A cultura de morte do Fim dos Tempos: No Canadá, médicos de Ontário lutam contra uma lei para forçá-los a ajudar a matar seus pacientes


18.06.2017 -

Uma política de Ontário que obriga os médicos a encaminhar pacientes para a eutanásia e o aborto, mesmo quando for contra sua consciência ou religião, foi desafiada no tribunal nesta semana.

n/d

Cinco médicos cristãos e três grupos de médicos argumentaram no tribunal que uma política da Faculdade de Médicos e Cirurgiões de Ontário (CPSO) viola seus direitos da Carta à liberdade de consciência e religião. 

O governo liberal Kathleen Wynne interveio em nome da faculdade.

A política do CPSO de 2015 exige que os médicos que se oporem a razões religiosas ou de consciência ao fornecimento de certas "práticas" médicas, notadamente o aborto e a eutanásia, devem dar aos pacientes que buscam essas práticas uma remessa efetiva. Isso significa entregar ativamente um paciente a outro colega que fará o trabalho. (de ajudar na eutanásia =  matar)

A política também exige que os médicos que não desejam participar da "matança" de seus pacientes devem fazê-lo em situações de emergência" não especificadas.

O Canadá legalizou o suicídio assistido e a eutanásia em junho de 2016, sob a direção do Supremo Tribunal, que anulou as leis anteriores como inconstitucionais no ano anterior. 

O advogado de Ottawa, Albertos Polizogopoulos, desafiou a política durante a audiência de 13 a 15 de junho em nome dos três grupos de médicos, incluindo a Christian Medical and Dental Society of Canada (CMDSC), a Canadian Federation of Catholic Physicians 'Societies (CFCPS) e canadense Médicos para a Vida (CPL).

Os grupos dizem que somente as forças do Ontário criticam conscientemente os médicos para dar uma referência efetiva, ou para realmente matar os próprios pacientes em uma "emergência".

"Isso é tão bizarro quanto a tudo", disse o Dr. Jim Lane, presidente da Federação Canadense de Sociedades de Médicos Católicos, ao CBC .

"Houve muitas jurisdições no mundo que aprovaram o suicídio assistido ou a eutanásia, mas nenhum deles forçou seus médicos contra sua consciência a se referirem ou a realizarem esses procedimentos", disse ele. 

A política estipula que os médicos encontrados em violação da política enfrentarão severas penalidades.

"Se um médico em Ontário for um objetor de consciência, o CPSO afirmou que pode suspender ou sancionar um médico que não participará de suicídio assistido", disse Larry Worthen, diretor executivo da Christian Medical and Dental Society of Canada.

A faculdade também agressivamente defendeu sua política contra a ação judicial, disse Worthen à LifeSiteNews em dezembro .

Existem inúmeros médicos de Ontário que conscientemente se opõem, direta ou indiretamente, a matar seus pacientes.

n/d

Destes, 168 escreveram o CPSO afirmando que não cumprirão a política, disse Worthen em um comunicado de imprensa de segunda-feira.

Isso inclui o Dr. Mark D'Souza de Toronto, um dos seis médicos que faz visitas domiciliares de cuidados paliativos, mas parou de tomar novos pacientes em março.

"Não vou abandonar meus pacientes atuais, mas não aceito novos até que eu conheça meus direitos de consciência como médico estão garantidos em lei", disse ele.

D'Souza, um católico, disse ao Toronto Star que suas convicções pessoais não têm "nada a ver com ninguém", mas que ele se opõe a que os médicos sejam punidos se não cooperarem com a eutanásia.

A faculdade está argumentando que os médicos são obrigados a fornecer acesso a todos os "serviços médicos" legais, independentemente de suas crenças pessoais.

"No seu núcleo, o pedido de direitos humanos exige que o tribunal considere se o órgão autônomo que regula os 40 mil médicos de Ontário pode estabelecer expectativas profissionais para seus membros, mesmo que alguns médicos possam ver essas expectativas como implicando seus direitos da Carta". judiciais documentos .

"É a posição da faculdade que não só pode fazê-lo, deve fazê-lo, no cumprimento do seu dever de regulamentar a prática da medicina no interesse da população de pacientes grande e diversificada de Ontário", sustenta.

"Não é um dos nossos preceitos fundamentais em medicina não abandonar nossos pacientes?" O presidente do CPSO, Dr. Dave Roussell, disse à CBC , acrescentando que um paciente "deveria poder pedir um serviço". E quando se trata de eutanásia, pode ​​ser um paciente frágil, idoso e acamado.

Mas o grupo de Worthen diz em outras jurisdições onde os médicos não são obrigados a fornecer uma referência efetiva, os pacientes não são impedidos de acessar um médico que irá matá-los.

O caso não é sobre o acesso, mas "sobre se o governo pode obrigar os médicos a violar suas consciências e suas crenças religiosas sinceramente realizadas", afirmam seus documentos.

A política do CPSO "obriga os candidatos e outros médicos a serem cúmplices na tomada da vida humana", acrescenta o grupo de Worthen. 

Seu grupo está pedindo que Ontário adote o "protocolo de Alberta", disse Worthen à LifeSiteNews. 

Em Alberta, os médicos que se opõem podem dar o número de um centro de coordenação de cuidados que os pacientes que buscam a eutanásia podem acessar diretamente, explicou.

Enquanto isso, vários grupos, incluindo a Liga dos Direitos Civis Católicos e o Centro de Justiça para Liberdades Constitucionais, intervieram em nome do grupo de médicos na audiência de Toronto, que concluiu na quinta-feira.

Os três juízes reservaram sua decisão, e Worthen disse ao LifeSiteNews que poderia demorar seis a doze meses antes de se pronunciar. 

Enquanto isso, a política do CPSO continua em vigor, forçando os médicos a violarem suas consciências realizando atos que preferem não. 

Fonte: www.lifesitenews.com  (artigo traduzido)

==============================

Nota de  www.raianhamaria.com.br

Diz na Sagrada Escritura:

"Por que me perguntas a respeito do que se deve fazer de bom? Só Deus é bom. Se queres entrar na vida, observa os mandamentos". (Mateus 19, 17)

"Conheces os mandamentos: não mates; não cometas adultério; não furtes; não digas falso testemunho; não cometas fraudes; honra pai e mãe". (Marcos 10, 19)

n/d

Nos Dez Mandamentos, encontramos um que diz: “Não matarás” (Ex 20,13). É certo que a expressão negativa enfática de não matar se refere às mais variadas formas que levam à morte. Dentre elas, lembramos do assassinato, da eutanásia e do aborto. O suicídio e a eutanásia também são considerados como a quebra desse mandamento, tendo em vista que significa autodestruição, ou negação da própria vida. O termo se origina do latim sui, que quer dizer a si mesmo, e caedere que significa cortar, matar.

O Papa João Paulo II, na encíclica Evangelium vitae: “A decisão deliberada de privar um ser humano inocente da sua vida é sempre má do ponto de vista moral, e nunca pode ser lícita nem como fim, nem como meio para um fim bom. (EV, 57).

n/d

Isso não impede que algumas formas de eutanásia sejam mais ou menos graves que outras. João Paulo II distingue também vários graus de gravidade (EV, 66).

"A primeira forma de eutanásia é a que resulta de uma falsa piedade. Neste caso, suprime-se a vida do doente com o objetivo de poupá-lo de mais sofrimento. No entanto, para a Igreja, a verdadeira compaixão, de fato, torna solidário com a dor alheia, não suprime aquele de quem não se pode suportar o sofrimento”.

"A decisão da eutanásia torna-se mais grave quando se configura como um homicídio, que os outros praticam sobre uma pessoa que não a pediu de modo algum nem deu nunca qualquer consentimento para ela.”

"Atinge-se o cúmulo do arbítrio e da injustiça quando alguns, médicos ou legisladores, se arrogam o poder de decidir quem deve viver e quem deve morrer”.

A liberdade de escolha do paciente não justifica a eutanásia. Segundo alguns promotores da eutanásia, esta poderia se justificar pelo “princípio de autonomia” do sujeito, que teria direito de dispor, de maneira absoluta, da sua própria vida. Para rejeitar esse direito, a Igreja se baseia no valor inalienável e sagrado de toda vida humana.

Segundo este princípio, assim como haveria um “direito ao suicídio”, existiria também um “direito ao suicídio assistido”. A Igreja não reconhece nenhum destes supostos direitos.

Seu ensinamento recordou isso muitas vezes: “A morte voluntária ou suicídio, portanto, é tão inaceitável como o homicídio: porque tal ato da parte do homem constitui uma recusa da soberania de Deus e do seu desígnio de amor".

 

Veja também...

Acredite se quiser: Francisco nomeia à Academia Pontifícia para a Vida do Vaticano, um anglicano que declarou que o aborto deveria ser legal até 18 semanas após a concepção

Francisco recebe em audiência no Vaticano, o primeiro-ministro canadense, que destinou US$650 milhões, para facilitar o aborto nos países em desenvolvimento. Qual a surpresa, de Francisco receber um Herodes do Fim dos Tempos?

Lembrando: Papa Francisco elogia ex-ministra italiana pró-aborto, uma mulher que disse publicamente ter participado de mais de Dez Mil abortos

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne