A Fumaça de Satanás na Igreja: Podemos reconhecer e resistir?


29.01.2015 -

n/d

 “Nosso objetivo é o de Voltaire e da Revolução Francesa, ou seja, a aniquilação total do catolicismo e até mesmo da idéia cristã (...) Em um tempo, cem anos ... os bispos e padres vão pensar que estão marchando atrás da bandeira das chaves de Pedro, quando na verdade eles estarão seguindo nossa bandeira [maçônica] ... as reformas terão de ser provocada em nome da obediência”. (Alta Vendita)

Arcebispo Lefebvre disse a famosa frase no famoso livro “Golpe de Mestre de Satanás” em nossos dias “tem sido bem sucedido semear desobediência a toda a Tradição em nome da obediência”. De fato, ao longo dos últimos 50 anos, toda a “cara” da Igreja (o que é visto) tem sido transformada em nome da obediência. Como nosso Senhor durante a sua paixão, a Igreja hoje não é mais reconhecível, exceto nos lugares onde a Tradição foi mantida. A nova religião surgiu dentro dos muros da Santa Mãe Igreja, que tem suplantado, toda “antiga religião”.

Isto foi conseguido, não só pela corrupção da liturgia, como consta na Missa Nova (o veículo da nova religião), mas também ao desencorajar os aspectos do catolicismo que são contrários à Nova Religion (Maçonaria), incentivando apenas os aspectos da fé que pode ser conciliada com os ensinamentos humanistas da seita maçônica. Por isso, ajudar os pobres e necessitados, e falando da infinita misericórdia de Deus (certamente aspectos da Fé), são bastante aceitáveis na Igreja moderna, porém, falar sobre a terrível justiça de Deus, os dogmas politicamente incorretos, como o inferno, ou fora da Igreja não há salvação, são desencorajados se não totalmente proibido. Por certo, essa tática transformou grande parte da Igreja em uma organização humanista, perfeitamente compatível com a Maçonaria, e totalmente desprovido de sobrenatural.

Mantenha a Tradição

Na segunda carta de São Paulo aos Tessalonicenses, ele discute a grande apostasia que precederá o surgimento do anticristo. Ele observa que, durante este tempo os homens não terão amor à verdade, que Deus punirá, enviando-lhes a “operação do erro ... que sejam julgados todos os que não creram na verdade”. Ele, então, adverte em Tessalonicenses, “ficar firme, e mantenha as tradições que aprendestes, quer por palavra, quer por epístola nossa”, mostrando, assim, que a adesão à tradição é o antídoto que irá protegê-los de serem desviados durante o tempo da apostasia.

Quatro Séculos mais tarde, São Vicente de Lerins ensinou o que os católicos devem fazer se toda a Igreja for infectada por um “nova doutrina”. Ele explicou que, em tal momento, o caminho seguro é apegar-se à tradição. Ele escreveu:

“O que então fazer o cristão católico, se uma pequena parte da Igreja se colocar fora da comunhão da fé universal? A resposta é certa. Ele vai preferir a salubridade de todo o corpo ao invés do membro mórbida e corrupto.

“Mas e se alguns novos contágios tentar infectar toda a Igreja, e não apenas uma pequena parte dela? Então, ele vai cuidar de guardar a antiguidade (tradição), que nunca pode ser desencaminhada por qualquer novidade ou mentira”.

Ao explicar melhor este ponto, São Vincente disse que devemos “tomar o maior cuidado para manter aquilo que tem sido acreditado em todos os lugares, sempre e por todos”, e acrescentou:

“Vamos manter  essa regra, se seguirmos a universalidade, antiguidade e consentimento. Vamos seguir a universalidade se nós reconhecemos que uma fé para ser verdadeira tem que ser confessada por toda Igreja em todo mundo; antiguidade, se aqueles ensinamentos nunca tiver sido proclamado em nehum lugar pelos nossos pais e antepassados; consentimento, se continuamos seguindo as definições e opiniões de todos, ou quase todos, certamente, os Bispos e os doutores também”.

n/d

Tradição (com um T grande) inclui doutrinas tanto especulativas como práticas. Antiguidade e consentimento incluem princípios de comportamento prático para ajudar a guiar-nos em circunstâncias normais e extraordinárias, bem como os escritos dos Santos, Doutores e teólogos aprovados pela Igreja que não só ensinam esses princípios, mas aplicam a várias situações hipotéticas em que o fiéis podem encontrar-se. Se nos encontramos diante de uma situação extraordinária, como papas e bispos ensinando coisas estranhas, fábulas, ou doutrinas heréticas, podemos recorrer com confiança à antiguidade (Tradição), não só para saber no que acreditar, mas também a forma de julgar corretamente e como se comportar.

A adesão a tradição, entendida tanto no sentido estrito e amplo do termo, é sempre o caminho certo a seguir, enquanto a novidade tem sido sempre a marca de hereges. Em sua encíclica contra o Modernismo, o Papa São Pio X disse: “para os católicos nada irá remover a autoridade do Concílio de Nicéia, onde condena aqueles” que se atrevem, com a forma ímpia dos hereges, ridicularizar as tradições eclesiásticas e inventar novidades de qualquer espécie »." (Pascendi)

n/d

O Sétimo Concílio Ecumênico, “tudo o que entra em conflito com a tradição eclesiástica, e o que tem sido feito de inovação e contrário aos exemplos descritos pelos santos e veneráveis Padres, ou o que doravante a qualquer momento seja feito de tal forma, seja anátema”.

Obediência

O que é a obrigação dos católicos durante essa crise eclesiástica sem precedentes em que nos encontramos? Somos obrigados a simplesmente obedecer em todas as coisas, mesmo quando tal obediência põe em perigo a nossa fé e, está sendo usada pelos inimigos internos de “transformar radicalmente” a Igreja? Ou podemos resistir aos males ou destrutivos comandos, continuando a reconhecer aqueles em posições de autoridade, preservando assim a visibilidade da Igreja?

Certamente que podemos resistir a qualquer comando que é objetivamente um mal, e mesmo aqueles que constituem ocasiões de pecado, ou representem perigos para a fé. Segundo Suarez, devemos mesmo desobedecer ordens que são contrárias aos bons costumes - mesmo se o mandante é o Papa. Escreveu Suarez:

“Se [o Papa] dá uma ordem contrária aos bons costumes, ele não deve ser obedecido, se ele tenta fazer algo manifestamente oposta à justiça e do bem comum, será lícito resistir-lhe, se ele ataca pela força, por força  ele pode ser repelido, com uma adequada moderação a uma defesa justa”.

Ao considerar a questão da obediência, devemos lembrar que há uma ordem hierárquica para as virtudes. As virtudes inferiores estão subordinadas e destina-se a servir a mais alto. As maiores virtudes são as virtudes teologais (fé, esperança e caridade), que têm a Deus por seu objeto. As virtudes cardeais (prudência, justiça, fortaleza e temperança) ficam abaixo das virtudes teologais. A obediência é uma virtude moral que está subordinada à virtude cardeal da Justiça.

Como todas as virtudes morais, a obediência é um ponto de equilíbrio - a média racional - entre o excesso e defeito, e como tal pode ser violada em qualquer direção, ou seja, quer por desobedecer a uma ordem justa (defeito), ou obedecendo a uma ordem injusta (excesso). As leis injustas, que São Tomás chama de “atos de violência, em vez de leis”  não se ligam em consciência, exceto, talvez, a fim de evitar o escândalo ou perturbação. Ninguém é obrigado a obedecer a um preceito que é moralmente impossível de se cumprir, e se algum comando é contrário à lei natural ou divina, deve ser firmemente rejeitado. “A autoridade, seja civil ou eclesiástica, nunca pode obrigar um homem a cometer até mesmo um pecado venial, pois devemos obedecer antes a Deus do que aos homens”.

O Papa Leão XIII disse, “onde o poder de comando está querendo, ou onde a lei é promulgada contrária à razão ou à lei eterna, ou a algum decreto de Deus, a obediência é ilegal, pois, obedecendo a homens, nós nos tornamos desobedientes . a Deus” (Diuturnum Illud).

n/d

Em outro lugar, ele explicou que “não há nenhuma razão para que aqueles que assim se comportam devam ser acusado de se recusar a obediência; pois, se a vontade dos governantes se opõe à vontade e as leis de Deus, eles  ultrapassaram os limites do seu próprio poder e perverteram a justiça; não pode a sua autoridade ser válida, e, enquanto não houver justiça, é nula”. (Libertas)

“Um superior não é para ser obedecido quando ele comanda qualquer coisa contrária à lei divina, como se lê em Graciano .... Nem é um monge a obedecer a seu abade quando ele comanda qualquer coisa contrária à regra, de acordo com a conhecida carta de São Bernardo para o monge Adam. A obediência cega exclui a prudência da carne, não a prudência do espírito, como mostrado por Suarez”.

Os sacerdotes que são proibidos pelos bispos liberais e modernistas a realizarem a verdadeira missa, quando não há outra missa disponível, deve considerar se a obediência a esse comando é justa ou excessiva. Eles também devem considerar que, em nossos dias, quando os lobos modernistas estão devorando o rebanho, os fiéis estão precisando desesperadamente de ajuda.

Recusando-se a obediência a um determinado comando de um superior legal não significa que nós rejeitamos sua autoridade para governar, como tal. São Tomás faz a distinção importante entre resistir a um superior no exercício da autoridade, e negar a sua autoridade para governar. Em seu comentário sobre o livro de Gálatas, ele escreveu o seguinte sobre São Paulo resistindo a São Pedro face a face.

“[O] Apóstolo Pedro, em oposição ao exercício da autoridade, e não em sua autoridade de governar. Portanto, temos um exemplo: para prelados, um exemplo de humildade, que não desdenham correções daqueles que são mais baixos e sujeitos a eles; enquanto sujeitos, têm um exemplo de zelo e liberdade, para que eles não tenham medo de corrigir os seus prelados, particularmente se o crime é público e se torna perigo para a multidão”.

Vimos que a obediência aos comandos particulares e às leis gerais nem sempre obrigam, e a recusa a obedecer  uma pessoa no exercício de sua autoridade, não significa uma rejeição de sua autoridade como tal. Mas o que dizer de se ouvir e seguir os ensinamentos de prelados que pregam doutrinas estranhas e inovadoras? É contrário à tradição os fiéis  se recusarem a ouvir esses prelados, e / ou resistir aos seus novos ensinamentos? Muito pelo contrário.

São Belarmino cita lei divina (João 10, Mt 7, Gal 1) para mostrar que os bispos heréticos não devem ser ouvidas pelo povo. Ele também observa, porém, que de acordo com a tradição, os bispos heréticos só pode ser deposto pelas autoridades competentes. Isso mostra que se pode recusar-se a ouvir um bispo herético sem, contudo, sem querer derrubá-lo de seu ofício. Na seguinte citação, Belarmino usa o termo "falso profeta" para se referir a alguém que ensina falsas doutrinas, não àquele que faz previsões que não se concretizar.

Isto é explicado na Bula de Paulo IV, Cum ex Apostolatus Officio, que ensina que um Papa que se desviou da fé pode ser contrariado.

n/d

“Ao avaliar nosso dever e a situação que se vive atualmente, tem sido pesado o pensamento de que uma questão desta natureza é tão grave e tão perigosa [à Fé] que o Romano Pontífice, que é o representante na Terra de Deus e nosso Deus e Senhor Jesus Cristo, que detém a plenitude do poder sobre os povos e reinos, que julgam todos sem poder ser julgado por ninguém neste mundo, pode, contudo, ser contrariado se ele se desviar da fé”.

n/d

Observe, ele não diz que um ex-papa (que perdeu o cargo devido a heresia) pode ser contrariado se ele se desvia da Fé. Não, ele disse que “o Romano Pontífice, que é o representante de Deus na terra ... pode, contudo, contrariado se ele se desviar da fé”.

O Bispo Melchior Cano OP, teólogo do Concílio de Trento, disse que lealdade indiscriminada a um papa não fortalece, mas prejudica a sua autoridade:

“Pedro não tem necessidade de nossas mentiras ou bajulação. Aqueles que cega e indiscriminadamente defender cada decisão do Sumo Pontífice são os mesmos que fazem  minar a autoridade da Santa Sé - eles destroem em vez de reforçar os seus fundamentos”

Na seguinte citação, São Tomás explica porque é que temos de resistir a pregação de um prelado quando é contrária à fé. Ele também explica como os fiéis são capazes de discernir esses erros. Ele observa que o hábito de fé (a virtude sobrenatural da fé) dá aos fiéis uma inclinação contrária a tais erros. Isto explica como aqueles com a fé sabem instintivamente quando um prelado está ensinando erros (mesmo que eles não sabem exatamente como refutá-los), e isso também explica por que "católicos", à esquerda são totalmente cegos para essa realidade:

“Porque, como um homem deve obedecer a uma potência inferior em apenas aquelas coisas que não se opõem ao poder superior; por isso, mesmo um homem deve adaptar-se à regra em todas as coisas de acordo com o seu modo; por outro lado, um homem deve adaptar-se à regra secundária em coisas que não estão em desacordo com a regra principal: porque nas questões em que está em desacordo, não é uma regra: Por conta disso, não é para dar parecer favorável à pregação de um prelado que seja contrária à fé uma vez que esta é discordante com a regra primária. Nem por ignorância é um assunto dispensado do todo: desde o hábito de fé que provoca uma inclinação para o contrário, uma vez que ensina necessariamente de todas as coisas que dizem respeito à salvação”.

O depósito da fé (Tradição) é a regra primária; o ensinamento dos bispos é a regra secundária. Se a regra secundária se desvia da regra primária, a secundária não deve ser seguida. E se a regra secundária obscurece a regra primária através de ensinamentos ambíguos e / ou contraditórios, a prudência faz com que o fiel examine o passado, quando a regra secundário ensinava a regra primária com clareza. É interessante notar que o P. Culleton, em seu livro Os profetas e os Nossos Tempos (1941), afirmou que o castigo será trazido pelo Magistério (a regra secundária) “deixando de pregar a palavra de Deus” (a regra primária).

Nosso Senhor permitiu que esta crise sem precedentes na Igreja a entrasse em erupção durante a “era da informação”. Isto tem simultaneamente aspecto positivo e negativo. É  positivo na medida em que os fiéis têm acesso a catecismos, os escritos dos teólogos e os Padres, papas, e Concólios - tudo ao alcance. Se alguém realmente quer saber o que a Igreja ensina hoje, ela pode encontrar. O aspecto negativo dos modernos meios de comunicação é que as ações escandalosas e declarações do Papa são transmitidas para todo o mundo ver.

A pessoa prudente usará a disponibilidade sem precedentes de boas informações para estudar a fé, lendo apenas os catecismos e encíclicas antes de 1960 (quando a crise eclodiu), e responder ao aspecto negativo (escândalos que vêm daqueles em posição de autoridade), fazendo-se de surdo às novidades que emanam de membros da hierarquia . “A grande apostasia na Igreja começará, especialmente aqueles provenientes de topo, onde, de acordo com o cardeal Ciappi, previsto no Terceiro Segredo de Fátima.

Não há nada de anti-católico dar pouca ou nenhuma atenção ao papa atualmente reinante. Para os primeiros 1.900 anos, a maioria dos católicos passou sobre suas vidas diárias sem se preocupar, ou mesmo ciente, do que estava acontecendo em Roma. Para demonstrar isso, Blessed Juniper Serra, OFM, (d. 1784), um padre missionário na Califórnia, era tão inconsciente dos acontecimentos em Roma, que ele nem sabia o nome do Papa. Em uma carta a um confrade na Europa, Padre Serra pediu a seu amigo se ele poderia por gentileza fornecer-lhe o nome do Papa: “quando tiver uma oportunidade", escreveu Pe Serra, vai "informar-me o nome do Santo Padre, o Papa reinante, para que eu possa colocar o seu nome no Cânon da Missa”.

Isso mostra que os católicos não têm nenhuma obrigação de se preocupar com os eventos diários ou semanais em Roma - especialmente durante a crise atual, quando tais eventos possam colocar em perigo a sua fé. Por outro lado, uma vez que os escândalos estão sendo transmitidos de forma ampla e fazem tanto mal, é necessário que aqueles que são fortes na fé falar mais alto e resistam em público às novidades que minam a fé.

Em tempos extraordinários como estes, quando o próprio Papa fala com a “voz de um estranho,” (João 10: 5) o nosso primeiro dever é  defender a fé. No ano litúrgico, Dom Prosper Guéranger escreveu:

“Quando o pastor se transforma em lobo, o primeiro dever do rebanho é de se defender. (...)

n/d

Os verdadeiros filhos da Santa Igreja, em tais ocasiões, são aqueles que andam pela luz do seu Batismo, não as almas covardes que, sob o pretexto falacioso de submissão aos poderes constituídos, prorrogam a sua oposição ao inimigo na a esperança de receber instrução  que não são necessárias nem desejáveis”.

Conclusão

Aqueles que se apegam à antiguidade e consentimento, como ensinado por São Vicente de Lerins, serão preservados de muitos erros durante a crise atual. Eles sabem que os católicos podem reconhecer a autoridade de um prelado, enquanto resistem a ele no exercício da autoridade (Gálatas 1: 8-10). Eles sabem que a obediência aos comandos particulares deve ser recusada quando o próprio comando é pecado (Papa Leão XIII), ou contrário aos bons costumes (Suarez). Mantendo a tradição e o ensinamento do Magistério, eles também sabem que um papa que se desvia da fé pode ser contrariado, sem ter direito de declarar que ele deixou de ser Papa. (Papa Paulo IV)

Para se manter no caminho estreito durante a crise atual, nós simplesmente precisamos seguir o ensinamento de São Paulo mantendo a tradição (2 Ts. 2:14) que, como São Vicente de Lerins disse, não pode nunca ser desencaminhada por qualquer novidade mentirosa.

Fonte: Roma de Sempre   e   www.rainhamaria.com.br

===========================================

VEJA TAMBÉM...

São Pio de Pietrelcina, os religiosos na maçonaria e a Abominação da Desolação que foi predita pelo profeta Daniel

A Fumaça de Satanás na Igreja: Francisco diz a lideres Hindus no Sri Lanka que não precisam renunciar sua religião

Papa Francisco X São Francisco de Assis: O Erro X A Luz da Verdade

Chegou o Tempo do Grande Lobo disfarçado de Cordeiro

Francisco celebrará o quinto centenário da revolução protestante em 2017, e não os cem anos de Fátima

Cardeal Francis George, declara: Eu gostaria de perguntar ao pontífice se ele se dá conta do que aconteceu com a frase quem sou eu para julgar?

Não será dever de um católico julgar entre a fé que lhe ensinam hoje e a que foi ensinada durante vinte séculos de tradição da Igreja?

Santo Papa João Paulo II: De todos os lados espalharam-se idéias que contradizem a verdade que foi revelada e sempre ensinada

Católicos (lobos) modernistas articulam pressão sobre o próximo Sínodo da Família, visando introduzir a revolução na Igreja

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne