A última Luz: E essa última Luz será o nosso único consolo, enquanto desce sobre nós a escura noite da alma


12.02.2018 - Nota de www.rainhamaria.com.br

Artigo publicado no site em 08.07.2016

=======================

"A última Luz"

n/d

No final os fiéis serão muito poucos; mas, em contrapartida, serão terrivelmente visíveis, provocando o ódio da religião prostituída, que os perseguirá para o deserto: “E sereis odiados por causa do meu nome, mas aquele que perseverar até o fim será salvo”.

Por Juan Manuel de Prada – Religión en Libertad | Tradução Sensus fidei:

São muitos os leitores que me escrevem inquietos, alguns muitos magoados em suas crenças, outros em um estado de angústia próxima à perda da fé, suplicando-me para me pronunciar sobre este ou aquele desvario eclesiástico. Por muitos anos eu ofereci o meu rosto nu para afastar os inimigos da fé; até que, um dia, seus supostos guardiões começaram a golpeá-lo também (e com que fúria!). Hoje atravesso uma noite escura da alma de saída incerta; por isso, infelizmente, não posso responder aos pedidos de meus angustiados leitores, mas em todo caso unir-me à sua tribulação; no entanto, quero lembrá-los de uma passagem das Escrituras que, em tempos tenebrosos, convém ter em mente, para que a esperança não desfaleça. E estas linhas serão as últimas a se dedicar a esta questão dolorosa.

Em uma das visões do Apocalipse nos é dito da Grande Prostituta, que “fornica com os reis da terra” e “embriaga as nações da terra com o vinho da sua imoralidade.”

Esta Grande Prostituta é a religião adulterada, falsificada, prostituída, entregue aos poderes deste mundo; e é a antítese da outra Mulher que aparece no Apocalipse, a parturiente vestida de sol e coroada de estrelas que é obrigada a fugir para o deserto, perseguida pela Besta.

Se a Grande Prostituta simboliza a religião prostrada perante os “reis da terra”, a Parturiente representa a religião fiel e mártir.

Estas duas facetas da religião, que para Deus são perfeitamente distinguíveis, nem sempre são para os homens, que muitas vezes as confundem uma com a outra (às vezes pela ingenuidade, às vezes por perfídia); e só serão totalmente distinguíveis no dia da colheita, quando o trigo e o joio serão separados. Entretanto, para tentar distinguir esta religião prostituída devemos nos guiar pelos sinais que Cristo nos deu: é a religião convertida em sal que perdeu o sabor, é a religião que cala para que as pedras gritem, é a religião que permite a “abominação da desolação”, adulterando, ocultando e até mesmo perseguindo a verdade. “Expulsar-vos-ão das sinagogas, profetizou Cristo no último aviso aos navegantes — e virá a hora em que todo aquele que vos tirar a vida julgará prestar culto a Deus.” Evidentemente, não estava se referindo à perseguição decretada pelos reis da terra, mas para a perseguição muito mais terrível — sumo mistério de iniquidade — impulsionada pela Grande Prostituta.

Como a Grande Prostituta fornica com os reis da terra? Consentindo com as suas leis, comprometendo-se com a sua ditadura ideológica, calando diante de suas aberrações, cobiçando as suas riquezas e honras, agarrando-se aos privilégios e brilhos com os quais tem sido subornada, para tê-los a seus pés; em suma, colocando os poderes deste mundo no lugar que pertence a Deus.

E como intoxica as nações com o vinho da sua imoralidade? Adulterando o Evangelho, reduzindo-o a um desprezível mingau inclusivista, ofuscando a antiga doutrina da Igreja, cortejando os inimigos da fé, disfarçando de misericórdia a submissão ao erro, semeando a confusão entre os simples, condenando os fiéis à perplexidade e a angústia, até mesmo apontando-os como inimigos para as massas cretinizadas, que assim poderão linchá-los mais facilmente.

No final os fiéis serão muito poucos; mas, em contrapartida, serão terrivelmente visíveis, provocando o ódio da religião prostituída, que os perseguirá para o deserto: “E sereis odiados por causa do meu nome, mas aquele que perseverar até o fim será salvo.”

No entanto, Deus manterá suas promessas sobre a permanência e infalibilidade de suas palavras: “O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão”. E essa última luz será o nosso único consolo, enquanto desce sobre nós a escura noite da alma.

Publicado originalmente: Religión en Libertad: La última Luz.

Fonte: www.sensusfidei.com.br

===========================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Disse Padre Romano: "A perda da consciência do pecado é, certamente, o maior drama da nossa época. E se aqueles que são chamados a pregar o Evangelho a todas as gentes, e a anunciar que, sem conversão, não há salvação, omitem-se em anunciar tais verdades, estamos diante de uma situação catastrófica! De fato, o discurso atual, dentro da Igreja, e que se refletiu sobre o Sínodo, é o de quase absoluto silêncio sobre as verdades últimas da nossa existência – os novíssimos -: morte, juízo, inferno e paraíso, e sobre o pecado, que condiciona a nossa salvação. Verdades basilares da nossa Santa Religião, e que devem determinar a nossa vida sobre esta terra, porque, como diz Nosso Senhor, “que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro, se vem a perder a sua alma?” (Cf. Mc 8, 36)

Diz na Sagrada Escritura:

"Eles são do mundo. É por isto que falam segundo o mundo, e o mundo os ouve. Nós, porém, somos de Deus. Quem conhece a Deus, ouve-nos; quem não é de Deus, não nos ouve. É nisto que conhecemos o Espírito da Verdade e o espírito do erro." (I João 4, 5-6)

"Ele lhes disse: Vós pretendeis passar por justos perante os homens, mas Deus conhece-vos os corações: porque o que para os homens é estimável, é abominável perante Deus." (São Lucas 16,15)

"Dizei somente: Sim, se é sim; não, se é não. Tudo o que passa além disto vem do Maligno". (São Mateus 5, 37)

"Nós, porém, sentimo-nos na obrigação de incessantemente dar graças a Deus a respeito de vós, irmãos queridos de Deus, porque desde o princípio vos escolheu Deus para vos dar a salvação, pela santificação do Espírito e pela fé na verdade. E pelo anúncio do nosso Evangelho vos chamou para tomardes parte na glória de nosso Senhor Jesus Cristo. Assim, pois, irmãos, ficai firmes e conservai os ensinamentos que de nós aprendestes, seja por palavras, seja por carta nossa. Nosso Senhor Jesus Cristo e Deus, nosso Pai, que nos amou e nos deu consolação eterna e boa esperança pela sua graça, consolem os vossos corações e os confirmem para toda boa obra e palavra!" (II Tessalonicenses, 2, 10 -16)

 

Veja também...

Lembrando que o cenário mundial perfeito para o aparecimento do anticristo está quase pronto. Homens inspirados pelo demônio, usam da palavra misericórdia para tornar o pecado, uma coisa comum e aceitável, até mesmo dentro da Igreja

Lembrando: O grande objetivo do Anticristo, é que os fiéis vivam em pecado mortal, comunguem em pecado mortal, que os eclesiásticos colaborem nisso. O homem já não obedecerá a Deus

Revelações de Jesus a Santa Brigida: A Igreja tomada de assalto pelos inimigos, que pregam uma falsa misericórdia para justificar a prática do pecado. Com estes falsos católicos será feita Justiça

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne