Uma previsão do tirano Fidel Castro sobre o seu destino eterno


30.11.2016 -

n/d

Por Alejandro Ezcurra Naón (*)

A doutrina moral da Igreja ensina que não se deve desejar a condenação eterna de ninguém, nem sequer dos piores malfeitores. Muito menos a deseja o supremo Juiz, Jesus Cristo: “Porque Deus amou tanto o mundo, que deu seu único Filho, para que todo aquele que creia nele não pereça, mas tenha a vida eterna” (São João, 3, 16). É doutrina de fé que até o último momento da vida Deus dá ao homem a possibilidade, através de sua graça, de arrepender-se de seus pecados e salvar sua alma.

“Quem vai para o inferno?” – perguntou certa vez inesperadamente um jornalista ao Prof. Plinio Corrêa de Oliveira. Ao que o líder católico respondeu, de modo imediato e concludente: “Os que querem ir”.

Parece que este era o desejo de Fidel Castro, que acaba de comparecer diante do terrível juízo de Deus. Em declaração ao diretor do canal France 2 – com blasfêmia contra o Céu incluída –, o velho tirano previa qual seria o seu destino eterno:

“Você sabe, eu irei para o inferno, e sei que o calor ali será insuportável, mas será menos doloroso do que ter esperado tanto esse Céu que nunca cumpriu suas promessas… E depois, chegando lá encontrarei Marx, Engels, Lênin. E encontrarei também você, porque os capitalistas também vão para o inferno. Sobretudo se desejam gozar a vida!” [1].

n/d

Por que Fidel previa a sua condenação? Esta outra declaração dele, na Universidade de Havana, poderia ser a resposta: “Não cairemos no erro histórico de semear o caminho com mártires cristãos, pois bem sabemos que foi o martírio que deu força à Igreja: nós faremos apóstatas, milhares de apóstatas” [2].

Trabalhar para a apostasia dos católicos não é trabalhar para a própria condenação? Quem se entrega a esse propósito não se converte em uma prefigura do Anticristo?

É possível que o ex-tirano vitalício tenha aludido à sua condenação eterna para zombar-se do entrevistador. Mas seu passado criminoso não autoriza muita brincadeira sobre o tema.  Desde que iniciou sua carreira de agitador comunista na América Central, depois como incendiário no “bogotazo” de 1948, mais tarde tomando o poder em Cuba (com apoios, diga-se de passagem, no Departamento de Estado norte-americano) e implantando sua sangrenta ditadura – da qual quis semear réplicas em toda a América Latina e até na África –, que julgamento todo esse rastro de morte e de miséria terá merecido do Supremo e Eterno Juiz?

Por isso os elogios fúnebres feitos ao finado tirano soam falso. Vladimir Putin — sobre cuja enigmática personalidade tantos e tantos ocidentais persistem em enganar-se, apesar de ele ter admitido que continua sendo comunista —, exaltou Castro  como  “amigo sincero e confiável” e “distinto homem de Estado”, encarnação dos  “mais altos ideais como político, cidadão e patriota”. A presidente do Chile, Michelle Bachelet, definiu-o como “líder pela dignidade e justiça social em Cuba e América Latina”, esquecida talvez da exportação maciça clandestina de armas russas para seu país, feita por Fidel para facilitar um sangrento autogolpe de Allende em 1973, finalmente debelado. E Lula da Silva, num alarde de cinismo, qualificou o pior ditador da América Latina de lutador contra “as ditaduras” do hemisfério! Uniram suas vozes a esse coro de adulações póstumas que não convencem ninguém, começando por eles próprios, os “camaradas” Maduro, Correa e Ortega.

Mas esse coro estridente e falso é inútil: a História não o registrará. Como o  disse bem o  parlamentar peruano Carlos Tubino, “o sátrapa Fidel Castro, grande violador dos direitos humanos, escapou da justiça do mundo, mas não da de Deus”  [3]

________________

Notas:

[1] Entrevista a Jean-Luc Mano, director de informações de France-2, “Paris Match”, 29-10-1994 (destaques nossos).
[2] Cfr. JUAN CLARK, Cuba: mito y realidad, Edições Saeta, Miami-Caracas, 1a. ed., 1990, pp. 358 y 658.
[3] http://elcomercio.pe/politica/actualidad/politicos-peruanos-se-pronuncian-sobre-muerte-fidel-castro-noticia-1949274/7

(*) Fonte: www.tradicionyaccion.org.pe, 27-11-2016. Matéria traduzida do original espanhol por Hélio Dias Viana.

Via: www.abim.inf.br  e  www.sinaisdoreino.com.br

===========================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Diz na Sagrada Escritura:

"Os quais, por castigo, padecerão eterna perdição, longe da face do Senhor e da glória do seu poder". (2 Tessalonicenses 1, 9)

"Serpentes! Raça de víboras! Como escapareis ao castigo do inferno?" (São Mateus 23, 33)

"Voltar-se-á em seguida para os da sua esquerda e lhes dirá: - Retirai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno destinado ao demônio e aos seus anjos". (São Mateus 25, 41)

"Vi os mortos, grandes e pequenos, de pé, diante do trono. Abriram-se livros, e ainda outro livro, que é o livro da vida. E os mortos foram julgados conforme o que estava escrito nesse livro, segundo as suas obras. A morte e a morada subterrânea foram lançadas no tanque de fogo. A segunda morte é esta: o tanque de fogo. Todo o que não foi encontrado inscrito no livro da vida foi lançado ao fogo". (Apocalipse 20, 12-15)

"Os tíbios, os infiéis, os depravados, os homicidas, os impuros, os maléficos, os idólatras e todos os mentirosos terão como quinhão o tanque ardente de fogo e enxofre, a segunda morte". (Apocalipse 21, 8)

 

Veja também...

Papa Francisco e o respeito para com um dos maiores tiranos e perverso comunista anticristão que ainda vive (que ainda vivia!!)

Jornalista e Escritor Antonio Socci: Caro Papa, mas por que o senhor homenageia os tiranos e humilha os perseguidos?

Núncio do Vaticano em Cuba denuncia a miséria do povo e Eclesiásticos o ignoram

 

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne