A revolução de Bergoglio na Igreja: O cardeal americano Blase Cupich, Arcebispo de Chicago, assegurou que, se os católicos querem participar do discernimento junto com Francisco, eles devem abandonar as crenças mais preciosas


07.11.2017 -

"É nosso trabalho realizar esse discernimento. Tome tempo Isso implica disciplina. E, o mais importante, exige que estejamos preparados para abandonar pretensões preciosas e preconceitos longos", disse o Arcebispo de Chicago em um discurso perante a União Teológica Católica, publicado no YouTube em 27 de outubro.

n/d

"É sobre a vontade de Francisco, de explorar as águas inexploradas", acrescentou.

Cupich elogiou a visão do diálogo do cardeal Joseph Bernardin. Bernardin foi o arcebispo de Chicago até sua morte em 1996. Citando Bernardin, o cardeal disse que através do diálogo "podemos explorar nossas diferenças e [nos assegurar] entendendo que nem tudo é cortado e seco, nem tudo está em jogo" .

Cupich disse que o papado do Papa Francisco é definido pelo "diálogo", que ele disse que equivale a "construir pontes".  

(contruir pontes para onde, abandonando nossa crença, tradição e doutrina católica: só se for uma ponte direto para o inferno!!)

n/d

"O diálogo não é uma palavra ruim, é a nossa palavra", disse ele.

O cardeal Cupich disse em seu discurso que os católicos "devem ter uma mudança de coração para que o diálogo seja bem sucedido e para encontrar um terreno comum". Eles devem entender que Jesus Cristo está "sempre fazendo algo novo" na Igreja, disse ele.

Reinventar a Igreja

E ele disse que sua própria arquidiocese é "reconstruir" e "reinventar" a Igreja através de um processo de "discernimento" e "diálogo". 

"Não somos uma Igreja de preservação, mas sim uma Igreja de proclamação". 

"Para atingir esse objetivo, devemos estar abertos a mudanças significativas, senão revolucionárias, na forma como a arquidiocese é organizada com suas paróquias e ministérios, como os recursos são fornecidos", disse ele.

"É um processo que será marcado pelo discernimento. Esse discernimento implica um diálogo com Deus e aquele que mantemos um com o outro... Este diálogo do discernimento do diálogo, será fundamental para libertar-nos da tentação de nos conformarmos com o modo como as coisas são, porque oferece a esperança de que é Deus quem está fazendo algo novo em nosso tempo".

Cupich disse que os processos de renovação "têm seu próprio vocabulário" e que a liderança dentro da arquidiocese precisa ser lembrada para usar a "linguagem da fé". O cardeal disse que, embora a maioria dos sacerdotes apoie o programa "Renovar a minha igreja", os líderes locais leigos resistem.

Fonte: http://infocatolica.com  (artigo traduzido)

============================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Lembrando o recente discurso de Francisco no Vaticano: A Igreja deve aderir à revolução cultural, deve fazer a sua parte e reconhecer honestamente atrasos e erros, por uma renovada cultura da identidade e diferença

O discurso foi proferido pelo Papa Francisco no Vaticano, no dia 5 de outubro, quando recebeu em audiência os participantes na Assembleia Geral dos Membros da Pontifícia Academia para a Vida.

"É uma verdadeira revolução cultural que se vê no horizonte histórico atual. E a Igreja é a primeira que deve fazer a sua parte. Nessa perspetiva, primeiro tem de reconhecer honestamente atrasos e erros. As formas de subordinação que tristemente marcaram a história das mulheres devem ser definitivamente abandonadas. É preciso escrever um novo começo no modo de ser dos povos, e isso pode ser feito por uma renovada cultura da identidade e diferença". (Papa Francisco in Rome Reports, 05/10/2017 – tradução livre)

Visto em: odogmadafe.wordpress.com

================================

Nota final de www.rainhamaria.com.br

Sempre lembrando...

Declarou o Arcebispo francês Marcel Lefebvre:

"Não será dever de um católico julgar entre a fé que lhe ensinam hoje e a que foi ensinada durante vinte séculos de tradição da Igreja? Ora, eu acredito sinceramente que estamos tratando com uma falsificação da Igreja, e não com a Igreja católica. Por quê? Porque eles não ensinam mais a fé católica. Não defendem mais a fé católica. Eles arrastam a Igreja para algo diferente da Igreja Católica.

n/d

A verdade e o erro não estão em pé de igualdade. Isso seria colocar Deus e o diabo em pé de igualdade, visto que o diabo é o pai da mentira, o pai do erro. Como poderíamos nós, por obediência servil e cega, fazer o jogo desses cismáticos que nos pedem colaboração para seus empreendimentos de destruição da Igreja? Se acontecesse do papa não fosse mais o servo da verdade, ele não seria mais papa. Não poderíamos seguir alguém que nos arrastasse ao erro. Isto é evidente. Não sou eu quem julga o Santo Padre, é a Tradição. Para que o Papa represente a Igreja e seja dela a imagem, é preciso que esteja unido a ela tanto no espaço como no tempo já que a Igreja é uma Tradição viva na sua essência. Na medida em que o Papa se afastar dessa Tradição estará se tornando cismático, terá rompido com a Igreja. Eis porque estamos prontos e submissos para aceitar tudo o que for conforme à nossa fé católica, tal como foi ensinada durante dois mil anos mas recusamos tudo o que lhe é contrário.  E é por isso que não estamos no cisma, somos os continuadores da Igreja católica. São aqueles que fazem as novidades que estão no cisma.  Estou com vinte séculos de Igreja, e estou com todos os Santos do Céu!”

Diz na Sagrada Escritura:

"É, porventura, o favor dos homens que eu procuro, ou o de Deus? Por acaso tenho interesse em agradar aos homens? Se quisesse ainda agradar aos homens, não seria servo de Cristo". (Gálatas 1, 10)

"É que eles preferiam a glória humana à glória que vem de Deus". (São João 12, 43)

"Estai de sobreaviso, para que ninguém vos engane com filosofias e vãs sutilezas baseados nas tradições humanas, nos rudimentos do mundo, em vez de se apoiar em Cristo". (Colossenses 2, 8)

"Eles são do mundo. É por isto que falam segundo o mundo, e o mundo os ouve. Nós, porém, somos de Deus. Quem conhece a Deus, ouve-nos; quem não é de Deus, não nos ouve. É nisto que conhecemos o Espírito da Verdade e o espírito do erro". (I João 4, 5 -6)

“Pedro e os outros apóstolos responderam: É preciso obedecer antes a Deus do que aos homens’!”  (Atos dos Apóstolos 5, 29)

 

Veja também...

A profunda divisão que percorre a Igreja não é entre opositores e fãs do Papa Francisco. Ocorre entre quem é fiel ao Magistério imutável dos Papas, e quem apoia Bergoglio com sua igreja nova diferente daquela fundada por Jesus Cristo

Confidente papal: Francisco aboliu o Inferno, Purgatório e o Céu. Pois, ele declarou: O Julgamento não deve ser temido, porque no final da nossa história há o Jesus misericordioso e, portanto, tudo será salvo. Tudo

Num livro-entrevista, o papa Bergoglio reduz o adultério e a fornicação a pecados menores”, anuncia uma “batalha contra a moral sexual via Amoris Laetitia, tolera uniões civis para homossexuais e diz que o estado secular é uma coisa saudável

Na Colômbia, durante uma missa, Francisco declarou o seguinte: Nas veias de Jesus corre sangue pagão (por gentileza católicos modernistas, que criticam artigos do site, enviem esclarecimentos sobre tal blasfêmia dita por um Papa)

A Fumaça de Satanás na Igreja: Os Bispos da Irlanda usam os ensinamentos de Francisco para promover casais homossexuais, como novo conceito de família no Encontro Mundial de Famílias de 2018

Francisco aparece em video junto com Líderes de diversas religiões, para promover uma união maior entre elas. Não há mais necessidade de conversão ao Cristianismo/Catolicismo, todos se salvam, tanto faz suas crenças

Os comunistas que gostam do Papa Francisco. E vice-versa. Ele mesmo declarou que os comunistas pensam como cristãos

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne