Consultor do Vaticano nomeado por Francisco, rejeita os ensinamentos da Igreja sobre homossexualismo, declarando: A união do homem e da mulher no amor conjugal não é o único caminho verdadeiro. A Igreja deve agora mudar para um novo ensino


12.07.2017 - Padre James Martin, que foi nomeado por Francisco para o Escritório de comunicações do Vaticano.

n/d

Uma nova revisão do Padre James Martin, do seu o livro pró-gay recentemente publicado, aponta sua premissa, a saber, "que a Igreja (talvez) não compreenda o plano de Deus para a sexualidade humana para toda a sua história".

O livro de Martin, "Construindo a Ponte", resalta como a Igreja Católica e a Comunidade (gay) LGBT podem entrar em um relacionamento de respeito, compaixão e sensibilidade, como algo fundamental para as abordagens pastorais da igreja para a "comunidade (gay) LGBT".

n/d

Já o Padre Gerald Murray esclarece que padre Martin vai além, afirmando que a Igreja "deve agora mudar para um novo ensino, a saber, que a união do homem e da mulher no amor conjugal não é o único caminho para a verdadeira e boa expressão do ser humano sexualidade".

n/d

Padre Murray corta as camadas de sentimentalismo e desinformação que agora engolfam e envolvem a discussão sobre o mundo LGBT, especialmente dentro da Igreja Católica:  

"O verdadeiro propósito deste livro é defender o relaxamento do ensino da Igreja de que a sodomia é gravemente imoral e que qualquer atração por cometer atos de sodomia é uma desordem objetiva da personalidade", disse Murray. "A tese deste livro é que as lésbicas, gays, pessoas bissexuais e transexuais / transgêneros foram feitas por Deus e, portanto, devem viver com prazer e expressar sua sexualidade diferente e ordenada de Deus de uma maneira diferente ordenada".

n/d

De acordo com o Padre Murray, o Padre Martin "assume que Deus criou algumas pessoas para ser homossexual e, portanto, qualquer desaprovação da homossexualidade e até mesmo da atividade homossexual é de fato um ataque ao plano de Deus". Padre Murray ressalta: "Isto, é claro, não pode ser enquadrado com o ensino católico, mas é a rejeição desse ensino".

n/d

Desta forma, o jesuíta Pade Martin se alinhou com o movimento gay, não a Igreja Católica.

"O padre Martin rejeita o ensino do Catecismo da Igreja Católica de que a inclinação às tendências homossexuais é objetivamente desordenada" (n 2358)

Arcebispo Chaput critica o livro pró-gay de Martin

O arcebispo de Filadélfia, Charles Chaput, também criticou o padre Martin por não ter sido claro sobre o pecado das ações homossexuais.

Chaput disse que, embora Martin tenha razão ao afirmar que a Igreja deve ter "respeito, compaixão e sensibilidade ao lidar com pessoas com atração do mesmo sexo, isso não lhe dá uma licença para ele ou outros líderes influentes dentro da Igreja de repente começar a ignorar "Ensino Bíblico" sobre sexualidade.

Apontando para a condenação de São Paulo às práticas homossexuais, Chaput acrescentou: "Se a Carta aos Romanos é verdadeira, então as pessoas em relações impassíveis (sejam elas homossexuais ou heterossexuais) precisam de conversão. Se a Carta aos Romanos é falsa, então o ensino cristão não é apenas errado, mas uma mentira perversa. Tratar com isso francamente é a única maneira de ter uma discussão honesta".

O conselho do Cardeal Sarah aos sacerdotes como o Padre Martin.

O cardeal Robert Sarah, prefeito da Congregação do Vaticano para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, emitiu recentemente um apelo a seus colegas bispos e sacerdotes.

n/d

Ele faz uma forte repreensão, chamando a atenção para o fato de que a Igreja ensina: No Catecismo sobre homossexualidade que alguns membros do clero escolhem não citar, incluindo o aviso claro: "Em nenhuma circunstância pode [os atos homossexuais] ser aprovado '(CCC 2357). O respeito e a sensibilidade a que o Catecismo nos chama com razão não nos dão permissão para privar homens e mulheres que vivenciam a SSA (atração do mesmo sexo) da plenitude do Evangelho".

Aqueles prelados e clérigos que justificam a homossexualidade desafiam a compreensão genuína da Igreja da pessoa humana e da sexualidade humana, varrendo o ensino autêntico da Igreja e colocando em perigo, ao invés de ajudar, aqueles atraídos pelo mesmo sexo.

Em uma frase abundante com tanto amor quanto verdade, o Cardeal Sarah adverte: "Não podemos ser mais compassivos ou misericordiosos do que Jesus". Os "ditos duros" de Jesus são muitas vezes os que têm o maior poder de libertar da escuridão e transformar vidas.

No entanto, como o Pe. Murray ressalta, Pe. Martin insiste em propor um catecismo alternativo .

Brian Williams , o "chefe da liturgia", vai mais longe: "O jesuíto desonesto (que pode ser redundante), descrito por alguns como um lobo com roupas de ovelha, aparentemente tornou sua missão pessoal mudar a fé de Nossos pais". 

Fonte: www.lifesitenews.com  (artigo traduzido)

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Por Dilson Kutscher

Muitos "católicos" ainda insistem em dizer:

Apostasia na Igreja? Onde, quando, como e etc... a perder de vista...

Então, estes artigos abaixo... são apenas uma "igreja"... que precisa se adaptar ao modernismo e as modas do mundo... é isto?

A nova "misericórdia", que estes "lobos em pele de cordeiro" criaram,  declara apenas que Deus os ama, não importa que caminho sigam, não importa que continuem pecando e permaneçam em seus pecados, pois, todos se salvam. Deus é Amor, esqueçam o Deus Justiça, Justo Juiz. Não havendo um Deus que condena, não existe mais condenação ou castigo, logo, não existe mais inferno, é uma anti-igreja pregando um anti-Evangelho.

Padre nomeado por Francisco para Escritório de comunicações do Vaticano, declara: Os católicos podem ter uma surpresa quando eles chegarem ao Céu para serem saudados por homens e mulheres homossexuais. Alguns dos Santos são provavelmente gays

Eclesiásticos do Fim dos Tempos: O Cardeal vinculado à orgia gay do Vaticano, enfatizou elementos positivos no estilo de vida gay. Trata-se do Cardeal Francesco Coccopalmerio, um dos principais conselheiros de Francisco

Conferência Episcopal dos EUA recusa responder sobre o acesso dos casais homossexuais à Sagrada Comunhão

Eclesiásticos do Fim dos Tempos: Bispo de San José, nos EUA, diz que homossexuais não serão recusados para receber a Santa Comunhão ou um enterro cristão, em sua diocese

Arquidiocese canadense promove evento pró-homossexual: Perguntado se o evento teria lugar para o ensino cristão contra a homossexualidade, como encontrado na Carta de São Paulo (Rm 1, 26-28), dizem que não é uma clara condenação da homossexualidade

A Nova Igreja modernista, que agrada aos homens e não mais a Deus: Arcebispo de Newark (EUA), Cardeal Joseph Tobin, abençoa peregrinação gay, e convida os fiéis a associarem-se às famílias lésbicas, gays e transexuais nesta peregrinação

Acredite se quiser: Paróquia americana organiza festa de dança gay para a caridade LGBT. O dinheiro arrecadado será usado para financiar as atividades de duas organizações homossexuais

Sacrilégio: Grupo Pró-gay na Arquidiocese de Malta usa a bandeira do arco-íris (orgulho-gay) como pano do Altar

A anti-Igreja que prega um anti-Evangelho: Católicos americanos tem percebido um crescente aumento da aceitação do homossexualismo dentro das paróquias. Eclesiásticos querem reconhecer o homossexualismo como modo de vida válido dentro da Igreja?

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne