Escritor e Jornalista Católico Antônio Socci: Bergoglio chega a afirmar na Igreja que Jesus se fez demônio, e todos fingem que nada aconteceu. Isto na boca de qualquer outra pessoa seria considerado blasfêmia


08.04.2017 -

n/d

Na Igreja muitos estão com as mãos nos cabelos porque estão acontecendo coisas jamais vistas. Houve papas de todos os tipos em dois mil anos, mas nunca aconteceu que um Papa na Igreja, na homilia da Missa, pronunciasse frases que - na boca de qualquer outra pessoa - seria considerado blasfêmia.

Anteontem, por exemplo, o papa Bergoglio, em Santa Marta, surgiu com uma expressão que deve ter gelado o público (mesmo que ninguém tenha a coragem de dizer nada).

Comentando – de forma totalmente absurda - a passagem bíblica da serpente levantada por Moisés no deserto (Números 21: 4-9), ele disse que Jesus "se tornou pecado, tornou-se o diabo, serpente, para nós."

Mas como podemos dizer que Jesus "se tornou o diabo"? Jesus, para a doutrina cristã, tomou sobre si os pecados de todos, pagando por todos como um cordeiro sacrificial sem defeito, de modo que São Paulo escreveu: "Deus tornou pecado por nós aquele que não tinha pecado, para que nele nos tornássemos justiça de Deus."(2 Cor 5:21).

Mas dizer que Jesus "se tornou o diabo" é completamente diferente (de sabor gnóstico). O Filho de Deus se fez homem para redimir os homens, não se fez demônio para resgatar os demônios, que, lembre-se, são totalmente conotações de ódio inextinguível contra Deus (é inimaginável para um Papa dizer uma coisa similar de Jesus).
 
Já há uma longa série de incursões deste tipo com o quais Bergoglio, a muito tempo, vem bombardeando o pobre rebanho cristão, cada vez mais desorientado e perdido.

A Eugenio Scalfari declarou que "não há um Deus católico".

Em 16 de Junho de 2016, na abertura da Convenção da Diocese de Roma, na Basílica de São João de Latrão, ele veio dizendo que Jesus, no episódio da mulher adúltera, "é um pouco tolo". Ele acrescentou que Jesus - sempre no episódio em que ele salvou a mulher de ser apedrejada - "falhou quanto a moral" (textual também). Finalmente, mesmo porque Jesus não era um "puro" (não se sabe com que intenção).

Adicione a isso o "magistério de gestos" como o fato de que na saudação aos fiéis nunca faz com a mão o sinal da Cruz, ou sua teimosa recusa a ajoelhar-se diante do Tabernáculo e diante de Jesus Eucarístico (enquanto que ajoelha-se em uma série de outras ocasiões quando não há a Eucaristia).

Pode-se adicionar vários outros fatos, especialmente em questões relativas à moralidade, por exemplo Scalfari sempre diz que "cada um de nós tem uma visão do bem e também do mal. Nós temos que fazê-lo avançar para o que ele pensa que é o Bem "(um cartaz perfeito do relativismo, o fim do catolicismo).

Mas o que é mais impressionante sobre a progressividade das afirmações, cada vez mais inéditas de Jesus, culminando na frase de antes de ontem ("se fez de demônio").

Qual explicação se pode encontrar?

UM PROJETO PRECISO

O primeiro que vem à mente é a ignorância teológica. É verdade, o papa Bergoglio não é culturalmente preparado e é uma das raras pessoas que vêm do cardinalato e, em seguida, para o papado sem um doutorado em teologia.

Mas antes de tudo, se é tão despreparado em teologia e tão imprudente para fazer declarações ao limite de blasfêmia, é bom que não detenha o mais alto cargo (mesmo doutrinal) da Igreja, porque seria como colocar um menino, que não sabe nem mesmo conduzir um carro, para pilotar um boeing.

Ou pelo menos é bom que não fale de improviso.

Em segundo lugar, a falta de qualificações teológicas não explica as declarações tão desconcertante, porque você pode tomar qualquer paroco do cristianismo, que fez apenas o seminário (sem outros títulos), e certamente nunca dirá coisas desse gênero. Nem mesmo um que tenha acabado de frequentar o Catecismo.

O fato é que Bergoglio tem literalmente teorizado o "pensamento incompleto." E que continua a ter um pensamento sólido e desqualificado como doutrinário, fundamentalista e rigoroso.

Ele disse na entrevista com o padre Spadaro criticar o passado jesuíta: "época em que”, na Companhia disse ter experimentado um pensamento fechado, duro, mais instrutivo-ascético que o místico".

Então, na Evangelii Gaudium ele culpou "aqueles que sonham com uma doutrina monolítica defendida por todos, sem nuance" (n. 40). E, finalmente, ele escreveu: "Às vezes, ouvindo uma língua completamente ortodoxa, que os fiéis recebem, por causa da linguagem que eles usam e entendem, é algo que não é o verdadeiro Evangelho de Jesus Cristo" (n 41).

Hoje temos o primeiro Papa que – em vez de ser o guardião da ortodoxia doutrinária – critica a "linguagem completamente ortodoxa".

De acordo com alguns, ele faz isso para auto justificar o que ele diz e quer que continue a se espalhar. Mas esta vontade teimosa, que é agora uma constante por quatro anos, sugere que há uma decisão sistemática para desconstruir a doutrina católica ou, pelo menos, submetê-la a um tal descrédito para puxar a ideia, no povo cristão, que todos podem falar, pensar e acreditar que o que ele quiser.

É o Império do relativismo. Ou melhor ainda, como um circo Barnum.

"DRAMÁTICA LUTA NO CONCLAVE"

Mas, talvez, para compreender o que está acontecendo, lembre-se a "luta dramática" na igreja, da qual falou há um ano na Pontifícia Universidade Gregoriana, mons. Georg Gaesnwein, Secretário de Bento XVI, falando do Conclave de 2005, que levou à eleição do Cardeal Ratzinger, que na época se opôs ao Cardeal Bergoglio, apoiado pelos progressistas.

Gaenswein evocou precisamente o conclave de abril de 2005 "a partir do qual Joseph Ratzinger, depois de uma das eleições mais curtas na história da Igreja, foi eleito depois de apenas quatro votações após uma luta dramática entre o chamado 'Partido do sal da terra' (Sal partido da Terra) em torno do cardeal López Trujillo, Ruini, Herranz, Rouco Varela o Medina e o chamado 'Grupo de St. Gallen' em torno do cardeal Danneels, Martini, Silvestrini o Murphy-O'Connor. (...) A eleição foi certamente também o resultado de um confronto, a chave de que tinha fornecido quase o mesmo cardeal Ratzinger como reitor, na homilia histórica de 18 de Abril de 2005, em São Pedro; e precisamente lá onde ", uma ditadura do relativismo que não reconhece nada como definitivo, deixa como última medida somente o próprio eu e seus desejos de se opor a outra medida: “o Filho de Deus e verdadeiro homem 'como' a medida do verdadeiro humanismo".

Gaenswein tinha acrescentado que atualmente está prevalecendo a mentalidade que Bento XVI se opôs, "a 'ditadura do relativismo' que muito tempo foi expressa de modo tão esmagadora através dos muitos canais dos novos meios de comunicação que, em 2005, mal se podia imaginar".

Palavras que mostram o drama que está ocorrendo hoje dentro da Igreja.

ALÉM DE TODOS OS LIMITES

Um dos maiores filósofos vivos católicos, Robert Spaemann, amigo pessoal de Bento XVI, trovejou tempo atrás no “Daily Mail” com um artigo eloquentemente intitulado: "Na Igreja, há um limite de acessibilidade".

Outro filósofo católico importante Josef Seifert, colaborador de João Paulo II e Bento XVI, falou com duras críticas, raciocinando desta forma: "o Papa não é infalível, se não falar ex cathedra. Vários Papas (como Formoso e Honório I) foram condenados por heresia. E é nosso dever sagrado - por amor e misericórdia a muitas almas - criticar nossos bispos e nosso amado Papa, se desviar da verdade, e se os seus erros prejudicar a Igreja e as almas".

Uma situação tão explosiva na Igreja jamais visto.

Antonio Socci

Fonte: www.antoniosocci.com  via  www.sinaisdoreino.com.br

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Declarou o Arcebispo francês Marcel Lefebvre:

"Não será dever de um católico julgar entre a fé que lhe ensinam hoje e a que foi ensinada durante vinte séculos de tradição da Igreja? Ora, eu acredito sinceramente que estamos tratando com uma falsificação da Igreja, e não com a Igreja católica. Por quê? Porque eles não ensinam mais a fé católica. Não defendem mais a fé católica. Eles arrastam a Igreja para algo diferente da Igreja Católica. A verdade e o erro não estão em pé de igualdade. Isso seria colocar Deus e o diabo em pé de igualdade, visto que o diabo é o pai da mentira, o pai do erro. Como poderíamos nós, por obediência servil e cega, fazer o jogo desses cismáticos que nos pedem colaboração para seus empreendimentos de destruição da Igreja? Se acontecesse do papa não fosse mais o servo da verdade, ele não seria mais papa. Não poderíamos seguir alguém que nos arrastasse ao erro. Isto é evidente. Não sou eu quem julga o Santo Padre, é a Tradição. Para que o Papa represente a Igreja e seja dela a imagem, é preciso que esteja unido a ela tanto no espaço como no tempo já que a Igreja é uma Tradição viva na sua essência. Na medida em que o Papa se afastar dessa Tradição estará se tornando cismático, terá rompido com a Igreja. Eis porque estamos prontos e submissos para aceitar tudo o que for conforme à nossa fé católica, tal como foi ensinada durante dois mil anos mas recusamos tudo o que lhe é contrário.  E é por isso que não estamos no cisma, somos os continuadores da Igreja católica. São aqueles que fazem as novidades que estão no cisma.  Estou com vinte séculos de Igreja, e estou com todos os Santos do Céu!”

 

Veja também...

As Homilias do Papa Francisco, cheias de Eisegeses, interpretações pessoais da Bíblia, por vezes perigosas

Papa Francisco: Divisão, caos e autodemolição. A gravidade da situação de divisão no seio da Igreja, provocada por Francisco, deixando muitos católicos caminhando no escuro

Jornalista católico Antonio Socci: Francisco hoje é o Líder Mundial da Esquerda. Ele mesmo declarou que os comunistas pensam como cristãos

Artigo do jornalista católico Antonio Socci: No dia da Senhora de Fátima (esquecida), Bergoglio fez com que entrasse triunfalmente no Vaticano a estátua de Lutero, o mais famoso herege, como se fosse um santo

A Igreja passar a considerar o herege Martinho Lutero, como uma testemunha do evangelho, é uma traição a Cristo e a tudo aquilo no que por graça tenho crido

Francisco e seus amigos Bispos e Cardeais, que adoram e cultuam a deuses estranhos, prostrando-te diante deles, servindo a mesa de demônios

Sem limites para apostasia na Igreja, quando blasfemam abertamente: Freira queridinha do papa Francisco, declara em programa da TV espanhola, que a Imaculada Virgem Maria e o Santo São José, tiveram relações sexuais

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne