Maior autoridade do Islã Sunita nomeia Francisco como defensor mundial do Islã. Alguém consegue imaginar qualquer líder muçulmano a ser chamado defensor do Cristianismo?


12.07.2017 -

O Papa Francisco recebeu uma honra notável na semana passada quando Ahmed al-Tayeb, o Grande Imã de al-Azhar no Cairo, lhe agradeceu pela sua "defesa do islamismo contra a acusação de violência e terrorismo".

n/d

Algum outro Papa na história do Cristianismo já foi anunciado como um "defensor do islamismo"?

Claro que não. Mas a Igreja Católica percorreu um longo caminho desde os dias do Papa Calisto III, que prometeu em 1455 "exaltar a verdadeira fé e extirpar a seita diabólica do depravado e infiel Maomé no Oriente".

Se as viagens no tempo fossem possíveis e o Papa Francisco pudesse encontrar-se com Calisto III, Calisto poderia "esperar um soco", porque Francisco não é apenas um defensor do Islão, é um defensor da lei islâmica, que estabelece a pena de morte por blasfémia: depois de os jihadistas islâmicos terem assassinado os redactores da revista satírica Charlie Hebdo, por estes terem desenhado Maomé, Francisco justificou obliquamente os assassinatos dizendo que "é verdade que não se deve reagir violentamente, mas, apesar de sermos bons amigos, se um empregado meu disser uma palavra de maldição contra a minha mãe, ele pode esperar um soco, é normal. Não se pode fazer piadas com as religiões dos outros. Essas pessoas provocam e depois algo pode acontecer. Na liberdade de expressão, existem limites".

Assim, para o Papa, o assassinato de pessoas por violarem as leis da blasfémia da Sharia é"normal" e não é terrorismo. "O terrorismo cristão não existe, o terrorismo judaico não existe e o terrorismo muçulmano não existe. Eles não existem", disse Francisco num discurso em Fevereiro passado.

n/d

Portanto, não há terrorismo islâmico, mas se alguém fizer "generalizações intolerantes", pode "esperar um soco". O Papa, como a Organização da Cooperação Islâmica, parece pensar que o problema não é o terror da jihad, mas os não muçulmanos falarem sobre o terror da jihad. Os muçulmanos seriam pacíficos se os não muçulmanos simplesmente se censurassem e auto imprimissem as restrições de blasfémia da Sharia em relação à crítica do Islão.

n/d

O Papa Francisco não tem paciência para aqueles que discutem tais assuntos: "Não gosto de falar sobre violência islâmica, porque todos os dias, quando leio o jornal, vejo violência". Ele disse, de acordo com o Crux, que "quando lê o jornal, ele lê sobre um italiano que matou a noiva ou a sogra". O pontífice acrescentou: "São batizados católicos. Eles são católicos violentos". Ele disse que se falasse sobre "violência islâmica", então ele teria que falar também de "violência católica".

Essa comparação não faz sentido, pois os católicos italianos que matam noivas ou sogras não agem de acordo com os ensinamentos da sua religião, enquanto que o Alcorão e o ensino islâmico contêm numerosas exortações à violência.

Mas o Papa Francisco, defensor do Islamismo, não pode preocupar-se com tais minúcias.Também não parece estar particularmente preocupado com o fato de que todas as suas declarações falsas sobre a ideologia motivadora por trás da enorme perseguição muçulmana aos cristãos nos últimos anos apenas permitem e aceleram essa perseguição, pois, se essa ideologia não for identificada e confrontada, ela continuará a florescer.

O Papa que os católicos consideram ser o chefe da Igreja, deve ser um defensor do Cristianismo, não um defensor do Islamismo, a religião que tem estado em guerra com o Cristianismo e a civilização judaico-cristã desde os primeiros dias. Que qualquer líder cristão que seja chamado "defensor do Islão" só realça o absurdo da nossa era e a fraqueza do mundo livre.

n/d

Alguém consegue imaginar qualquer líder muçulmano a ser chamado "Defensor do Cristianismo"? Claro que não: os líderes muçulmanos estão conscientes, ao contrário do seu apaixonado defensor no Vaticano, de que o Islão exige a guerra contra os infiéis, e não a defesa dos seus pontos de vista teológicos.

O Papa Francisco não está apenas desastrosamente errado sobre um fato óbvio que é reforçado pelas manchetes de todos os dias. Ele também está a enganar o seu povo sobre uma questão de extrema importância e mantendo-o ignorante e complacente com uma ameaça crescente.

"Deixa-os. Eles são guias cegos. E se um cego conduz um cego, ambos cairão numa cova." (Mateus 15, 14)

Por Robert Spencer; Jihad WatchThe Geller Report  via  Blog Libertar

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Cristãos e muçulmanos não têm o mesmo conhecimento de Deus, porque eles não estão ligados à mesma Revelação, não ouvem a mesma Palavra. Contentar-se em afirmar que Deus existe e que Ele é único, é no que se resume o conhecimento muçulmano de Deus (Alá). O "Deus" do Alcorão é um ser solitário, enquanto o Deus do cristianismo é um ser de relação: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Três Pessoas tão ligadas entre Si, que são, conjuntamente e cada uma, o único e mesmo Ser Divino.  De fato, o islamismo nega não somente a Trindade, mas também a Divindade de Jesus, sua morte e sua ressurreição e, portanto, a Redenção.

Diz na Sagrada Escritura:

"Todo aquele que caminha sem rumo e não permanece na doutrina de Cristo, não tem Deus. Quem permanece na doutrina, este possui o Pai e o Filho. Se alguém vier a vós sem trazer esta doutrina, não o recebais em vossa casa, nem o saudeis. Porque quem o saúda toma parte em suas obras más". (2 João 9-11)

n/d

No Vaticano, Francisco abriu suas igrejas para muçulmanos celebrarem o Ramadan, convidaram "imans", líderes muçulmanos, para rezar nos jardins do Vaticano, beijando o Alcorão.

n/d

Lembrando... que Francisco retirou os sapatos para visitar mesquitas, colocando Maomé ao mesmo nível de Nosso Senhor Jesus Cristo, nesses sacrílegos encontros ecumênicos.

n/d

Quando os Santos, Doutores e Papas da Igreja, pudessem imaginar um "papa" orando dentro de uma Mesquita à Alá. Queiram responder os "católicos" que estão presenciando estes erros gravíssimos e mesmo assim aplaudem está apostasia escancarada a olhos vistos.

Disse Nossa Senhora do Bom Sucesso, ao tratar da propagação das heresias no Fim dos Tempos: “Tempos funestos sobrevirão, nos quais aqueles que deveriam defender em justiça os direitos da Igreja, sem temor servil nem respeito humano, darão as mãos aos inimigos da Igreja para fazer o que estes quiserem” (II, 98).

n/d

"Se, esquecendo-te do Senhor, teu Deus, seguires outros deuses, rendendo-lhes culto e prostrando-te diante deles, desde hoje vos declaro que perecereis com toda a certeza". (Deuteronômio 8, 19)

n/d

"Mas Jesus, voltando-se para ele, disse-lhe: Afasta-te, Satanás! Tu és para mim um escândalo; teus pensamentos não são de Deus, mas dos homens!" (São Mateus 16, 23)

n/d

"Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais. Como podemos conhecer o caminho?
Jesus lhe respondeu: Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim. Se me conhecêsseis, também certamente conheceríeis meu Pai; desde agora já o conheceis, pois o tendes visto". (São João 14, 5-7)

Disse o Padre Emanuel, ainda no sec. XIX: Sobre o aparecimento do Anticristo...(que usará um falso profeta para dominar também pela religião)

“Apresentar-se-á como cheio de respeito pela liberdade das religiões, uma das máximas e uma das mentiras da besta revolucionária. Dirá aos budistas que é um Buda; aos muçulmanos, que Maomé é um grande profeta...

n/d

Talvez até irá dizer, em sua hipocrisia, como Herodes seu precursor, que quer adorar Jesus Cristo. Mas isso não passará de uma zombaria amarga. Malditos os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável Salvador seja posto lado a lado com outras seitas e mestres".

 

Veja também...

Padre Henri Boulad: Líderes católicos defendendo o Islã estão traindo a verdade

Fátima e o Islã: Poucos percebem que, apesar de aparentemente opostos, o Islã e a Rússia comunista, são os grandes impérios que avançaram desde o oriente neste último século afogando a Igreja de Cristo

Para os que acham que o terrorismo não tem nada a ver com Islã: Autoridade religiosa (Imã) do Islamismo, diz a verdade sobre os ataques na Inglaterra

Matar crianças infiéis não é crime, declara Estado Islâmico: Na verdade eles apenas obedecem o Alcorão

Francisco aparece em video junto com Líderes de diversas religiões, para promover uma união maior entre elas. Não há mais necessidade de conversão ao Cristianismo/Catolicismo, todos se salvam, tanto faz suas crenças

Video: Estado Islâmico destruindo Igreja nas Filipinas. Imagens de Santos, de Nossa Senhora, Jesus na Cruz, são destruídos e incendiados, tudo em nome de Alá

Discursam os influenciados por Satanás: Todas as religiões levam a Deus! E respondem, levianamente, os desavisados: Para mim todas são iguais! Trágico engano, essa não é a verdade, e como todos sabemos, a Verdade é uma só!

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne