Santo Afonso de Ligório: Tu, que durante tantos anos foste surdo à Voz de Deus, esperas agora que Ele tenha Misericórdia de ti?


31.07.2018 - Nota de www.rainhamaria.com.br

Artigo Publicado em 07.09.2014

====================================

Agora recorreis a Mim? Pedi socorro às criaturas, já que foram elas os vossos deuses

Diz na Sagrada Escritura:

"Eles dizem a um pedaço de madeira: Tu és o nosso pai! E a uma pedra: Tu geraste-nos! Eles voltam para Mim as costas, e não o rosto. Mas, na hora da angústia, eles dizem-Me: Vem! Salva-nos! Onde estão os deuses que fabricaste? Que eles te venham salvar no dia da aflição, pois os teus deuses, Judá, são tantos como as tuas cidades". (Jeremias 2, 27-28)

n/d

Não uma só, senão muitas serão as angústias que hão de afligir o pobre pecador moribundo. Ver-se-á atormentado pelos demônios, porque estes terríveis inimigos empregam nesse transe todos os seus esforços para perder a alma que está prestes a sair desta vida.

Sabem que lhes resta pouco tempo para apoderar-se dela e que, escapando-se agora, jamais será sua (Ap 12,12). Não estará ali apenas um só, mais muitos demônios hão de rodear o moribundo para o perder.

n/d

Dirá um: “Nada temas, que te restabelecerás”. Outro exclamará: “Tu, que durante tantos anos foste surdo à voz de Deus, esperas agora que ele tenha misericórdia de ti?” “Como — intervém outro — poderás reparar os danos que fizeste, restituir as reputações que prejudicaste?” Outro, enfim, dirá: “Não vês que todas as tuas confissões foram nulas, sem contrição, sem propósito? Como podes agora renová-las?’ Por outro lado, o moribundo se verá rodeado por suas culpas.

Estes pecados, como outros tantos verdugos — disse São Bernardo, acercar-se-ão dele e lhe dirão: “Somos a tua obra, e não te deixaremos. Acompanhar-te-emos à outra vida, e contigo nos apresentaremos ao eterno Juiz”. Quisera então o moribundo desembaraçar-se de tais inimigos, mas para consegui-lo seria preciso detestá-los e converter-se de Deus de todo o coração. O espírito, porém, está coberto de trevas, e o coração endurecido. “O coração duro será oprimido de males no fim; e quem ama o perigo, nele perecerá” (Eclo 3,27).

n/d

Afirma São Bernardo que o coração, obstinado no mal durante a vida, se esforçará, no momento da morte, para sair do estado de condenação; mas não chegará a livrar-se dele, e, oprimido por sua própria malícia, terminará a sua vida no mesmo estado. Tendo amado o pecado, amava também o perigo da condenação. É por isso justamente que o Senhor permitirá que ele pereça nesse perigo, no qual quis viver até à morte. Santo Agostinho disse que aquele que não abandona o pecado antes que o pecado abandone a ele, dificilmente poderá na hora da morte detestá-lo como é devido, pois tudo o que fizer nessa emergência, o fará obrigadamente.

Quão infeliz é o pecador obstinado que resiste à voz divina! O ingrato, ao invés de se entregar e enternecer à voz de Deus, se endurece mais e mais, à semelhança da bigorna sob os golpes do martelo (Jó 41,15). Para seu justo castigo, achar-se-á neste estado, na hora da morte, às portas da eternidade. “O coração duro será oprimido de males no fim”. Por amor às criaturas — disse o Senhor — os pecadores me voltaram as costas. À hora da morte recorrerão a Deus, e Deus lhes dirá “Agora recorreis a mim? Pedi socorro às criaturas, já que foram elas os vossos deuses” (Jr 2,27).

Deste modo falar-lhe-á o Senhor, porque, mesmo que a Ele se dirijam, não será om verdadeira disposição de se converterem. Dizia São Jerônimo que ele tinha por certo, pois a experiência lho manifestara, que não alcançaria bom fim aquele que até ao fim houvesse levado vida má.

AFETOS E SÚPLICAS

Socorrei-me e não me abandoneis, amado Salvador meu! Vejo minha alma ferida pelos pecados; as paixões me violentam, oprimem-me os maus hábitos. Prostro-me a vossos pés. Tende piedade de mim e livrai-me de tantos males. “Em vós, Senhor, esperei; não seja confundido eternamente” (Sl 30,2). Não permitais que se perca uma alma que em vós confia (Sl 73,19). Pesa-me de vos ter ofendido, ó infinita Bondade! Confesso que hei cometido muitas faltas, mas a todo custo quero emendar-me. Se não me ajudardes, porém, com vossa graça, estarei perdido.

Recebei, Senhor, este rebelde que tanto vos ultrajou. Refleti que vos custei o sangue e a vida. Pelos merecimentos de vossa paixão e morte, recebei-me em vossos braços e dai-me a santa perseverança.

Estava já perdido, e me chamastes. Já não quero resistir, e me consagro a vós. Prendei-me ao vosso amor, e não permitais que me perca, perdendo de novo vossa graça. Jesus meu, não o permitais! Não o permitais, ó Maria, Rainha de minha alma; enviai-me a morte, e ainda mil mortes, mas que não perca de novo a graça do vosso divino Filho!

- Santo Afonso de Ligório -
Preparação para a morte, morte do pecador , ponto II

Fonte: Dominus Est   e   www.rainhamaria.com.br

 

Leia também...

Santo Afonso de Ligório: A Salvação é a única coisa necessária

Se estes mortos voltassem ao mundo, que não fariam pela vida eterna?

Quando se derruba uma árvore, para que lado cai? Cai para onde está inclinada.. Para que lado te inclinas, meu irmão?

Santo Afonso de Ligório: O Nada dos Bens do Mundo

Santo Afonso de Ligório: Considera que és pó e que em pó te hás de converte

Remorso do condenado ao Inferno: Se eu tivesse feito para Deus tanto quanto fiz para condenar-me, seria um grande Santo; agora, hei de ser infeliz para sempre

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne