Combater na Terra, descansar no Céu: Só na eternidade, Pátria dos justos, podes encontrar descanso; porque só ali não há combate


09.03.2018 - Nota de www.rainhamari.com.br

Publicado no site em 31.08.2017

n/d

"Não me digas que não queres combater; porque no instante mesmo em que mo dizes, estás a combater; nem que ignoras para que lado te inclinares, porque no momento mesmo em que isso dizes, já te inclinaste para um lado; nem me afirmes que queres ser neutro, porque quando pensas sê-lo, já não o és; nem me assegures que permanecerás indiferente, porque te desprezarei, dado que, ao pronunciares essa palavra, já tomaste o teu partido.

Não te canses em buscar asilo seguro contra os açoites da guerra, porque te cansas em vão; essa guerra se expande tanto como o espaço, e se prolonga tanto como o tempo.

Só na eternidade, pátria dos justos, podes encontrar descanso; porque só ali não há combate; não presumas, contudo, que se abram para ti as portas da eternidade se não mostras antes as cicatrizes que levas; aquelas portas não se abrem senão para os que combateram aqui os combates do Senhor gloriosamente, e para os que vão, como o Senhor, crucificados".

Juan Donoso Cortés in 'Ensayo sobre el catolicismo, el liberalismo y el socialismo', Edit. Comares, Granada, 2006.

Visto em: senzapagare.blogspot.com.br

============================

São Pedro Julião Eymard, Fundador da Congregação do Santíssimo Sacramento:

"Os covardes não entrarão no Reino dos Céus"

n/d

“Desde a época de João Batista até o presente, o Reino dos Céus é arrebatado à força e são os violentos que o conquistam". (São Mateus 11, 12)

"Óh! quão violento é esse combate: e é preciso sempre recomeçar. A vitória da véspera não garante a do dia seguinte. Hoje, vencedor, amanhã, vencido. Basta qualquer descanso para preparar a derrota: só saem vitoriosos dessa guerra aqueles que jamais cessam de lutar.

É preciso escalar o Céu, tomá-lo de assalto [...]. O fundo de nossa natureza é a covardia; todos os vícios nada mais são que covardia”.

(La Divine Eucharistie, Desclée de Brouwer, Paris, 1926, 16ª ed., pp. 293 e 295). Via: www.abim.inf.br

===========================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Diz na Sagrada Escritura:

"Comigo está o Senhor, nada temo; que mal me poderia ainda fazer um homem? Comigo está o Senhor, meu amparo; verei logo a ruína dos meus inimigos. Mais vale procurar refúgio no Senhor do que confiar no homem. Mais vale procurar refúgio no Senhor do que confiar nos grandes da terra. Ainda que me cercassem todas as nações pagãs, eu as esmagaria em nome do Senhor. Ainda que me assediassem de todos os lados, eu as esmagaria em nome do Senhor. Ainda que me envolvessem como um enxame de abelhas, como um braseiro de espinhos, eu as esmagaria em nome do Senhor. Forçaram-me violentamente para eu cair, mas o Senhor veio em meu auxílio. O Senhor é minha força, minha coragem; ele é meu Salvador". (Salmos 118, 6-14)

"Quem é este Rei da glória? É o Senhor forte e poderoso, o Senhor poderoso na batalha". (Salmos 23, 8)

"Em minha cólera requisitei minhas tropas sagradas, e chamei os meus bravos e meus altivos triunfadores. Escutai esse ruído sobre os montes como vozerio de grande multidão; escutai o tumulto dos reinos e das nações reunidas. É o Senhor dos exércitos que passa em revista suas tropas para a batalha." (Isaías 13, 4)

n/d

"Vi ainda o céu aberto: eis que aparece um cavalo branco. Seu cavaleiro chama-se Fiel e Verdadeiro, e é com justiça que ele julga e guerreia". (Apocalipse 19, 11)

 

Veja também...

Na causa de Deus, todo homem nasceu soldado

Padre Divino Antônio Lopes: A vitória é para os fortes, ousados e valentes, os medrosos nem sequer entram no campo de batalha. Pois, quem estiver tremendo de medo volte e observe do monte Gelboé. Vinte e dois mil homens voltaram (Juízes 7, 3)

Padre Divino Antônio Lopes: O Céu não é a Pátria dos covardes, mas dos fortes, batalhadores e ousados... os moles, indolentes e preguiçosos não se salvarão. O Reino dos Céus é arrebatado à força e são os violentos que o conquistam (Mt 11, 12)

Que característica do cavaleiro medieval o tornou célebre na História? O traço marcante foi a Fé. Daí a coragem que o cavaleiro revelava nas mais terríveis das lutas, as cruzadas, visando libertar o Santo Sepulcro de Nosso Senhor Jesus Cristo

Lembrando São Bernardo de Claraval: Que fareis, bravos cavaleiros? Que fareis, soldados cristãos? Deverei crer que lançareis aos cães o que é sagrado, e as pérolas aos porcos?

Lembrando Santo Afonso de Ligório: A terra é um campo de batalha, no qual fomos postos para combater. Felizes de nós se formos vencedores! Deus mesmo será a nossa recompensa eterna

Sempre lembrando: Meu filho, se entrares para o serviço de Deus, permanece firme na justiça e no temor, e prepara a tua alma para a provação. Aceita tudo o que te acontecer. Na dor, permanece firme; na humilhação, tem paciência (Eclesiástico 2)

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne