assim o terreno foi preparado. Ou pode ser que o caso de admitir católicos em casamentos irregulares pareça mais plausível do que o de admitir cônjuges que não são católicos, já que as condições sob o direito canônico para não-católicos são mais explícitas e bastante rígidas. Poderia ser simplesmente que, como frequentemente acontece na Igreja, a facção modernizadora ganhou vantagem e impulsionou sua agenda mais e mais rapidamente do que a base central poderia suportar.

A orientação sobre a Comunhão para os cônjuges protestantes deve basear-se no Cânon 844 (4) do Código de Direito Canônico de 1983, que afirma que “Se o perigo da morte está presente ou se, no julgamento do bispo diocesano ou conferência dos bispos , outra necessidade grave insta, ministros católicos administram esses mesmos sacramentos licitamente também a outros cristãos que não têm plena comunhão com a Igreja Católica, que não podem se aproximar de um ministro de sua própria comunidade e que o procuram por conta própria, desde que se manifestem. Fé católica em relação a esses sacramentos e estão devidamente dispostos ”.

Isto, no entanto, levanta a questão de saber se a angústia de alguém em não poder receber a Comunhão realmente conta como uma “grave necessidade” sob o significado de 844 (4). E “manifestar fé católica em relação a esses sacramentos” não é óbvia no caso de cônjuges que não se tornaram católicos e não desejam fazê-lo.

O Cânon 844 (4) suaviza a linguagem do Código de 1917, que afirmava sem rodeios que era “proibido ministrar os Sacramentos da Igreja aos hereges e cismáticos, mesmo que eles sejam de boa fé e os peçam, a menos que tenham primeiro renunciou a seus erros e se reconciliou com a Igreja ”. Isso não é muito diplomático, mas deixa claro que participar dos sacramentos é um sinal de unidade dentro da Igreja.

O problema mais fundamental da intercomunhão é que, mesmo que a forma seja semelhante, diferentes comunidades religiosas freqüentemente têm entendimentos muito diferentes do que significa comunhão. A mesma questão pode se aplicar a outros sacramentos como o batismo ou o casamento. Por exemplo, a Igreja Católica reconhece os batismos como válidos se estiverem em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo - mas, crucialmente, isso tem que envolver uma crença real na Trindade. A Igreja não reconhece o batismo Mórmon, embora use as mesmas palavras, porque a teologia de Joseph Smith nega a Trindade.

O mesmo problema se aplica à comunhão. Ou o sacramento é o Corpo e Sangue de Cristo, ou não é. Se é visto simplesmente como uma lembrança simbólica do sacrifício de Cristo, isso é outra coisa completamente diferente.

É por isso que, sob o ensino católico estabelecido, a intercomunhão é possível com as Igrejas Ortodoxas - embora limitadas na prática - mas não com a maioria das denominações protestantes, simplesmente porque elas não concordam com a visão católica do que a Comunhão realmente é.

Muitas outras comunidades religiosas praticam a comunhão fechada, restringindo o sacramento a seus próprios membros. No entanto, algumas grandes denominações protestantes praticam a comunhão aberta - crucialmente incluindo o EKD, a principal federação de igrejas protestantes da Alemanha. Isso significa que a esposa católica em um casamento misto pode receber a comunhão em uma igreja luterana, mas não o contrário. Isso cria uma pressão social, que faz parte do contexto da decisão dos bispos alemães.

Provavelmente, uma motivação maior é o declínio a longo prazo da vida cristã na Alemanha. Graças ao sistema tributário da igreja no país, tanto as igrejas católicas quanto protestantes são extremamente ricas, mas em grande parte vazias de fiéis. A taxa atual de frequência à missa na Alemanha é de cerca de 10%, e os luteranos, que foram muito além para acomodar a cultura secular alemã, têm taxas ainda mais baixas de observância.

A escassez de vocações é tão severa que, apesar de importar um grande número de sacerdotes da Índia, a Igreja Alemã está agora pressionando por paróquias lideradas por obreiros pastorais leigos para preencher a lacuna.

Ninguém na Alemanha parece ter uma ideia clara de como deter o declínio, exceto para relaxar ainda mais as expectativas da Igreja sobre os fiéis. Essa abordagem foi tentada por décadas com pouco sucesso, com a observância e as vocações continuando a declinar e registrando o número de católicos saindo formalmente da Igreja a fim de não pagar o imposto da igreja. Ironicamente, embora a Igreja Alemã esteja tornando mais fácil para os não-católicos e aqueles em casamentos irregulares receberem a Comunhão, os sacramentos são negados aos católicos que não pagam o imposto da igreja.

O Vaticano perdeu a oportunidade de esclarecer a interpretação de Amoris Laetitia por não responder às dubias (“dúvidas”) apresentadas por quatro cardeais. A dubia na intercomunhão do cardeal Woelki e dos outros seis bispos alemães oferece outra oportunidade para esclarecer se o ensino católico histórico ainda se aplica.

Uma resposta positiva ou negativa será reveladora e terá um impacto muito além da Alemanha.

Jon Anderson é um escritor freelancer

Fonte: catholicherald.co.uk  via  www.sinaisdoreino.com.br

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

O terrível aviso de Nossa Senhora de Akita (Japão) está sendo cumprido em todo o mundo. A hierarquia católica está cada vez mais dividida e afastada dos ensinamentos morais da Igreja e das disciplinas doutrinárias. Esta divisão foi prevista em 1973, pela Santíssima Virgem Maria, durante as aparições aprovadas pela Igreja, em Akita, no Japão. 

n/d

Em 13 de outubro desse ano, Nossa Senhora de Akita revelou a uma religiosa piedosa essa iminente crise na Igreja:

"O Diabo se infiltrará até mesmo na Igreja de tal um modo que haverá cardeais contra cardeais, e bispos contra bispos. Serão desprezados os padres que me veneram e terão opositores em todos os lugares. Haverá vandalismo nas Igrejas e altares. A Igreja estará cercada de asseclas do demônio que conduzirá muitos padres a lhe consagrar a alma e abandonar o serviço do Senhor". (Essa profecia está sendo cumprida atualmente em uma taxa crescente)

Disse o Papa Paulo VI, ao seu amigo, Jean Guitton 08/09/1977: “Neste momento há na Igreja uma grande inquietação. O que está em questão é a fé! O que me perturba quando considero o mundo católico, é que, dentro do catolicismo, algumas vezes, parece predominar um pensamento não católico; pode acontecer que este pensamento não católico, dentro do catolicismo, amanhã seja a força maior na Igreja, mas nunca será a Igreja".

No outono de 2002, o Padre Nicholas Grüner, perito de Fátima mundialmente conhecido, escreveu: “Deus também nos fala através da Mensagem de Fátima que Ele punirá o mundo através de castigos. O que a maioria das pessoas não sabe, incluindo aqueles na Igreja, é que a perseguição à Igreja é o que estamos enfrentando atualmente. Isso é um castigo terrível. A Santa Madre Igreja atualmente está sendo perseguida pela infiltração de homens perversos; homens modernistas/ecumenistas, apóstatas, como por exemplo socialistas/comunistas e, particularmente, pela rede de pedofilia e homossexuais.

Muitos sacerdotes, bispos e cardeais, voltam as costas aos Preceitos e Desígnios do ALTÍSSIMO e trocaram...

"Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram à criatura em vez do Criador, que é bendito pelos séculos. Amém!" (Romanos 1, 25)

Fica claro a esta altura que a profunda divisão que percorre a Igreja não é entre opositores e admiradores de Francisco. A divisão ocorre entre quem é fiel ao "Magistério" imutável dos Papas e quem apoia Bergoglio por almejar assim como ele,  uma "igreja nova", onde tudo pode ser "aceitável", diferente daquela fundada por Jesus. Querem uma "anti-igreja", que prega um "anti-evangelho", para agradar aos homens e não a DEUS.

n/d

Sempre lembrando...

Declarou o Arcebispo francês Marcel Lefebvre:

"Não será dever de um católico julgar entre a fé que lhe ensinam hoje e a que foi ensinada durante vinte séculos de tradição da Igreja? Ora, eu acredito sinceramente que estamos tratando com uma falsificação da Igreja, e não com a Igreja católica. Por quê? Porque eles não ensinam mais a fé católica. Não defendem mais a fé católica. Eles arrastam a Igreja para algo diferente da Igreja Católica.  A verdade e o erro não estão em pé de igualdade. Isso seria colocar Deus e o diabo em pé de igualdade, visto que o diabo é o pai da mentira, o pai do erro. Como poderíamos nós, por obediência servil e cega, fazer o jogo desses cismáticos que nos pedem colaboração para seus empreendimentos de destruição da Igreja?"

 

Veja também...

Em outubro de 2016, Francisco inaugurou o ano de Lutero, reunindo-se com pastores luteranos na Catedral sueca de Lund. A partir de então, celebrações ecumênicas se sucederam na Igreja, culminando no selo do Vaticano comemorando o protestantismo

O cardeal Kasper defende a comunhão compartilhada de católicos e luteranos. (Mas a Verdade e o erro não estão em pé de igualdade. Isso seria colocar Deus e o diabo em pé de igualdade, visto que o diabo é o pai da mentira, o pai do erro)

Cinco anos depois do Pontificado de Francisco: A iniquidade dos inimigos de Cristo contra a Eucaristia (os lobos em pele de cordeiro dentro da Igreja)

Cardeal Christoph Schonborn, um dos conselheiros mais próximos de Francisco, diz que é possível ordenar mulheres sacerdotisas e bispos

Uma batalha está sendo travada na Igreja: Bênçãos a homossexuais, gera grande tensão entre os Cardeais

O teólogo "queridinho" de Francisco, o Cardeal Walter Kasper, declara: As uniões homossexuais são “análogas” (semelhantes) ao casamento cristão

Bispo Athanasius Schneider: A respeito dos católicos, que dizem estar tudo bem, apesar da situação desastrosa da Igreja, no Julgamento de Deus, será perguntado: Por que você não levantou sua voz para defender a Verdade?

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne