Eclesiásticos do Fim dos Tempos: Na Itália, arcebispo tira os deveres pastorais de padre que sustenta o autêntico ensino da Igreja, defendendo a santidade do matrimônio


06.07.2017 -

Um sacerdote católico na Sicília foi removido de sua paróquia e suspenso de suas funções, porque defendeu a santidade do casamento, dizem os paroquianos.

n/d

O Arcebispo de Palermo, Corrado Lorefice, proibiu o Dom Alessandro Maria Minutella, da paróquia de São João Bosco, de celebrar a missa, administrar os sacramentos ou pregar, informou o jornalista italiano Marco Tosatti.  

De acordo com alguns paroquianos, uma das razões oficiais para as medidas foi "não contrariar ao ensinamento deste pontificado atual". O problema, eles acreditam, é duelar as interpretações de Amoris Laetitia. O sacerdote não acredita que a Exortação pós-sinodal permite a distribuição da Sagrada Comunhão "com as pessoas separadas (no casamento) que vivem numa condição objetiva do pecado". Em vez disso, ele reafirmou os ensinamentos de João Paulo II, dizendo, que faltava clareza da parte de Francisco às perguntas feitas pelos quatro cardeais, e manteve a antiga negação de comunhão àqueles com relações adúlteras.

Os paroquianos estão tristes de que Dom Minutella nem sequer tenha permissão para celebrar a última Missa com seus "fiéis queridos".

Em defesa do pastor, o Conselho Paroquial escreveu ao Arcebispo Lorefice uma carta, ressaltando que suspender um sacerdote que defende a "doutrina da Igreja" tem ramificações internacionais. "Toda a Itália está acompanhando de perto a questão", escreveram. "Na verdade, não é simplesmente o futuro de Dom Alessandro ou da paróquia que está em jogo, mas a de toda a Igreja Católica".

A diocese não respondeu a um pedido de comentário da LifeSiteNews.

A carta, traduzida pela LifeSiteNews, é a seguinte:

A Sua Excelência Corrado Lorefice, Arcebispo Metropolitano de Palermo:

Em nome de todos os paroquianos, expressamos a nossa proximidade, o nosso carinho e a solidariedade com o pároco que durante muitos anos nos amou intensamente, educando-se na fé, guiando-nos espiritualmente e passando toda a sua vida, minuto por minuto, pelo bem das almas desta paróquia.

n/d

O decreto de demissão do cargo de pároco que nos foi divulgado hoje nos deixou mais do que nunca perdidos, chocados e francamente confundidos. Para ver nosso amado pastor Dom Alessandro Minutella removido com força é um momento de grande sofrimento para nós como paroquianos. Sem este sacerdote como guia para nossas almas, nos sentimos verdadeiramente perdidos e abandonados pelo nosso bispo. Nós somos como ovelhas sem um pastor!

Você, Excelência, não se dignou a aceitar nosso convite para chegar à nossa paróquia. Pedimos, portanto, se você tem problemas conosco, os paroquianos, que procuram viver com fé, esperança e caridade em Cristo sob a orientação desse humilde e zeloso e incansável pastor das almas, padre Alessandro.

Este decreto de demissão da paróquia parece ser infundado, já que não encontramos nada confuso ou errôneo nos ensinamentos ou ministério sacerdotal de Dom Alessandro. Portanto, este decreto nos impõe, corretamente, acreditar que existem outros motivos e exigimos que você, Excelência, venha nos explicar pessoalmente.

Em um espírito de respeito e obediência à sua pessoa, como bispo de Palermo, sentimos uma necessidade urgente de falar diretamente com você, convidando-o mais uma vez a comparecer pessoalmente para nos falar como paroquianos e explicar a razão pela qual você está removendo nosso Pároco. Caso contrário, consideraremos essa remoção como resultado de um problema pessoal com Dom Minutella, motivado mesmo por uma aversão pessoal ou calúnias distribuídas por alguns irmãos sacerdotes que são invejosos e incomodados pelo ministério frutífero, sólido e fiel do nosso mais amado pároco Dom Alessandro.  

Encontramos o nosso sacerdote como um tesouro, corajoso e disposto a lutar, defender, promover e propagar a verdadeira doutrina da Igreja católica neste momento de confusão e confusão entre os fiéis.

Excelência, nós avisamos, de forma inconfundível, de que não aceitaremos voluntariamente nenhum outro pastor, a menos que você venha nos explicar. Este pedido, o convite para chegar à nossa paróquia, decorre do desejo unânime dos paroquianos que se sentem totalmente desconcertados e abandonados. Caso contrário, como dito acima, não permitiremos voluntariamente que outro sacerdote venha tomar posse da paróquia. Nós, como comunidade cristã, assumimos a responsabilidade pela nossa decisão, desobedecendo Dom Alessandro Minutella, que nos pediu para manter a calma. O que está em jogo é o bem de nossas almas! Não é respeitoso para as nossas pobres almas ver nosso sacerdote, que se deu a si mesmo para servir a nossa comunidade, humilhado, maltratado e infligido com um castigo severo. Pedimos-lhe, Excelência, que nos mostre uma infinidade de respeito e carinho, aceitando nosso convite e digno de visitar nossa paróquia.

Sem conhecer os possíveis motivos [para a demissão], os paroquianos continuarão a considerar Dom Alessandro, nosso pastor. Este sacerdote é um homem de Deus e sempre deu tudo por nós. Não permitiremos o estabelecimento de um novo pastor porque o nosso é legítimo e fiel ao Magistério de 2000 anos da Igreja católica romana apostólica. Somente ao aceitar o que pedimos, você irá provar seu respeito e atenção à nossa paróquia.

Ficamos estupefatos com a sua decisão. Perguntamos imediatamente o erro grave que nosso pastor fez para ser removido da paróquia. Foi-nos dito que o bispo escreveu no decreto que o padre Alessandro fez sérias acusações contra o Romano Pontífice com uma recusa substancial do ensino e magistério proposto por ele.

Além disso, se o problema diz respeito à interpretação de Amoris Laetitia, antes que o problema seja de Don Alessandro, somos nossos fiéis, mais do que nunca confundidos e perdidos por causa deste novo magistério da igreja universal. E mesmo a grande parte da Igreja que foi rotulada de fariseus de coração duro e hipócritas católicos fundamentalistas tem direito a respostas, não a condenação.

A confusão causada pela Exortação pós-sinodal "Amoris Laetitia" foi mencionada por diferentes autoridades eclesiásticas em todo o mundo, incluindo ilustres cardeais da Igreja Católica, e pode ser vista por todos. Talvez o erro do nosso amado pároco seja ser um Cristo pobre que diga a verdade sem os vergonhosos compromissos de grande parte da hierarquia.

Por que, então, apontar para este sacerdote simples e humilde que simplesmente tenta guiar suas ovelhas no caminho da verdade e da doutrina do eterno Magistério da Igreja? Seu decreto de demissão, além de aumentar nossa dor, realmente nos deixa completamente perdidos e humilhados. E isso não é uma questão de preocupação pessoal em relação à moralidade ou doutrina, nem mesmo à fiel gestão pastoral da paróquia pelo Padre Alessandro. Isso é demonstrado pelo impacto imediato da mídia no assunto. Toda a Itália está agora a acompanhar de perto a questão. Na verdade, não é simplesmente o futuro de Dom Alessandro ou da paróquia em jogo, mas de toda a Igreja Católica.

Se você realmente tem no coração o bem de nossas almas, você irá comprometer-se a aceitar nosso convite. Por agora vamos manter aqui nosso pároco, Dom Alessandro Minutella, que continua a nos guiar, nos ensinar e santificar-nos como sempre. Ele tornou-se claramente um símbolo profético, na medida em que defende hoje os ensinamentos do Evangelho sobre a família.

Avançamos com Maria e Jesus.

O Conselho Paroquial, em nome dos paroquianos

Palermo, 26 de junho de 2017

Fonte: www.lifesitenews.com  (artigo traduzido)

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Magistério da Igreja, ao ser ouvido e compreendido, ensina aos demais a doutrina infalível. Sua altíssima missão é: proteger a seu Povo dos desvios e dos relaxamentos, e garantir-lhe a possibilidade objetiva de professar sem erro a fé autêntica. O Magistério é um instrumento que nos garante estar de acordo com a doutrina dos Apóstolos, ensinada a eles pelo próprio Divino Mestre Jesus. Portanto, a obrigação do Magistério está em cuidar que o povo de Deus permaneça na VERDADE e não no erro. Sem o Magistério o grande e belo edifício da doutrina verdadeira estaria sujeito a infiltração da heterodoxia, aquilo que não está de acordo com a doutrina e, assim, poderia mesclar-se com o erro, um antro de confusão, caos e horror.

Sempre e novamente lembrando...

Declarou Dom Marcel Lefebvre, que foi Arcebispo Emérito de Tulle, na França.

"Quando eu era criança, a Igreja tinha por toda parte, a mesma fé, os mesmos sacramentos, o mesmo sacrifício da missa. Se me houvessem dito então que isto mudaria, eu não teria podido acreditar. Em toda a extensão da cristiandade se rezava a Deus da mesma maneira. A nova religião liberal e modernista semeou a divisão.

Duas religiões (católicas) se afrontam (os conservadores X modernistas); nós nos encontramos numa situação dramática, não é possível deixar de fazer uma escolha, mas esta escolha não é entre a obediência e a desobediência. O que se nos propõe, aquilo a que se nos convida expressamente, porquê nos perseguem, é escolher um simulacro de obediência. O Santo Padre, com efeito, não nos pode pedir que abandonemos nossa fé.

Nós escolhemos então conservá-la e não podemos enganar-nos atendo-nos àquilo que a Igreja ensinou durante dois mil anos. A crise é profunda, sabiamente organizada e dirigida, por sinal que se pode verdadeiramente crer que o chefe do empreendimento não é um homem, mas o próprio Satã. Ora é um golpe magistral de Satã ter chegado a fazer os católicos desobedecerem a toda a tradição em nome da obediência.

A autoridade, mesmo legítima, não pode ordenar um ato repreensível, mau. Ninguém pode obrigar qualquer pessoa a transformar seus votos monásticos em simples promessas. Igualmente ninguém pode fazer que nos tornemos protestantes ou modernistas.

Pois bem, eu não sou desta religião. Não aceito esta nova religião. É uma religião liberal, modernista, que tem seu culto, seus sacerdotes, sua fé, seus catecismos, sua Bíblia ecumênica traduzida em comum por católicos, protestantes, anglicanos (enfim seitas) jogando com pau de dois bicos, dando satisfação a todo o mundo, sacrificando muito freqüentemente a interpretação do magistério. Nós não aceitamos esta Bíblia ecumênica. Há a Bíblia de Deus, é Sua Palavra a qual não temos o direito de misturar com a palavra dos homens. (com as modas e novidades do mundo, para agradar aos homens e não a DEUS)

Logo é uma inversão total da Tradição e do ensino da Igreja que está se operando, depois do Concílio e pelo Concílio. Como poderíamos nós, por obediência servil e cega, fazer o jogo desses cismáticos que nos pedem colaboração para seus empreendimentos de destruição da Igreja? Eis porque estamos prontos e submissos para aceitar tudo o que for conforme à nossa fé católica, tal como foi ensinada durante dois mil anos mas recusamos tudo o que lhe é contrário".

Diz na Sagrada Escritura:

"Pedro e os apóstolos replicaram: Importa obedecer antes a Deus do que aos homens". (Atos dos Apóstolos 5, 29)

 

Veja também...

Bispo Robert McElroy: A nova teologia de Francisco não exige uma mudança de vida (ou seja: viver sempre no pecado)

O Escândalo do Silêncio: O escândalo consiste na recusa de Francisco em ouvir os Cardeais que pedem para ser recebidos

Por que Francisco não responde as Dubia? A correção fraterna não é um ato hostil nem uma falta de respeito ou desobediência. Não é mais do que uma exposição da verdade: caritas in veritate, caridade na verdade

Papa Francisco: Divisão, caos e autodemolição. A gravidade da situação de divisão no seio da Igreja, provocada por Francisco, deixando muitos católicos caminhando no escuro

Grande parte da Igreja se sente desorientada. A imagem da Igreja como uma grei de ovelhas à deriva, sem um pastor: Entrevista com o vaticanista Sandro Magister

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne