Sinal dos Tempos: Taxas de suicídio sobem significativamente nos EUA, de acordo com um relatório do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC)


02.10.2018 -

n/d

As taxas de suicídio nos EUA aumentaram em 30% nas duas últimas décadas, de acordo com um relatório de junho do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

Segundo o relatório, somente em 2016, cerca de 45.000 pessoas se suicidaram.

"O suicídio neste país é realmente um problema. Não é apenas uma questão de saúde mental", disse à NPR a vice-diretora do CDC e principal autora do estudo, Deborah Stone. "Há muitas circunstâncias e fatores diferentes que contribuem para o suicídio. E isso é uma das coisas que este estudo realmente nos mostra. Ele aponta para a necessidade de uma abordagem abrangente para a prevenção", acrescentou.

A região norte dos EUA teve o maior aumento nas taxas de suicídio em comparação com o resto dos EUA. Dakota do Norte teve o maior aumento, uma taxa de 57,6% desde 1999. Delaware registrou o menor aumento — 5,9% — enquanto Nevada foi o único estado que não experimentou um aumento nos números.

"Primeiro, não há dúvida de que os números estão aumentando, mas há flutuações todos os anos também", disse Dan Reidenberg, diretor executivo da organização sem fins lucrativos Vozes Educacionais pela Consciência sobre o Suicídio, à Sputnik.

"Portanto, embora tenha havido um pequeno aumento nos últimos anos, as taxas aumentaram 30% em nível nacional entre 1999 e 2016. No entanto, não sabemos quanto desse 'aumento' se deve simplesmente a melhores relatórios e melhores conjuntos de dados do que anteriormente existia", acrescentou.

A crise financeira dos EUA em 2008 e a atual crise de opiáceos, na qual uma quantidade sem precedentes de americanos estão morrendo de dependência de drogas, também podem ter contribuído para o aumento das taxas de suicídio.

"O tsunami econômico que atingiu o país em 2008 e a recessão levou a muitos problemas, incluindo desemprego, perda de moradia, problemas de saúde, aposentadoria, etc., o que definitivamente afetou o número de suicídios", acrescentou Reidenberg.

O papel da mídia no suicídio também não pode ser ignorado, de acordo com Reidenberg. Ele afirma que a imprensa tem impactos positivos e negativos sobre os números de suicídios, embora ele diga que sua influência é mais positiva no geral.

"Quanto mais a imprensa reporta suicídios sem seguir as melhores práticas, os suicídios ocorrem e aumentam, e nos últimos anos a imprensa está cobrindo este tema com mais frequência. O entretenimento também influi nos aumentos de suicídio nas histórias e muitas vezes isso afeta os suicídios. É aí que o contágio realmente fatores em suicídio aumenta".

"A mídia social tem impactos positivos e às vezes negativos sobre os suicídios. Positivamente, ajuda com conexões, apoio, recursos, oportunidades para identificação e intervenção precoces. Negativamente, tivemos algum assédio / bullying on-line que levou a tentativas e pensamentos suicidas, comparações, excesso de tempo on-line, etc. ", disse Reidenberg ao Sputnik.

n/d

De acordo com o CDC, mais da metade das pessoas que perdem suas vidas por suicídio não têm uma condição de saúde mental diagnosticada no momento de sua morte, sugerindo que o suicídio não é causado por um único fator.

"Em vez disso, essas pessoas estavam sofrendo de outras questões, como problemas de relacionamento, abuso de substâncias, problemas de saúde física, problemas financeiros ou de emprego e crises recentes ou coisas que estavam surgindo em suas vidas", disse Stone à NPR.

n/d

Além disso, o relatório revelou que mais da metade de todos os suicídios são cometidos com armas de fogo, seguidos de enforcamentos ou sufocamento e envenenamento.

O relatório também recomenda que os estados abordem a prevenção do suicídio de forma abrangente, envolvendo a cooperação entre múltiplos setores da sociedade. As comunidades devem trabalhar para reduzir o acesso a armas de fogo, especialmente entre pessoas que estão em risco de suicídio, e procurar promover ambientes favoráveis ​​para que as pessoas se sintam conectadas.

De acordo com Reidenberg, muito mais pesquisas são necessárias para melhor entender e prevenir o suicídio.

"Precisamos de muito mais pesquisas para entender melhor o suicídio para evitar isso. Enquanto isso, pedimos às pessoas que consultem um médico se estiverem pensando em suicídio", observou.

Visto em: br.sputniknews.com/sociedade

===========================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Lembrando o artigo de 24.05.2017

Perda da fé em Deus é principal motivo de suicídio entre jovens, diz pesquisador

n/d

O pesquisador Blaine Conzatti alertou que o fato dos jovens aderirem a uma visão pós-moderna e se afastarem de Deus tem sido decisivo para o aumento das taxas de suicídio.

A perda da fé em Deus e o declínio da religião estão entre as principais razões pelas quais jovens (adolescentes e adultos mais novos) estão cometendo cada vez mais suicídio nos Estados Unidos, de acordo com o grupo conservador ‘Instituto de Política Familiar’, de Washington.

A organização sem fins lucrativos estudou os diversos debates sociais que o drama adolescente "13 Reasons Why" (“13 Razões Por quê”), exibido pela Netflix, tem levantado sobre suicídio nos últimos meses, e observou que este é um é um problema real e crescente entre os jovens nos Estados Unidos.

O programa, baseado no romance do mesmo nome, retrata a vida e o suicídio de uma estudante de ensino médio, chamada Hannah Baker, detalhando 13 razões pelas quais ela escolheu tirar a própria vida.

Blaine Conzatti, colunista e pesquisador do ‘Instituto de Política Familiar’, escreveu em um artigo na semana passada, no qual afirma: "Muitos jovens adultos estão optando pelo suicídio como uma fuga das pressões da vida. De 2000 a 2015, a taxa de suicídio aumentou 27% entre as pessoas de 20 a 35 anos de idade (a taxa média de suicídios nos EUA entre todos os grupos etários aumentou quase 21% durante o mesmo período de tempo)".

"A taxa de suicídio do Estado de Washington é 16% maior que a média nacional", acrescentou Blaine, citando estatísticas da Fundação Americana para a Prevenção do Suicídio.

Conzatti não concorda com muitos especialistas que citam dificuldades econômicas acrescidas e serviços inadequados para tratamento de de saúde mental para explicar o recente aumento do suicídio.

Ele, em vez disso, apontou mudanças culturais, especificamente expondo quatro razões importantes pelas quais o número de suicídios tem aumentado.

"Os jovens americanos têm se distanciado cada vez mais das instituições religiosas ao longo das últimas décadas, optando por viver de acordo com ‘sua própria espiritualidade’ ou rejeitando inteiramente a fé em Deus", ressaltou ele.

O pesquisador também se referiu às estatísticas divulgadas pelo Centro de Pesquisas ‘Pew’, a partir de 2015, que mostraram que apenas 28% dos jovens nascidos entre 1981 e 1996 frequentam a igreja semanalmente. Além disso, os dados também mostravam que este grupo estava menos propenso a acreditar em Deus e apenas 38% considerando a fé como uma parte importante de suas vidas.

"Infelizmente, ao evitar o envolvimento em comunidades religiosas, os jovens atuais sacrificam o parentesco e a solidariedade que essas comunidades proporcionam. Essa prática de fé ajuda a dar significado à vida, e as comunidades religiosas equipam os indivíduos com as relações e o apoio necessários para resistir aos males traiçoeiros da vida", disse Conzatti.

O pesquisador também citou outro estudo do Jornal Americano de Psquiatria, que descobriu que indivíduos sem qualquer declaração de fé tinham "significativamente mais tentativas de suicídio ao longo da vida" e concluiu que "os sujeitos sem afiliação religiosa percebiam menos razões para viver, com particularmente menos objeções morais ao suicídio".

As outras três razões principais para o aumento da taxa de suicídio identificado pelo pesquisador do ‘Instituto de Política Familiar’ incluem o casamento tardio, o aumento das instabilidade profissional e a adoção de um ponto de vista pós-modernista - que afirma que a vida não tem sem sentido e a verdade não pode ser descoberta por ninguém.

“Atrasar o casamento significa que os indivíduos perdem benefícios como segurança financeira, maior bem-estar emocional e psicológico, além de outras melhores na saúde em geral”, argumentou ele.

“Além disso, mudar frequentemente de emprego tem sido associado a níveis mais elevados de estresse, crime e saúde precária, e faz com que os indivíduos se isolem das comunidades”, acrescentou.

O pesquisador reconheceu que reverter este quadro não é uma missão fácil, porém também não é impossível.

"Não há uma solução fácil. Inverter esta tendência depende de enfrentar efetivamente as mentiras aceitas pela cultura e pela sociedade, que alimentam a desesperança e a desorganização social e trabalhando para assegurar que nossas comunidades podem satisfazer com êxito as necessidades materiais, emocionais e espirituais de seus membros”, concluiu Conzatti.

Visto em:  Guia-me noticias

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Diz na Sagrada Escritura:

"Por que me perguntas a respeito do que se deve fazer de bom? Só Deus é bom. Se queres entrar na vida, observa os mandamentos". (São Mateus 19, 17)

Nos Dez Mandamentos, encontramos um que diz: “Não matarás”.  (Ex 20,13)

É certo que a expressão negativa enfática de não matar se refere às mais variadas formas que levam à morte. Dentre elas, lembramos do assassinato, da eutanásia e do aborto. O suicídio também é considerado como a quebra desse mandamento, tendo em vista que significa autodestruição, ou negação da própria vida. O termo se origina do latim sui, que quer dizer a si mesmo, e caedere que significa cortar, matar.

Diz ainda na Sagrada Escritura:

"Porque então a tribulação será tão grande como nunca foi vista, desde o começo do mundo até o presente, nem jamais será". (São Mateus 24, 21)

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne