A Arábia Saudita não quer que o mundo veja estas imagens: No Sudão do Sul, Somália, Iêmen e Nigéria, 14 milhões de crianças correm o risco de morrer de fome


28.06.2017 -

n/d

(Criança com suspeita de cólera em Saná, capital do Iemên. A crise sanitária e de alimentos causada pelo bloqueio saudita ao país provocou um surto mortal de cólera. A cada minuto um paciente dá entrada no maior hospital de Saná)

O circo interminável que é a presidência de Donald Trump está desviando a atenção de problemas de todo tipo que precisam urgentemente dela, desde a reforma da saúde até o crescimento paulatino do engajamento dos EUA na Síria. Mesmo assim, é chocante que tão pouca atenção esteja sendo dada a uma crise humanitária que a ONU descreve como a pior desde 1945: o risco de que 20 milhões de pessoas em quatro países enfrentem fome generalizada nos próximos meses e que centenas de milhares de crianças morram de inanição. 

Você ainda não ouviu falar disso? Aí está o problema. De acordo com a ONU e entidades de assistência privadas, os esforços para fornecer alimentos suficientes para frear as crises simultâneas no Sudão do Sul, Somália, Iêmen e Nigéria estão deixando tragicamente a desejar, em parte porque devido à insuficiência de fundos recebidos de governos e doadores privados. Dos US$4,9 bilhões que o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha) pediu em fevereiro para atender às necessidades imediatas desses países, apenas 39% tinham sido doados até a semana passada.

Essa falta de assistência pode ser atribuída ao desinteresse dos doadores ou às dimensões da ajuda necessária. Mas parte do problema é uma simples falta de consciência dele. 

n/d

“Parece que não conseguimos que ninguém preste atenção ao que está acontecendo”, diz Carolyn Miles, presidente e executiva-chefe da Save the Children. 

“Nunca antes vi nada como isso”, comenta David Beasley, ex-governador da Carolina do Sul e atual diretor do Programa Mundial de Alimentação das Nações Unidas (PMA). 

“Nos últimos oito a dez meses o mundo tem estado com sua atenção voltada a outro lugar. É tudo Trump, Trump, Trump. Sendo que nós, aqui, estamos vivendo uma crise.” 

Os números que Miles e Beasley citam de cabeça deveriam comandar a atenção geral. Por exemplo: 14 milhões de crianças correm o risco de morrer de inanição nos quatro países, das quais 600 mil “podem morrer nos próximos três a quatro meses”, segundo Beasley. 

No Iêmen, onde a fome atormenta 17 milhões de pessoas, apenas 3,3 milhões de pessoas estão recebendo rações alimentares completas, sendo que o PMA queria alimentar 6,8 milhões este mês. Enquanto isso surgiu uma epidemia de cólera, que já atingiu mais de 200 mil pessoas. Miles diz que uma criança é infectada a cada 35 segundos. 

“Insegurança alimentar grave”

Foram feitos alguns avanços: no Estado de Unity, no Sudão do Sul, que este ano ultrapassou os critérios da ONU para definir uma região em situação de fome generalizada, o alerta foi removido na semana passada, após algumas entregas grandes e pontuais de alimentos. Também na Somália as operações de assistência vêm sendo mais eficazes que durante o último período de carestia declarada, em 2011. Mesmo assim, a situação geral nos dois países ainda é assustadora. Nada menos que 50% da população do Sudão do Sul, ou 6 milhões de pessoas, devem estar em situação de “insegurança alimentar grave” nas próximas semanas, um aumento de 500 mil pessoas em relação a maio. 

A falta das chuvas previstas para a primavera na Somália pode empurrar o país para uma situação de fome generalizada até julho, diz Miles. Mas o PMA diz que, se não receber mais assistência, pode ser obrigado a cortar a ajuda a 700 mil somalis nas próximas semanas. 

Não obstante a postura da administração Trump contrária à doação de assistência a outros países, os EUA não são o problema aqui. Até o início de junho Washington já havia prometido quase US$1,2 bilhão em assistência emergencial aos quatro países, incluindo um suplemento adicional de US$329 milhões anunciado em 24 de maio. E há mais ajuda pela frente, graças a uma coalizão bipartidária no Congresso comandada pelo senador Lindsay O. Graham, que inseriu US$990 milhões no orçamento deste ano a título de ajuda emergencial para combater a fome. 

n/d

(Garoto iemenita senta-se em um saco de comida doado por uma organização de caridade local durante o Ramadã. O país passa por uma crise alimentar grave)

As autoridades assistenciais disseram que conseguir que o dinheiro venha de Washington é um processo demorado, pelo fato de a nova administração ainda não ter preenchido postos importantes na Usaid (Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional). E, para o ano que se inicia em outubro, o orçamento de Trump propõe um corte drástico de US$1 bilhão na assistência alimentar. Mas Graham e outros legisladores chaves já deixaram claro que isso não vai acontecer. “Apesar de todo o caos”, Beasley me disse, “democratas e republicanos ainda unem suas forças para ajudar crianças que passam fome”. 

Arábia Saudita devastadora

O líder do PMA está mais impaciente com outros países, especialmente os países do Golfo Pérsico que contribuíram tanto para criar a crise no Iêmen. A Arábia Saudita, que lidera a intervenção militar que desde 2015 vem devastando um país já pobre, impõe um bloqueio parcial ao porto crucial de Hodeida, por onde são importados 70% dos alimentos consumidos no Iêmen.

n/d

(Iemenitas procuram objetos no meio de destroços causados por um bombardeio aéreo da coalização liderada pela Arábia Saudita)

Os sauditas prometeram US$227 milhões de ajuda emergencial para combater a fome no Iêmen este ano, mas até agora entregaram apenas 30% desse valor. Os Emirados Árabes Unidos nem sequer constam da lista de doadores do Ocha. 

“A Arábia Saudita deveria financiar 100% das necessidades humanitárias do Iêmen”, diz Beasley. “Sem sombra de dúvida.” 

No passado, situações de fome generalizada atraíam muita atenção no Ocidente. Astros do rock comandavam campanhas de assistência e redes de televisão produziam documentários especiais. ONGs americanas estão procurando maneiras de dinamizar a atenção dos Estados Unidos neste verão. Milhões de vidas podem depender de elas conseguirem chamar a atenção do público na era dominada por Trump.

Tradução de Clara Allain  -  Via Gazeta do Povo notícias

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Diz na Sagrada Escritura:

"O Senhor dizia: julgai segundo a verdadeira justiça; cada um de vós tenha bom coração e seja compassivo para com o seu irmão. Não oprimais a viúva nem o órfão, nem o estrangeiro, nem o pobre, e não trameis em vossos corações maus desígnios uns contra os outros.

n/d

Eles, porém, não quiseram escutar: voltaram-me as costas, revoltados, e taparam os ouvidos para nada ouvir. Endureceram o seu coração como um diamante, para não entenderem as instruções e as palavras que o Senhor dos exércitos lhes dirigia pelo seu Espírito, por meio dos antigos profetas. Por isso o Senhor dos exércitos indignou-se vivamente contra eles". (Zacarias 7, 9-12)

"Todos eles amam as dádivas e andam atrás do proveito próprio; não fazem justiça ao órfão, e a causa da viúva não é evocada diante deles.

n/d

Por isso eis o que diz o Senhor, Deus dos exércitos, o Poderoso de Israel: Ah! eu tirarei satisfação de meus adversários, e me vingarei de meus inimigos. Voltarei minha mão contra ti, e te purificarei no crisol, e eliminarei de ti todo o chumbo. Os rebeldes e os pecadores serão destruídos juntamente, e aqueles que abandonam o Senhor perecerão. O homem forte será a estopa. e sua obra, a faísca; eles arderão sem que ninguém possa extinguir". (Isaías 1)

"Pus-me então a considerar todas as opressões que se exercem debaixo do sol. Eis aqui as lágrimas dos oprimidos e não há ninguém para consolá-los". (Eclesiastes 4, 1)

n/d

"Porque conheço o número de vossos crimes e a gravidade de vossos pecados, opressores do justo, exatores de dádivas, violadores do direito dos pobres em juízo". (Amós 5, 12)

"O Senhor Deus enxugará as lágrimas de todas as faces e tirará de toda a terra o opróbrio que pesa sobre o seu povo, porque o Senhor o disse". (Isaías 25, 8)

n/d

"Porque ele livrará ao necessitado quando clamar, como também ao aflito e ao que não tem quem o ajude. Compadecer-se-á do pobre e do aflito, e salvará as almas dos necessitados".  (Salmos 7, 1)

"Ao mesmo tempo, ouvi do trono uma grande voz que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens. Habitará com eles e serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles. Enxugará toda lágrima de seus olhos e já não haverá morte, nem luto, nem grito, nem dor, porque passou a primeira condição". (Apocalipse 21, 3-4)

"Portanto, eis o que diz o Senhor Deus: meus servos comerão e vós tereis fome, meus servos beberão e vós tereis sede, meus servos se rejubilarão...

n/d

...e vós ficareis envergonhados, meus servos cantarão na alegria de seu coração, e vós vos lamentareis com o coração angustiado, rugireis com a alma em desespero. Vosso nome ficará como um termo de maldição entre meus eleitos: (Que o Senhor Deus te faça morrer!) enquanto meus servos receberão um novo nome. Aquele que desejar ser abençoado na terra, desejará sê-lo pelo Deus fiel, e aquele que jurar na terra, jurará pelo Deus fiel, porque as desgraças de outrora serão esquecidas, já não lhes volverão ao espírito. Pois eu vou criar novos céus, e uma nova terra; o passado já não será lembrado, já não volverá ao espírito, mas será experimentada a alegria e a felicidade eterna daquilo que vou criar. Pois vou criar uma Jerusalém destinada à alegria, e seu povo ao júbilo". (Isaias 65)

 

Veja também...

Sinal dos Tempos: Metade da população do mundo é extremamente pobre. Sendo que 1 bilhão de crianças vivem na pobreza, e milhares de crianças morrem a cada dia devido a fome

Vivemos de lixo: Com fome, venezuelanos lutam diariamente, para comer restos do lixo

Pessoas que deveriam se impressionar diante de certos acontecimentos, não se incomodam, porque estão indiferentes. Elas não se incomodam com nada a não ser com sua própria vidinha individual

Lembrando: Patrimônio de 62 bilionários é igual ao de 3,6 bilhões de pessoas, ou seja, a metade da população da Terra. Isto é que os homens chamam de paz, amor e justiça

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne