Padre Lucas Prado: O Senhor usa de estranhas maneiras para chamar o homem ao Seu Serviço; alguns foram chamados enquanto pescavam, outros coletando impostos


12.03.2018 -

n/d

Taisid, ficou órfão de mãe muito cedo, não teve o doce amor de uma mãe. Só lembrava que, quando criança, os sacerdotes com suas vestes negras o levaram para longe de sua casa e nunca mais voltou.

Aos quinze anos deixou a cidade em busca de aventura. Buscou trabalho em uma embarcação com piratas e pescadores de pérola. No barco todos os dias ocorriam brigas, intrigas e espancamentos. Aquela vida de aventura, de porto em porto, em mares em busca de pérolas não lhe deu a alegria e a paz que procurava.

Um dia, me mar calmo, o vento soprava com tamanha força que o barco ficou desgovernado. De repente, um forte golpe foi sentido no fundo navio. Logo o silencio. Eles haviam encalhado.

O capitão do barco chamou o jovem Taisid, e disse para por um traje de mergulho, descer e observar o casco para ver houve alguma avaria. Taisid mergulhou. Examinou o casco minuciosamente e viu que nada havia acontecido com ele, mas a embarcação ficou presa entre duas rochas. Era preciso esperar a maré subir para o navio flutuar e desalojar o navio.

Taisid, antes de voltar a superfície, olhou cuidadosamente ao redor, e surpreendido avistou uma ossada humana. Aproximou-se e deparou com uma corrente prateada com um relicário a ponta, envolta do pescoço do esqueleto. O jovem pescador pegou a corrente e o relicário. Ao retornar a embarcação disse ao capitão a situação do navio.

Taisid foi a sua cabine e abriu, curiosamente o relicário, esperando encontrar algo de valor. Mas ao abrir viu apenas um pedaço de papel com o escrito:

“Jamebel Ben Agar: Missionário católico nas terras da Arábia. Oh, doce Jesus, agradeço-lhe porque me deu um frutífero e grande apostolado. Senhor, grande é na verdade a messe, mas os operários são poucos. Mande operários para a sua messe.”

Aquela oração fervorosa a Cristo penetrou a alma de Taisid. Mostrou o que descobrira aos seus companheiros. Um deles contou que, a três anos um navio chegando da Arábia foi jogado pela força dos ventos contra os arrecifes. O navio começou a afundar e a tribulação em desespero buscou se salvar.

n/d

Um homem que estava na embarcação, um missionário católico, falou com todos sobre Deus, perdoou os seus pecados e lhes encorajou com a esperança da felicidade do Céu.

O jovem pescador sentiu a transformação de sua alma perante o pedido do missionário por trabalhadores para a messe do Senhor. Com coragem e determinação, tomou um propósito: Torna-se Padre!

Assim, o Padre Taisid, um jovem aventureiro, que por um relicário achado no fundo do mar, tornou-se sacerdote.

**************

O Senhor usa de estranhas maneiras para chamar o homem ao seu serviço; alguns foram chamados enquanto pescavam, outros coletando impostos; Taisid quando estava no fundo do mar. O importante não é quando o Senhor nos chama, mas se ouviremos quando nos chamar. Pode ser em qualquer hora, como lemos neste conto.

Fonte: adelantelafe.com  via  espelhodejustica.blogspot.com.br

 

Veja também...

Bártolo Longo: A juventude o afastou de Deus e o lançou no ocultismo e no ódio à Igreja. Mas Nossa Senhora o resgatou! Virou apóstolo do Rosário e foi beatificado

De bêbado e viciado a Santo padroeiro dos doentes e dos hospitais. São Camilo de Léllis fundou uma associação de pessoas dispostas a se consagrarem por caridade ao serviço dos doentes

Lembrando o Padre Divino Antônio Lopes: O mundo é um mar tempestuoso, a sua agitação é furiosa. Não nos desesperemos, mas chamemos por Cristo. Cristão, na tua barca dorme Cristo; desperta-O, que Ele censurará a tempestade e far-se-á a calma

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne