Declarou o Cardeal Burke: No Julgamento final, comparecerei perante o Senhor e não perante a conferência episcopal


11.02.2018 -

n/d

O cardeal Raymond Leo Burke explica no livro Esperança para o mundo que a conferência episcopal é uma estrutura criada para ajudar os bispos na pastoral de seu rebanho, mas não uma corporação nacional de bispos que controla e dita o que devem fazer .

n/d

"Excelência, no Julgamento final, compararei perante o Senhor e não perante a conferência episcopal".

Esta foi a declaração do então arcebispo de Saint Louis, Raymond Leo Burke, quando outro bispo o censurou por ter feito declarações públicas sobre uma questão a qual a conferência episcopal ainda não havia se pronunciado. Frente a essa censura, Burke respondeu que a conferência episcopal não deveria substituir a missão do bispo em sua própria diocese, que é governar o seu rebanho e proclamar a fé.

É o que o próprio Burke diz em sua entrevista com Guillaume d'Alançon, contido no livro Esperança para o Mundo, depois de afirmar que "a conferência episcopal, que é sem dúvida uma coisa boa, também pode criar uma sensação de falsa unidade que consiste em ser sempre concordante horizontalmente, superficialmente, mas as fissuras aparecem logo que as questões fundamentais são abordadas". Este é o relato do Cardeal:

Por exemplo, lembro que, em 2004, pedi aos políticos católicos para que suas ações públicas concordassem com a lei moral ensinada pela Igreja; De outra forma, não seria mais possível receber comunhão. Para mim, foi necessário abordar esta questão porque é escandaloso violar a lei moral de forma pública e depois se aproximar para receber a comunhão.

Em 2004, quando fui transferido da Diocese de La Crosse para a Arquidiocese de Saint Louis, alguns jornalistas relataram minhas declarações a esse respeito. Pouco tempo depois, durante a reunião de verão da conferência episcopal dos Estados Unidos, houve uma discussão animada sobre essa prática disciplinar da Igreja. Alguns dos meus irmãos no episcopado até me disseram que não devemos punir os políticos católicos cuja atividade política é desordenada. Como eu vejo, isso não teve nada a ver com ser punido, mas simplesmente com o fato de que algumas pessoas não podem receber a comunhão.

Um bispo me disse: "Excelência, não deveria ter dito o que você disse, porque a conferência episcopal ainda não se pronunciou a este respeito". Eu respondi que a conferência episcopal não deveria substituir a missão do bispo em sua própria diocese, que é governar o seu rebanho e proclamar a fé. E acrescentei: "Excelência, no julgamento final, compararei perante o Senhor e não perante a conferência episcopal". Penso que, infelizmente para nós, perdemos o nosso sentido da realidade espiritual da Igreja. Certamente, as estruturas são importantes, mas devem ser inspiradas por uma sólida visão eclesiológica.

O bispo diocesano, primeiro professor de fé em sua diocese

Para a questão de saber se um bispo é limitado por estruturas administrativas a nível diocesano ou nacional, o cardeal Burke responde que "o bispo diocesano é, por mandato divino, o primeiro professor de fé em sua diocese, o primeiro litúrgico, o primeiro pastor ". Portanto, as estruturas administrativas diocesanas e as conferências episcopais "não podem de modo algum eliminar suas responsabilidades em assuntos relacionados ao ensino da fé, sua oferta pessoal da Sagrada Liturgia e o fato de que deve ser assegurado que seja celebrado de uma maneira correta e válida em sua diocese ".

As estruturas administrativas foram criadas para ajudar o bispo, recorda o cardeal, mas não diminuem em absoluto a responsabilidade que lhe incumbe de governar o seu rebanho.

"O cargo de bispo diocesano é de direito divino e a conferência episcopal é uma estrutura de direito eclesial positivo, criada para auxiliar os bispos na pastoral de seu rebanho, mas não é uma corporação nacional de bispos que dita o que Eles devem fazê-los e controlá-los ", ressalta. Da mesma forma, ele esclarece que "a conferência episcopal não pode representar os bispos de um território com base na única autoridade da conferência".

Fonte: www.infovaticana.com  via  www.sinaisdoreino.com.br

 

Veja também...

Bispo Athanasius Schneider: A respeito dos católicos, que dizem estar tudo bem, apesar da situação desastrosa da Igreja, no Julgamento de Deus, será perguntado: Por que você não levantou sua voz para defender a Verdade?

Cardeal Raymond Burke: A confusão e o erro na Igreja Católica em relação ao ensino fundamental sobre casamento e família são tão graves que o final dos tempos pode ter vindo sobre nós

Padre Rodriguez de la Rosa: Eu não vou julgar, quem vai julgar é a Palavra de Deus. Haverá um julgamento sem apelação, e ELE vai Julgar suas ações e você pode ser condenado; pois silencia quando precisa falar a Verdade

O que podemos dizer àqueles que julgam exagerado falar de apostasia na Igreja?

Intimidação e ameaças não impediram os Mártires, os Discípulos, e os Católicos fiéis de proclamarem, através dos tempos, os ensinamentos de Jesus Cristo

A pergunta a ser feita ao seu Bispo (ecumenista), que insiste em igualar todas as religiões com o Catolicismo: Excelência, você quer que o mundo inteiro seja Católico? Sim ou Não? Pois Jesus Cristo quer

Jornalista católico Michael Voris: Um imenso número de Bispos que estão no erro, e precisam ser confrontados com a Espada da Verdade Católica

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne