Escolas estão reprogramando as crianças, impondo ideologia de gênero, alerta especialista: O efeito a médio prazo é estabelecer uma mentalidade coletiva, para transformar os alunos em seres autocensurados, irracionais e facilmente controláveis


08.02.2018 -

n/d

Uma ex-profissional de serviços de inteligência está alertando que as escolas estão começando a adotar uma ação coordenada com o objetivo de confinar o livre pensamento e estabelecer como regra o politicamente correto e a ideologia do gênero.

Durante sua palestra no encontro do Conselho de Pesquisa Familiar em Washington, EUA, Stella Morabito, abordou como a agenda educacional da maior parte das Américas tem em comum questões que não eram sequer imaginadas alguns anos atrás.

Historiadora da União Soviética e especialista em análise de mídia, Morabito vem escrevendo há anos sobre como a persuasão da Elite visando a construção de uma sociedade politicamente correta é fundamental para a “centralização de poder e controle”.

“Aprendizagem social e emocional”, explicou ela, “está se tornando dominante nas políticas de educação pública e, se não for controlada, resultará em um pensamento padronizado, exigindo a conformidade das crianças com as bases do politicamente correto de nossos dias. Em outras palavras, é uma operação maciça de doutrinamento patrocinada, em larga escala, pelo Estado e destinada a controlar as pessoas, especialmente as crianças, estabelecendo como devem ver o mundo e se relacionar com as pessoas”.

n/d

Em sua apresentação, Morabito mostrou vídeos de especialistas opinando sobre por que esse tipo de educação é necessária. O mantra atual da pedagogia parecer ser que essa é a única maneira que as crianças vão adquirir “habilidades para a vida” e elas serão “automotivadas”.

“O efeito a médio prazo é estabelecer uma mentalidade coletiva”, explicou Morabito. Passando a mostrar como o conteúdo acadêmico sobre qualquer assunto parece ser menos importante que a filosofia por trás disso, uma vez que as crianças podem acessar a internet e aprender quase tudo sozinhas hoje em dia.

Ela destaca que a ênfase dominante é estabelecer como as crianças serão “conscientizadas”, terão “as emoções reguladas”, e poderão “tomar decisões responsáveis” a partir do que lhes é apresentado em sala de aula.

n/d

Segundo Morabito, grande parte dos conteúdos que fazem parte de diretrizes educacionais surgiram do plano de Educação do presidente Barack Obama e chegaram até a ONU. Entre os temas mais explorados estão a defesa do globalismo social e econômico e os direitos LGBT, com ênfase no transgenderismo.

A especialista acredita que em muitos lugares as pessoas responsáveis pelas tomadas de decisões caíram na armadilha do “pensamento utópico”, que por natureza é sempre coletivista. Essa filosofia desconsidera o indivíduo em prol da construção de um mundo mecânico previsível que exige controle das massas, essencialmente programando-os desde cedo sobre o que eles podem e não podem dizer.

Destacou que, separar a sociedade em pequenos grupos e fazer com que esses grupos se digladiem entre si é fundamental para o projeto de destruição da identidade humana.  Morabito explicou também que, embora haja mudanças na aplicação, toda a base dessa forma de pedagogia vem da teórica do Direito e filósofa Política de Martha Fineman. Entre seus principais ensinamentos é que o reconhecimento estatal da instituição do casamento deveria ser abolido e que os padrões de comportamento (incluindo o sexual) deveriam ser “regulados pelas interações entre todos os membros da sociedade”.

Ela aponta como bons exemplos dessa linha a insistente presença das questões de linguagem inclusiva, que em último caso, andam de mãos dadas com a ideologia de gênero.

“Usar palavras e pronomes que não correspondem ao seu sexo biológico desestabiliza o pensamento pois mina completamente toda a estrutura de nossa linguagem”, enfatizou. “Quando um idioma é revisto, aspectos da conversação são substituídas por reflexos emocionais condicionados que criam uma mentalidade monolítica, que não permite diferenças de pensamento”.

A especialista demonstrou ainda que a manipulação da linguagem “através da imposição da neblina semântica tornou-se uma poderosa ferramenta para transformar os alunos em seres autocensurados, irracionais e facilmente controláveis.

Fonte: Christian Post  via  Gospel Prime

===========================

Nota de www.rainhamaria.com.br

Novamente lembrando...

Sempre que se viola a ordem moral natural estabelecida por Deus, comete-se um grave pecado e se ofende a Deus. O (falso) casamento homossexual e a ideologia de gênero, fazem exatamente isso. Também mudar de sexo viola igualmente a LEI DIVINA. Ninguém nasce homem ou mulher por mero acaso, mas em virtude dos desígnios da Divina Providência, conforme o texto do profeta Jeremias: “Antes que no seio fosses formado, eu já te conhecia”. (Jeremias 1, 5)

Ir contra os Desígnios Divinos é um ato de revolta contra o Criador.

Como lemos no Livro do Gênesis: “Deus criou o homem à sua imagem; criou-o à imagem de Deus, criou o homem e a mulher. Deus os abençoou: Frutificai, disse ele, e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a” (Gen 1, 27-28).

Diz também na Sagrada Escritura: (um retrato escrito do Fim dos Tempos)

"Como se não bastasse terem errado acerca do conhecimento de Deus, embora passando a vida numa longa luta de ignorância, eles dão o nome de paz a um estado tão infeliz. Com efeito, sacrificando seus filhos, celebrando mistérios ocultos, ou entregando-se a orgias desenfreadas de religiões exóticas, eles já não guardam a honestidade nem na vida nem no casamento, mas um faz desaparecer o outro pelo ardil, ou o ultraja pelo adultério. Tudo está numa confusão completa - sangue, homicídio, furto, fraude, corrupção, deslealdade, revolta, perjúrio, perseguição dos bons, esquecimento dos benefícios, contaminação das almas, perversão dos sexos, instabilidade das uniões, adultérios e impudicícias". (Sabedoria 14, 22-26)

* * *

n/d

 

Veja também...

Sodoma moderna quer seus filhos: Drag queen dá aula sobre gêneros para crianças em escola de Minas Gerais

Sodoma moderna quer seus filhos: Em Pelotas RS, alunos de escola pública são obrigados a comparecerem em palestra sobre identidade de gênero, com direito a apresentação de Drag Queen

Ideologia de Gênero: A batalha final?

A educação sexual é parte essencial da ideologia de gênero. Não se pretende educar, mas destruir, ou como alguns preferem, desconstruir o desenvolvimento infanto juvenil normal introduzindo simultaneamente noções perversas de sexualidade

A Ideologia de gênero e o crescente número de crianças e jovens confusos em relação à sua própria identidade sexual

Médica brasileira da AMD adverte: A ideologia de gênero é uma fraude. Ela não tem base científica alguma. Não façam de nossa educação o experimento que falta à ideologia de gênero. Nossas escolas não são laboratórios, nossas crianças não são cobaias

Procurador da República, Doutor Guilherme Schelb: Contra a ideologia de gênero nas escolas e aulas sobre sexo para crianças. Se você é contra estes abusos na educação de seus filhos, assista este video

O professor Felipe Nery revela os efeitos terríveis causados pela implementação da Ideologia de Gênero na educação de outros países e aponta alguns dos vários vestígios dessas ideias na Base Nacional Comum Curricular aprovada pelo MEC

Sodoma moderna e sua rebelião, o gay revolucionário: Iremos sodomizar seus filhos, vamos seduzi-los em suas escolas, nos grupos de jovens, seus filhos se tornarão nossos subordinados e farão o que mandarmos. Eles serão recriados à nossa imagem

A Sodoma do Fim dos Tempos: Personagens transgêneros estão sendo colocados na TV para doutrinar o público ao estilo de vida transgênero

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne