A Cultura de Morte do Fim dos Tempos: Médicos belgas que assassinam pacientes. Um novo estudo está mostrando que os médicos na Bélgica estão matando pacientes com câncer sem o consentimento do paciente


12.04.2018 -

n/d

Uma pesquisa publicada no British Journal of Cancer, em 29 de março, perguntou aos médicos se eles tinham tomado decisões que encurtaram a vida de seus pacientes com câncer sem o consentimento de seus pacientes. 

Estes incluíram a decisão de fazer o seguinte :

-Suspender ou suspender o tratamento médico que prolonga a vida.

-Aumentar a medicação para a dor que também acelera a morte.

-Prescrever medicamentos que explicitamente matem o paciente.

O relatório afirmava que a tomada de decisão [em todas as decisões de redução de vida] ocorria sem a contribuição do paciente em quase 20% dos casos. Isso significa que as doses aumentadas de medicação para a dor que encurtaram a vida não foram solicitadas pelo paciente para o tratamento da dor.

A pesquisa estudou pacientes no primeiro semestre de 2013. Durante esse período, segundo os próprios médicos, drogas mortais eram frequentemente dadas para matar um paciente sem o conhecimento ou consentimento do paciente. "A administração de drogas com a intenção explícita de apressar a morte (atos de encurtamento da vida) sem a solicitação explícita do paciente ocorreu em 1,8 por cento (1,0 a 3,4 por cento) das mortes por câncer durante o período estudado", disse o relatório médico.

Esta tendência está aumentando, como visto no vizinho da Bélgica, Holanda. O pioneiro da eutanásia, Boudewijn Chabot, promotor holandês de suicídio assistido e psiquiatra, alerta que o país está ignorando os limites legais de suas leis de eutanásia e que está matando pacientes sem o consentimento deles.

No ano passado, o Dr. Chabot criticou a erosão das salvaguardas contidas nas atuais leis holandesas de eutanásia. Chabot, cuja acusação por ajudar no suicídio de uma mulher de 50 anos de idade levou à Lei de Eutanásia do país de 2002, disse que os seguintes três critérios devem ser cumpridos para a eutanásia legal:

-O paciente deve fazer um pedido voluntário e deliberado.

-O paciente deve estar sofrendo um sofrimento insuportável e incurável.

-Não deve haver tratamento alternativo razoável.

Chabot está dizendo que todos os três critérios estão sendo desconsiderados e pacientes mentais estão sendo assassinados sob a lei. Em janeiro, ele e 200 outros médicos alertaram que tais salvaguardas estavam "quebrando lentamente", resultando na morte de muitos pacientes com demência e psiquiátricos "sem o consentimento oral real".

Em seu artigo em junho, Chabot disse que os médicos estão drogando os pacientes e depois os matando sub-repticiamente "porque você não pode resistir depois de ser sedado". Um mês antes de seu artigo, a Comissão Regional de Eutanásia informou que 431 pacientes haviam sido mortos em 2015 sem ter dado seu consentimento explícito.

Visto em: www.churchmilitant.com  via  www.rainhamaria.com.br

===========================

Nota de  www.rainhamaria.com.br

Por Dilson Kutscher

Chegou o tempo profetizado na Sagrada Escritura...

"E, ante o progresso crescente da iniqüidade, a caridade de muitos esfriará". (Mt 24, 12)

A falta de amor dos homens com seus semelhantes, um sinal visível do Fim dos Tempos. Médicos que juraram defender a vida, agora matam sem piedade seus pacientes, dizendo ser exercício médico legal, e... muitos deles ainda lucram com isto!!

Este é o tempo que os homens resolveram expulsar DEUS de suas vidas e de seus governos, pois DEUS há de mostrar que eles estão errados nos seus caminhos obscuros.

Um governo e uma sociedade, que por livre escolha rebelou-se contra DEUS, excluindo SEU CRIADOR, é uma sociedade destinada ao mais completo caos.

A violência já descontrolada que vemos, que é um retrato deste Fim dos Tempos, ainda não é nada perto do CAOS que se seguirá.

SEM DEUS TUDO HÁ DE PERECER. (inclusive a ordem de seus governos)

"Ouvi a palavra do Senhor, filhos de Israel! Porque o Senhor está em litígio com os habitantes da terra. Não há sinceridade nem bondade, nem conhecimento de Deus na terra. Juram falso, assassinam, roubam, cometem adultério, usam de violência e acumulam homicídio sobre homicídio. Por isso, a terra está de luto e todos os seus habitantes perecem; os animais selvagens, as aves do céu, e até mesmo os peixes do mar desaparecem". (Oséias 4, 1-3)

Diz ainda na Sagrada Escritura:

"Por que me perguntas a respeito do que se deve fazer de bom? Só Deus é bom. Se queres entrar na vida, observa os mandamentos". (Mt 19,17)

"Conheces os mandamentos: não mates; não cometas adultério; não furtes; não digas falso testemunho; não cometas fraudes; honra pai e mãe". (Mc 10,19)

“Se não se abreviassem aqueles dias, não se salvaria pessoa alguma; porém, serão abreviados aqueles dias em atenção aos escolhidos". (Mt. 24, 22)

Lembrando também...

O Santo João Paulo II, na encíclica Evangelium vitae, declarou:

“A decisão deliberada de privar um ser humano inocente da sua vida é sempre má do ponto de vista moral, e nunca pode ser lícita nem como fim, nem como meio para um fim bom. (EV, 57).

n/d

Isso não impede que algumas formas de eutanásia sejam mais ou menos graves que outras. João Paulo II distingue também vários graus de gravidade (EV, 66).

A primeira forma de eutanásia é a que resulta de uma falsa piedade. Neste caso, suprime-se a vida do doente com o objetivo de poupá-lo de mais sofrimento. No entanto, para a Igreja, a verdadeira compaixão, de fato, torna solidário com a dor alheia, não suprime aquele de quem não se pode suportar o sofrimento”.

A decisão da eutanásia torna-se mais grave quando se configura como um homicídio, que os outros praticam sobre uma pessoa que não a pediu de modo algum nem deu nunca qualquer consentimento para ela.”

Finalmente, “atinge-se o cúmulo do arbítrio e da injustiça quando alguns, médicos ou legisladores, se arrogam o poder de decidir quem deve viver e quem deve morrer”.

A liberdade de escolha do paciente não justifica a eutanásia. Segundo alguns promotores da eutanásia, esta poderia se justificar pelo “princípio de autonomia” do sujeito, que teria direito de dispor, de maneira absoluta, da sua própria vida. Para rejeitar esse direito, a Igreja se baseia no valor inalienável e sagrado de toda vida humana.

Segundo este princípio, assim como haveria um “direito ao suicídio”, existiria também um “direito ao suicídio assistido”. A (verdadeira) Igreja não reconhece nenhum destes supostos direitos.

Seu ensinamento recordou isso muitas vezes: “A morte voluntária ou suicídio, portanto, é tão inaceitável como o homicídio: porque tal ato da parte do homem constitui uma recusa da soberania de Deus e do seu desígnio de amor".

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne