Portugal, os incêndios e Fátima


24.06.2017 -

n/d

A humanidade hoje já se habituou a não chamar as coisas pelo seu nome ou para esconder o que é desagradável.

Dissimular o que é desagradável pode ser feito de duas maneiras: esconder a verdade ou fabricar falsidades. Embora sejam duas formas de distorcer a realidade elas estão geralmente intimamente ligadas.

De qualquer forma ninguém deveria perder isso de vista porque parece que estamos a testemunhar um momento histórico, em que o pai da mentira está implantando todo o seu poder.

Dos procedimentos citados - ocultação da verdade ou sua falsificação - , cada uma das sociedades, a Civil e a Eclesiástica, tem mostrado claramente a sua preferência por um método:

A Sociedade Civil decidiu, como instrumento mais prático e suficiente, a lei do silêncio, sem significar que não faça uso do outro procedimento quando necessário.

A Sociedade Eclesiástica, no entanto, prefere usar abertamente o sistema da proclamação da mentira, depois de verificar que o conjunto dos fiéis já está suficientemente emburrecido, sem capacidade de pensar, muito menos decidir. É neste sentido, e apenas neste sentido, como pode-se dizer, que o uso do silêncio não anda longe de ser estranho para aqueles que dirigem a Sociedade Eclesiástica.

Para a Sociedade Civil, o método do silêncio, o que também poderia ser chamado de dissimulação, está provando ser eminentemente prático. Não significa que aqui o uso da mentira seja descartado, como dissemos antes, mas, obviamente, é o procedimento mais comumente usado. Intimamente ligado, por sua vez, com a manipulação de sistemas de linguagem, que foram inventados pelo Modernismo e colocado em voga em grande forma pela mesma hierarquia da Igreja desde o Concílio Vaticano II.

Os resultados alcançados são verdadeiramente surpreendentes. A Europa está sendo totalmente islamizada, é um fato evidente para quem quiser ver. Mas tudo é devido, diz-se, a uma abertura legítima para outras culturas com as quais um enriquecimento mútuo. Foi Zapatero que concebeu a brilhante ideia da Aliança das Civilizações, os resultados são evidentes, além de dar à humanidade com a teoria de que a terra pertence ao vento. Tudo o que podia fazer qualquer desavisado lembrar o que afirmou o Salmo 72,22: “eu ignorava, não entendia, como um animal qualquer.”

A sociedade moderna tem conseguido malabarismos assombrosos no manejo da linguagem. Ataques de terroristas islâmicos são classificados como obra de grupos não controlados, ou em qualquer caso, feito por psicopatas inconformados. As ondas de muçulmanos que continuamente vêm para a Europa (na casa dos milhares todos os dias), entre os quais há pessoas de todos os tipos e até mesmo muitos terroristas disfarçados, são acolhidos como refugiados que concordam em participar da própria cultura local e enriquecer a sua.

n/d

Há frases ou expressões, cujo mero fato de ser faladas pode resultar em multas ou prisão. Tais como, por exemplo, o terrorismo islâmico ou perseguição sofrida pelos cristãos de hoje. Esta última ocorre tanto em países islâmicos e como na própria Europa. Mas qualquer um que ousar proferí-las necessitaria primeiro fazer alarde de valor: Mas como alguém pode chamar de terrorista a religião da paz? E quanto a perseguição contra o cristianismo; mas em algum lugar existe perseguidos cristãos ...?

Para entender esse conjunto de ideias imaginemos uma hipótese absurda: Alguém sabe de um lugar em que muçulmanos são perseguidos ou maltratados?

Temos dito que há realidades na sociedade de hoje em que tenha se estendido um manto estrito de silêncio. Não existe o que não se fala e não se fala sobre o que não existe. O fim iminente da Europa invadida pelo Islã, a destruição total e absoluta do cristianismo com o seu iminente desaparecimento, a destruição de todos os princípios de raízes cristãs que moldaram a Civilização Ocidental, o governo das nações nas mãos de incompetentes ou manipulados como marionetes pela maçonaria, a legitimidade e exaltação de aberrações que até então havia envergonhado a Humanidade desde sua criação, a destruição da família, a corrupção das crianças, a eliminação do ensino como um meio de converter em meros robôs as novas gerações, a apostasia da Igreja e sua traição de sua hierarquia ...

No entanto, as massas estão suficientemente preparadas para guardarem silencio. Ninguém contesta em um mundo onde impera o silêncio dos cordeiros. E os cordeiros, como ovelhas, são mansos e se deixam conduzir sem protestar. Os governos maçônicos podem se dedicar impunemente para a destruição sistemática das nações ... ante o mais absoluto silêncio dos cidadãos. A Hierarquia da Igreja, os Cardeais, Bispos, teólogos desempenham um admirável trabalho de paródia da Palavra de Deus, a propagação de doutrinas classificadas como heresia, de destruição de culto e de ridicularizar tudo o que antes foi dignidade no catolicismo ... É, no entanto, o recurso a imitar Diógenes: ir com lanterna procurando, se não já o homem, pelo menos algum cardeal, bispo ou teólogo dotado de coragem para manter a dignidade e defender a Fé.

Um dos casos mais flagrantes e escandalosos de silêncio que está acontecendo hoje é o de Portugal, dos seus terríveis incêndios...é Fátima. Ninguém levanta a possibilidade de uma relação que forneça a chave para certos fatos. Sob a advertência, porém, que aqui não se está insinuando que os incêndios são um castigo do céu pela a profanação feito ultimamente em Fátima. A verdade é que aqui se fala de uma possibilidade. E quem tem a autoridade para negar a possibilidade de uma tal possibilidade?

Observe o que aconteceu na celebração do centenário. Se tem distorcido e deturpado a mensagem de Nossa Senhora, foi degradada e até mesmo ridicularizada a Pessoa da Mãe de Deus, estão levando a cabo cultos que nada têm a ver com a verdadeira adoração a Deus que sempre se praticou na Igreja; revestiu a Basílica com caracteres maçônicos, foram decoradas com estandartes do "orgulho gay",as colunas do recinto exterior...

n/d

...e se tem levado a cabo o que qualquer um chamaria um escárnio geral dos verdadeiros devotos da Virgem e da verdadeira Fé.

É evidente que estabelecer uma possível ligação entre tal profanação e os incêndios, além do que possa acontecer, no entanto, irá chocar a muitos. A esses se deve recomendar que reflitam sobre a necessidade que teriam que demonstrar que tal possibilidade é absurda e não poderia ser. Por que não podia dar-se conta? O mundo moderno se habituou a renunciar completamente a Deus. Mas a existência de Deus não depende de que os homens a admitam ou não admitam. Por outro lado, como Paulo advertiu: “de Deus não se zomba”. Se fala muito da paciência infinita de Deus. O que é grave, e até mesmo perigoso, pois não se sabe até onde esta paciência pode chegar quando se trata de insultos à sua Mãe.

Fonte: Adelante la Fé  via  Blog Roma de Sempre

 

Veja também...

Da invasão migratória à guerra civil: O plano era e continua sendo, de destruir os Estados nacionais e suas raízes cristãs, no qual tudo aquilo que ainda tem a aparência de verdade, de bom, de justo, seja tragado no abismo do caos

Incêndio em Portugal: Sobreviventes relatam terror de um verdadeiro inferno na Terra

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne