Vaticano e empresa que promove o aborto, a homossexualidade e a ideologia de gênero, formam parceria para fechar site católico, que denuncia a influência homossexual e apostasia na Igreja


12.03.2018 -

n/d

Em agosto de 2017, o InfoVaticana, um pequeno portal de notícias católicas, com sede em Madri, Espanha, ficou surpreso ao receber uma carta da Baker & McKenzie, o segundo maior escritório de advocacia do mundo, exigindo que a InfoVaticana transfira seu domínio (www.infovaticana.com) para a Secretaria de Estado do Vaticano. O motivo da reivindicação foi que o Vaticano afirma que tem direitos de propriedade exclusivos sobre o nome do centro físico do mundo católico. A carta dizia que a InfoVaticana tinha sete dias para cumprir este pedido e que, se não fosse, isso resultaria em uma demanda extremamente dispendiosa.

A InfoVaticana, que foi lançada em maio de 2013, diz que é "uma mídia livre e independente que tem a vocação de servir a Igreja Católica e a sociedade". Sua missão declarada é aprofundar a denúncia da cristianofobia e a corrupção na Igreja, a rejeição das imposições totalitárias do poderoso lobby LGBT (gay) e o apoio a nossos irmãos, os cristãos perseguidos. A InfoVaticana escreveu artigos críticos sobre a influência "homossexual" no Vaticano, sobre Amoris Laetitia do Papa Francisco, o escandaloso tratamento do Vaticano à Ordem de Malta, a entrega de uma medalha  a um político "pró-aborto" radical e muitas outras preocupações dos católicos em todo o mundo.

(Lilianne Ploumen, ex-ministra do Comércio Exterior da Holanda, foi homenageada por Francisco com o título de Comandante na Pontifícia Ordem Equestre de São Gregório Magno. A atividade anti-católica de Ploumen não se restringe ao aborto. Em setembro de 2017, Ploumen participou do Grupo Núcleo LGBTI (gay) das Nações Unidas)

n/d

No início de 2017, a InfoVaticana apresentou um pedido de marca para o nome ao lado do Emblema do Estado do Vaticano. Não demorou muito para que a InfoVaticana descobriu que não poderia registrar um emblema nacional, então, em 27 de março de 2017, retirou seu pedido de marca registrada e optou por registrar seu nome junto com um par mais genérico de chaves cruzadas.

O problema começou dois meses depois, quando em 15 de maio, a InfoVaticana recebeu uma carta de Baker & McKenzie em nome do secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Pietro Parolin. A carta argumentava que as chaves cruzadas "representam o emblema simbólico das chaves que dão a Cristo a São Pedro [e] são parte integrante do emblema", e quando combinado com o nome "InfoVaticana", o público pode ter a impressão enganando que o site está oficialmente ligado ou administrado diretamente pela Santa Sé". Como tal, a carta solicita que a InfoVaticana retire seu pedido de marca registrada e pare de usar o emblema do Estado do Vaticano e a imagem combinada do InfoVaticana com as chaves.

A InfoVaticana recebeu uma segunda carta da Baker & McKenzie, desta vez exigindo que, além de não usar as chaves cruzadas com o nome InfoVaticana, a InfoVaticana deixará de usar o nome "InfoVaticana" e mudará o domínio do site. A carta argumenta que as chaves cruzadas utilizadas pelo InfoVaticana para o seu logotipo de marca registrada, são uma violação da propriedade intelectual do Vaticano, sob a forma de "Símbolos de Estado" . Essa argumentação (absurda) implicaria que qualquer parte dos símbolos formais que representam a Cidade do Vaticano (a Cruz, as chaves, uma borla, uma bandeira dourada e branca) são proibidos de serem utilizados por qualquer entidade sem a permissão expressa do Vaticano.

Se este for realmente o caso, então o Vaticano teria que apresentar ações judiciais contra as seguintes: sociedades (igualmente) de chaves cruzadas

Florida Prime Real Estate

n/d

 

Local Locksmith Metro

n/d

 

Cross Keys Animal Hospital

n/d

 

The Cross Keys Inn

n/d

 

Cross Keys Bank

n/d

Mas então, a carta de Baker & McKenzie torna-se ainda mais ridícula. Além de exigir que a InfoVaticana se abstenha de utilizar chaves cruzadas como símbolo do site, a carta exige: A Transferência imediata a favor do Secretário de Estado (ou a favor de quem designar), o nome de domínio www.infovaticana.com.

Em resposta à carta, a InfoVaticana solicitou a ajuda de uma equipe jurídica que ofereceu um acordo à Baker & McKenzie, propondo que o InfoVaticana deixasse de usar as "chaves cruzadas" em seu logotipo, bem como qualquer outra imagem que corresponda aos emblemas oficiais da marca da Santa Sé. A proposta não era uma concessão porque era um ato incorreto, mas como um ato de boa fé e boa vontade, no desejo de evitar a confusão ou a impressão de que a InfoVaticana estava de alguma forma envolvida com o Estado do Vaticano. A resposta da Baker & McKenzie foi uma recusa enfática em negociar, reiterando a exigência de que o nome de domínio seja transferido para o Secretário de Estado do Vaticano. E isso não é o pior.

O escritório de advocacia Baker & McKenzie, é bem conhecido pela promoção da homossexualidade e até representou a gigante abortista Planned Parenthood. Em agosto do ano passado, o escritório da Baker & McKenzie em Belfast, na Irlanda, também fez parceria com o grupo gay "Cara-Friend". para financiar o seu "Programa de Treinamento para Professores de Consciência LGBTQ+".

Em setembro do ano passado, o escritório da Baker & McKenzie em Londres, implementou as "Diretrizes de transição de gênero". Na sequência da implementação das "Orientações Norte-Americanas de Identidade e Transição de Género" da empresa.

Resta saber quais as medidas adicionais que o Vaticano levará contra a InfoVaticana. InfoVaticana (por direito) se recusa a render o nome de domínio de seu site, e o Secretário de Estado do Vaticano (Cardeal Parolin) ameaça se envolver em uma longa batalha legal que inevitavelmente arruará a InfoVaticana financeiramente. É provável que os argumentos enganosos de Baker e McKenzie sobre o uso de chaves cruzadas e a palavra "Vaticano" no nome "InfoVaticana" não tenham força para vencer no tribunal, mas as batalhas tendem a se concentrar mais no desgaste do que em a vitória. E enquanto, um grande inimigo da Igreja Católica, a empresa Baker & McKenzie, crescerá com fundos católicos (do povo de Deus), porque alguns clérigos dissidentes na Cúria estão chateados com as críticas de uma única voz.

Visto em: religionlavozlibre.blogspot.com.br

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Cumpre-se a profecia de Nossa Senhora do Bom Sucesso, em 1610, sobre padres, bispos, cardeais e principalmente este antipapa Francisco... ("enfim o Vaticano") ... dar as "mãos" aos que se rebelaram contra as Leis e Preceitos do Altíssimo.

n/d

Disse Nossa Senhora, em fevereiro de 1610: "Tempos funestos sobrevirão, nos quais...aqueles que deveriam defender em justiça os direitos da Igreja, sem temor servil nem respeito humano, darão as mãos aos inimigos da Igreja (e de Deus) para fazer o que estes quiserem". (II, 98)

=============================

Então...

"Não será dever de um católico julgar entre a fé que lhe ensinam hoje e a que foi ensinada durante vinte séculos de tradição da Igreja? Ora, eu acredito sinceramente que estamos tratando com uma falsificação da Igreja, e não com a Igreja católica. Por quê? Porque eles não ensinam mais a fé católica. Não defendem mais a fé católica. Eles arrastam a Igreja para algo diferente da Igreja Católica.  A verdade e o erro não estão em pé de igualdade. Isso seria colocar Deus e o diabo em pé de igualdade, visto que o diabo é o pai da mentira, o pai do erro. Como poderíamos nós, por obediência servil e cega, fazer o jogo desses cismáticos que nos pedem colaboração para seus empreendimentos de destruição da Igreja?" (Arcebispo Marcel Lefebvre)

 

Veja também...

Vaticano contrata empresa que promove ativismo gay para simplicar e unificar suas comunicações

Francisco abre as portas da Igreja à uma teologia estranha: Seu Consultor do Pontifício Conselho da Cultura, apreciador dos escritos da Irmã Maria Teresa Forcades, que promove a aceitação da homossexualidade e a união gay na Igreja

Padre James Martin, consultor do Vaticano nomeado por Francisco, em seu novo video, apresenta homossexuais "católicos" e casais do mesmo sexo, participando da Missa como algo normal na Igreja

Depois do Presépio com um homem nu no Vaticano, e do mural erótico encomendado por um bispo, colocado numa Catedral italiana, agora: Um "Jesus" musculoso, se livrando de suas ataduras, no novo selo de Páscoa do Vaticano

Novamente Circo no Vaticano: O fato de Francisco permitir mostrar "isso" para ele e sua Cúria, mostra a decadência moral desta atual Igreja modernista

Eclesiásticos do Fim dos Tempos: Desenho blasfemo no jornal dos bispos italianos, faz sarcasmo com Jesus e Maria Madalena

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne