Novos membros da Academia pró-vida do Vaticano apóiam o aborto e a eutanásia. A Academia não é mais composta por defensores firmes do ensino da Igreja


21.06.2017 -

n/d

Um sacerdote anticonceptivo que liderou uma comissão que apoiou a eutanásia por fome e um professor que participou do "sínodo das sombras" pró-gay 2015 estão entre os mais novos membros da Pontifícia Academia para a Vida. Estes dois se juntam a um terceiro que argumentou que o aborto deveria ser permitido até "18 semanas após a concepção".

O padre é o padre Maurizio Chiodi, teólogo da Faculdade de Teologia do Norte da Itália, em Milão. A professora é Anne-Marie Pelletier.

Rorate Caeli descobriu e traduziu a defesa da eutanásia do comitê liderado pelo Padre Chiodi. Foi para a revista italiana jesuíta Aggiornamenti Sociali.

n/d

A Igreja Católica ensina que é moralmente permitido recusar tratamento médico extraordinário, mas nunca é lícito morrer de fome ou desidratar pacientes até a morte. Comida e água nunca podem ser consideradas extraordinárias. 

"A administração de alimentos e água, mesmo por meios artificiais, é, em princípio, um meio comum e proporcional de preservar a vida", de acordo com a Congregação para a Doutrina da Fé (CDF)

"Um paciente em estado vegetativo permanente é uma pessoa com dignidade humana fundamental e, portanto, deve receber cuidados comuns e proporcionados que incluem, em princípio, a administração de água e alimentos, mesmo por meios artificiais", afirmam as diretrizes.

A Pontifícia Academia para a Vida publicou um documento em 2000 sob o Papa São João Paulo II  que ensinava que a nutrição e a hidratação são "cuidados comuns".

O grupo de estudo de ética "juntou-se a ativistas italianos de eutanásia no apoio a um projeto de lei que legalize a eutanásia com médicos em certos casos", relatou Rorate. "O projeto de lei já foi aprovado pela Câmara e agora está no Senado italiano".

O grupo de estudo argumentou que o alimento e a água não são "tratamentos" essenciais para um paciente e, portanto, devem ser retidos.

Escreveu, em parte: 

2. Um estado democrático é composto de cidadãos comprometidos com o respeito das diferentes éticas, visões do mundo e religiões, num contexto de inclusão mútua e hospitalidade sincera sem tentar impor-se a outros..... 

5. Uma questão controversa diz respeito à nutrição artificial e hidratação (ANH), que o rascunho da lei inclui entre os tratamentos que podem ser recusados ​​em uma AHD [diretriz de saúde avançada] ou planejamento antecipado. No pensamento católico, muitas vezes é afirmado que esses meios são sempre obrigatórios; Na realidade, ANH [nutrição artificial e hidratação] é uma intervenção médica e técnica e, como tal, não evita o julgamento da proporcionalidade. Também não pode ser excluído que, às vezes, não seja mais capaz de atingir o objetivo de proporcionar alimento ao paciente ou o alívio do sofrimento. O primeiro caso pode ocorrer na doença do câncer terminal; O segundo [pode ocorrer] em um estado vegetativo que é prolongado indefinidamente, se o paciente já declarou que essa perspectiva é inaceitável.

Padre Chiodi também rejeita o ensino da Igreja na contracepção.  Ele argumenta que poderia ser "moral" para um casal usar a contracepção artificial, porque "não é o próprio método [de prevenção da gravidez] que determina a moralidade, mas a consciência dos cônjuges, o seu senso de responsabilidade, a sua vontade genuína para se abrirem à vida".

Um ex-membro da academia pro-vida disse que São João Paulo II estaria se "revirando em seu túmulo",sobre os novos e problemáticos novos nomeados. 

"As últimas notícias sobre várias nomeações para a Pontifícia Academia para a Vida me entristecem imensamente", disse à LifeSiteNews Judie Brown, presidente da American Life League e ex-membro da Academia. "Eu acredito que é seguro dizer que certamente o Santo João Paulo II está se revirando em seu túmulo. A Academia não é mais composta por defensores firmes do ensino da Igreja, mas de pessoas humanas vulneráveis ao mundo". 

Novo nomeado parte do "sínodo das sombras" pró-gay

A nova membro da Academia, Anne-Marie Pelletier, participou do "sínodo das sombras" pró-gay 2015 no início do Sínodo da Família. O "sínodo das sombras" de 2015, foi um encontro confidencial  de teólogos, bispos e representantes da mídia, em que eles discutiram como podem influenciar os sínodos na família para "abraçar" as uniões do mesmo sexo e outras inovações que não estão alinhadas com a moral católica. 

O cardeal Reinhard Marx, um dos conselheiros íntimos do papa que apoia a comunhão para os divorciados e casados ​​novamente, desafiando o ensino católico, participou das reuniões. Pelo menos outros nove outros bispos participaram.

Ao nomear pessoas que não estão comprometidas com os profissionais em plena comunhão com o Magistério, a Pontifícia Academia para a Vida corre o risco de se tornar outra versão da Pontifícia Academia das Ciências Sociais, que já está empilhada com entusiastas do controle da população e marxistas comprometidos.

No começo desta semana, o arcebispo Vincenzo Paglia, chefe da Pontifícia Academia para a Vida do Vaticano, dobrou em defesa do recém-nomeado membro Nigel Biggar, que argumentou que o aborto deveria ser legal até "18 semanas após a concepção".

Fonte: www.lifesitenews.com  (artigo traduzido)

=============================

Nota de  www.raianhamaria.com.br

Diz na Sagrada Escritura:

"Por que me perguntas a respeito do que se deve fazer de bom? Só Deus é bom. Se queres entrar na vida, observa os mandamentos". (Mateus 19, 17)

"Conheces os mandamentos: não mates; não cometas adultério; não furtes; não digas falso testemunho; não cometas fraudes; honra pai e mãe". (Marcos 10, 19)

n/d

Nos Dez Mandamentos, encontramos um que diz: “Não matarás” (Ex 20,13). É certo que a expressão negativa enfática de não matar se refere às mais variadas formas que levam à morte. Dentre elas, lembramos do assassinato, da eutanásia e do aborto. O suicídio e a eutanásia também são considerados como a quebra desse mandamento, tendo em vista que significa autodestruição, ou negação da própria vida. O termo se origina do latim sui, que quer dizer a si mesmo, e caedere que significa cortar, matar.

O Papa João Paulo II, na encíclica Evangelium vitae: “A decisão deliberada de privar um ser humano inocente da sua vida é sempre má do ponto de vista moral, e nunca pode ser lícita nem como fim, nem como meio para um fim bom. (EV, 57).

n/d

Isso não impede que algumas formas de eutanásia sejam mais ou menos graves que outras. João Paulo II distingue também vários graus de gravidade (EV, 66).

"A primeira forma de eutanásia é a que resulta de uma falsa piedade. Neste caso, suprime-se a vida do doente com o objetivo de poupá-lo de mais sofrimento. No entanto, para a Igreja, a verdadeira compaixão, de fato, torna solidário com a dor alheia, não suprime aquele de quem não se pode suportar o sofrimento”.

"A decisão da eutanásia torna-se mais grave quando se configura como um homicídio, que os outros praticam sobre uma pessoa que não a pediu de modo algum nem deu nunca qualquer consentimento para ela.”

"Atinge-se o cúmulo do arbítrio e da injustiça quando alguns, médicos ou legisladores, se arrogam o poder de decidir quem deve viver e quem deve morrer”.

A liberdade de escolha do paciente não justifica a eutanásia. Segundo alguns promotores da eutanásia, esta poderia se justificar pelo “princípio de autonomia” do sujeito, que teria direito de dispor, de maneira absoluta, da sua própria vida. Para rejeitar esse direito, a Igreja se baseia no valor inalienável e sagrado de toda vida humana.

Segundo este princípio, assim como haveria um “direito ao suicídio”, existiria também um “direito ao suicídio assistido”. A Igreja não reconhece nenhum destes supostos direitos.

Seu ensinamento recordou isso muitas vezes: “A morte voluntária ou suicídio, portanto, é tão inaceitável como o homicídio: porque tal ato da parte do homem constitui uma recusa da soberania de Deus e do seu desígnio de amor".

 

Veja também...

Acaso hoje, à semelhança do tempo de Moisés, não estão quebradas no chão as tábuas da lei? Acaso não se deixou de ser observada a Lei de Deus em Sua Igreja? Não merecemos, por isso, uma punição? Acaso não foram quebrados os Mandamentos?

Francisco recebe em audiência no Vaticano, o primeiro-ministro canadense, que destinou US$650 milhões, para facilitar o aborto nos países em desenvolvimento. Qual a surpresa, de Francisco receber um Herodes do Fim dos Tempos?

Lembrando: Papa Francisco elogia ex-ministra italiana pró-aborto, uma mulher que disse publicamente ter participado de mais de Dez Mil abortos

Universidade Católica na Bélgica, demite professor que lembrou ser o aborto um assassinato. Alegando que as ideias do professor são incompatíveis com os valores da Universidade, e Bispos belgas apoiaram a demissão

Eclesiásticos do Fim dos Tempos: Arcebispo de Montreal dá comunhão ao ministro do Canadá pró-aborto, Justin Trudeau, que destinou 650 milhões de dólares para fomentar o aborto globalmente

O Papa, só ou em Concílio, não pode contradizer o que está contido explicita ou implicitamente na Divina Revelação. Nem o que já foi definido ou dado como certo por seus predecessores ou o que foi sempre e universalmente crido e ensinado na Igreja

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne